AgroVida julho – Boas Práticas Comerciais e um ato simbólico – Editorial de Teresa Silveira

AgroVida julho – Boas Práticas Comerciais e um ato simbólico – Editorial de Teresa Silveira

Foi um ato simbólico aquele a que os ministros da Economia, Siza Vieira, e da Agricultura, Capoulas Santos, assistiram esta semana, com a formalização da adesão de perto de cinco dezenas de empresas ao Código de Boas Práticas Comerciais na Cadeia Agroalimentar.

Em dezembro de 2017, seis associações/confederações – APED, a CAP, a CCP, a CIP, a CNA e a CONFAGRI – já tinham alinhado num quadro voluntário de princípios e boas práticas.

Esta semana foi a vez de produtores e industriais (Lactogal, Nestlé, Sumol+Compal, Modelez, Sovena, Sonae, Frutoeste, Vitacress e outras) e dos retalhistas assinarem por baixo. Assumiram preto no branco, publicamente, perante os fornecedores, os clientes e o país, que se comprometem a “atuar em estrita conformidade com a legislação, incluindo a da concorrência”, prometendo que vão “negociar entre si de forma responsável, de boa-fé e com diligência profissional”.

Por isso, é salutar que os grandes retalhistas que operam no país – Pingo Doce Distribuição Alimentar, Modelo Continente Hipermercados, Lidl & Companhia, Auchan Retail Portugal, Recheio Cash & Carry e a recém-instalada em Portugal Irmadona Supermercados (Mercadona) – tenham subscrito o Manual.

É bom sabermos que eles assumem a prática de boas práticas. Para mais quando ainda nos chegam relatos individuais, sempre a medo e sempre em ‘off’, de práticas comerciais ilegais, desleais, indignas e de condições leoninas ao longo da cadeia de abastecimento alimentar e não alimentar.

Que levante a mão o produtor ou industrial que nunca sentiu na pele – e na fatura – a imposição de descontos não contratualizados nos preços ou a alteração súbita de valores, datas e condições. Que se levante da cadeira aquele que nunca ouviu falar das ‘notas de débito’, apresentadas por certos retalhistas no final do ano só porque sim, e que deixam os operadores económicos entre a espada da saída da sua insígnia dos lineares e a parede que é terem de aceitar receber uns milhares de euros a menos no acerto contabilístico final em trocam de lá permanecerem.

Não é crível que a deslealdade comercial vá acabar só porque um Manual de Boas Práticas foi assinado na presença de dois ministros. O mercado é pequeno e feroz e a crescente concorrência eleva a fasquia todos os dias. Mas se esse Manual, a par da prometida revisão do Decreto-Lei sobre Práticas Individuais Restritivas do Comércio (PIRC) surtirem efeitos, Portugal dá mais um passo no caminho da ética e da transparência.

→Descarregue aqui o Suplemento AgroVida de julho de 2019←

Comente este artigo
Anterior Mais de mil hectares já foram rearborizados no Pinhal de Leiria
Próximo Família Serrano Mira lança os seus primeiros vinhos verdes

Artigos relacionados

Últimas

Cerveja artesanal Barona assume distribuição para a região de Lisboa e Alentejo Litoral

[Fonte: Agricultura e Mar]
A Barona, Brewing Company, fabricante de cerveja artesanal do Alentejo vai assumir a distribuição das suas cervejas para a região da grande Lisboa e Alentejo Litoral. […]

Últimas

Governo anuncia investimento de “60 milhões de euros em regadio para todo o país”

[Fonte: O Jornal Económico]

O Governo acaba de anunciar o lançamento de um novo investimento de “60 milhões de euros em regadio para todo o país”, […]

Últimas

Pampilhosa da Serra neutralizou meia centena de ninhos de vespa asiática desde julho

[Fonte: SAPO 24]

“Com recursos próprios, o município tem conseguido proceder à eliminação dos diversos ninhos identificados, […]