Alterações climáticas e a sociedade digital são desafios estratégicos, diz António Costa

Alterações climáticas e a sociedade digital são desafios estratégicos, diz António Costa

Durante um almoço-debate “Portugal, que Futuro?”, no Porto, promovido pelo Clube Fenianos Portuenses, o governante lembrou que a transição para uma sociedade digital é uma “enorme oportunidade” para as empresas, para a administração pública se reformar e para os cidadãos verem facilitada a sua vida, acrescentando, contudo, que esta coloca também problemas que têm de ser identificados para serem resolvidos.

Sustentando-se em estudos da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) que dizem que o processo de automação fará desaparecer cerca de 14% dos empregos que existem e que mais de 32% desses vão sofrer alterações, António Costa lembrou os “enormes desafios” que isso representa para a sociedade, nomeadamente em evitar que as novas tecnologias sejam fator de assimetrias e ruturas.

Por isso, na sua opinião, o grande desafio quanto a esta matéria é fazer essa transição sem “abrir um fosso de desigualdade e falta de oportunidades”.

Ao mesmo tempo que se apoia a modernização das empresas e da administração pública deve-se investir na qualificação dos recursos humanos do país, entendeu.

O primeiro-ministro considerou que se deve prosseguir o esforço de aumentar o número de investigadores, doutorados ou pós-doutorados nas empresas porque essa é a melhor forma de transmissão de conhecimento e de incorporação de conhecimento dentro do tecido empresarial.

Além deste, o desafio das alterações climáticas é outro no qual Costa insistiu, lembrando que essas não põem só em causa a nossa forma de viver e trabalhar, mas as nossas condições de viver no planeta Terra.

“É fundamental todos termos consciência de qual o risco efetivo de nada fazermos para conter as alterações climáticas”, frisou.

Elogiando o trabalho do ministro do Ambiente, Matos Fernandes, presente na sessão, Costa assumiu a necessidade de investir progressivamente em alterar o modo de produção de energia e o paradigma da mobilidade.

Destacando a importância de investir no transporte público, o primeiro-ministro salientou que é “urgente” agir, falando no “papel central” das cidades porque é nestas que existem os grandes centros de consumo de energia e mobilidade.

Investir na economia circular, na agricultura e nas redes de água é outra das diretivas tidas como essenciais para minimizar os efeitos das alterações climáticas, destacou.

Comente este artigo

O artigo foi publicado originalmente em SAPO 24.

Anterior Anadia destruiu mil ninhos de vespa asiática nos últimos três anos
Próximo Patrulha Aérea da GNR deteta corte ilegal de árvores perto de Rio Maior

Artigos relacionados

Nacional

Feira de Caça, Pesca, Turismo e Natureza

[Fonte: Sul Informação]
Albufeira vai receber, de 5 a 7 de Julho, pela primeira vez, […]

Nacional

Temperaturas em Agosto foram “superiores ao normal”

Aquele que é tradicionalmente o mês mais quente do ano em Portugal pode ter parecido mais frio do que o normal, […]

Nacional

ADACO-associação distrital dos agricultores de Coimbra manifestam-se amanhã junto à DRAPC

Amanhã , terça-feira dia 28 de Novembro pelas 10H30, as delegações de Agricultores e Produtores Florestais de  vários Concelhos do Distrito de Coimbra afectados pelos incêndios, […]