Algumas notas sobre a Fertilização Pós-Colheita em Fruticultura

Algumas notas sobre a Fertilização Pós-Colheita em Fruticultura

Introdução

O Fruticultor deve considerar a Fertilização da cultura, não só em termos de produção do ano, mas também da produção seguinte, de modo a:
· Alimentar a presente colheita;
· Formar os gomos florais para a colheita seguinte;
· Constituir reservas nas raízes e nos ramos para as próximas frutificações.

Além disso, deve respeitar as diferentes etapas da vida da planta:
· Multiplicação celular;
· Estrutura das células;
· Engrossamento do fruto;
· Queda das Folhas.

Nesta última etapa do ciclo anual da planta, que decorre durante o mês de Outubro, em que as folhas terminam a sua fase vegetativa, os nutrientes serão transportados e armazenados nos caules e nas raízes, que depois serão remobilizados na primavera seguinte, para o início do novo ciclo cultural.
Para isso, o Fruticultor deve preparar o ano seguinte, alimentando a árvore após a colheita e até à queda das folhas. Assim, deve colocar em reserva os elementos que ela terá necessidade do abrolhamento à floração do ano que se segue.
Elementos esses que são entre muitos o Azoto, o Boro e o Zinco, mas também o Magnésio, o Cálcio, o Manganês, o Molibdénio e outros.

AZOTO

As necessidades deste nutriente são muito elevadas entre a rebentação e a fase da multiplicação celular do fruto. Daí a importância do azoto nesta fase, proveniente das reservas nutritivas.
A maioria do azoto que constitui as reservas, aumenta de uma maneira considerável, a partir da colheita dos frutos.

Atender aos seguintes factores:
. Teor de Matéria Orgânica no solo;
. Revestimento do solo (gramíneas ou leguminosas);
. Nível de adubação azotada;
. Equilíbrio do azoto com outros nutrientes.

A sua deficiência após a colheita ocasiona:
. Desfoliações precoces, durante a queda das folhas;
. Menor superfície foliar e menor capacidade fotossintética;
. Diminuição do armazenamento de hidratos de carbono nos órgãos de reserva (raízes, tronco e ramos);
. Menor taxa de abrolhamento, de vingamento e maiores quedas fisiológicas no início do vingamento dos frutos.

Solução: Aplicar o azoto após a colheita, na dose de 1,5 a 2 kg de ureia por 100 litros de água.

BORO

Carência de Boro na Macieira

A sua deficiência ocasiona irregularidades no crescimento e floração (polinização e vingamento dos frutos).

A aplicação de boro na pós-colheita tem os seguintes efeitos:

Melhores florações

Melhores Vingamentos

Solução: Aplicar o boro após a colheita ou sobre a madeira, na dose de 0,5 a 1 kg de Borax ou outro equivalente por 100 litros de água (conforme a intensidade da carência).
Esta aplicação no Verão melhora a floração e a frutificação do ano seguinte (melhoria na germinação do pólen, no crescimento do tubo polínico e na divisão celular).

ZINCO

É um elemento que tem influência na formação da clorofila e na síntese das hormonas de crescimento da planta.

Sintomas de carência de Zinco em Macieira (1) e em Cerejeira (2)

A aplicação de zinco na pós-colheita tem os seguintes efeitos:
. Melhoria da diferenciação floral;
. Acumulação de reservas nos órgãos lenhosos para o ano seguinte.

Solução: realizar uma pulverização com sulfato de zinco, na dose de 0,5 kg por 100 litros de água + ureia, na dose de 1,5 kg por 100 litros de água.
A ureia tem uma acção sinérgica na absorção do zinco, o que se torna interessante nas aplicações de sulfato de zinco no pós colheita.

Outras soluções:
Utilizar uma das muitas soluções comerciais existentes no mercado com Azoto + Micronutrientes (Cobre, Boro, Zinco e Manganês).

A aplicação destes micronutrientes na pós-colheita tem os seguintes efeitos:
. Endurecimento, das paredes celulares (acção do cobre);
. Maior lenhificação dos tecidos vegetais, o que impede a rotura das paredes celulares, constituindo uma barreira à entrada das bactérias ( boro);
. Melhor proteosíntese (acção do cobre, zinco ,manganês e molibdénio);
. Melhor resistência ao ataque das bactérias (acção conjunta do zinco + cobre).

Realizar esta adubação foliar antes da queda total das folhas, enquanto as mesmas estão verdes e em plena actividade vegetativa.

A absorção dos nutrientes realiza-se durante todo o ciclo vegetativo, segundo a actividade radicular das plantas. Claro que o período de maior absorção coincide com o momento do maior desenvolvimento radicular e com o crescimento vegetativo principal: floração, vingamento e formação dos frutos. Posteriormente também existe um período de absorção importante no final do ciclo vegetativo, permanecendo os nutrientes absorvidos armazenados na raíz.

Na fertirrigação utilizar:
Utilizar um adubo NPK + Mg, com muito fósforo, no sentido de estimular o sistema radicular, para permitir uma melhor absorção de água e nutrientes.

Em resumo a acção da fertilização pós-colheita consiste:
. Numa melhoria dos arranques de Primavera;
. Numa diminuição da alternância através de uma melhoria da indução floral;
. Num melhor atempamento, traduzido por um endurecimento da madeira e uma melhor resistência ao vento;
. Num reforço da resistência à geada precoce do início do período vegetativo.

Bibliografia consultada:
Andre Loué (1986), “Los Microelementos en Agricultura
CTIFL (1999), “Fertilisation des vergers”.
Guerra, António (1986), “Fertilização das culturas arbóreas”
D.R.A.E.D.
S. Trocme, R. Gras (1979), “ Suelo y Fertilisation en Fruticultura”

Um artigo de: António Pedro Tavares Guerra
Engenheiro Técnico Agrário
Licenciado em Engenharia Agro-Pecuária
Formador e Consultor Técnico em Nutrição Vegetal
*Escrito ao abrigo do anterior Acordo Ortográfico

Publicado na Voz do Campo n.º 230 (outubro 2019)

O artigo foi publicado originalmente em Voz do Campo.

Comente este artigo
Anterior Há várias formações em agricultura biológica agendadas para breve
Próximo Proteção de culturas biológicas. Telas da Arrogoni passam no teste das ‘baby leaves’

Artigos relacionados

Nacional

Requisitos técnicos que envolvem a Xylella fastidiosa

Atendendo à deteção de Xylella fastidiosa, no concelho de Vila Nova de Gaia e no sentido de acautelar um conjunto de condições para assegurar a produção e comercialização de plantas especificadas hospedeiras de Xylella fastidiosa em local indemne, […]

Sugeridas

30 mil hectares consumidos nos últimos dias, 122 mil desde janeiro

[Fonte: Diário de Notícias]
Os incêndios florestais que se registam desde domingo nos distritos de Castelo Branco, Santarém e Portalegre consumiram quase 30 mil hectares, […]

Últimas

Cartaxo recebe primeiro Workshop Regional de Inovação – 2 de julho

O CCTI – Centro de Competências para o Tomate Indústria, o COTHN-CC – Centro Operacional e Tecnológico Hortofrutícola Nacional e a Rede Rural Nacional vão organizar o primeiro Workshop Regional de Inovação, […]