AgroIN 2020: Eficienciocultura – 30 de junho – Oeiras – ADIADO

AgroIN 2020: Eficienciocultura – 30 de junho – Oeiras – ADIADO

Considerando a evolução recente das instruções e recomendações do governo e entidades governamentais – designadamente as recomendações divulgadas pelo Ministério da Administração Interna e as medidas incluídas no Plano Nacional de Preparação e Resposta à Doença pelo novo coronavírus (COVID-19) – e, ainda, motivados pelo sentido de responsabilidade que nos pauta na Vida Rural, marca representada pela IFE by Abilways,  bem como a reputação do AgroIN como palco de excelência na área dos agronegócios em Portugal, o AgroIn vai ser adiado.
 
Conforme referido, esta decisão surge na sequência do acompanhamento e monitorização que temos vindo a fazer da evolução deste novo vírus e das medidas que têm vindo a ser comunicadas pelas entidades responsáveis com vista à minimização do impacto desta epidemia. O adiamento deste evento vai também ao encontro das solicitações recebidas nesse contexto pelos diversos players envolvidos no evento.
 
Agradecemos todo o apoio que temos recebido e contamos consigo para continuar a fazer do AgroIN o evento de referência dos agronegócios em Portugal.

A Eficienciocultura veio para ficar!

Culturas há muitas e modos de produção também. Mas há uma que assume transversalidade e é decisiva para todos os empresários, técnicos e gestores agrícolas: a cultura da Eficiência.

A equação parece simples: usar menos recursos e conseguir mais e melhor produção. Mas a prática traz desafios que importa discutir e partilhar.

Porque mais Gestão é igual a maior Rentabilidade. E é a Rentabilidade que permite produzir com Sustentabilidade, investir em inovação e catapultar os agronegócios. Está lançada a sementeira da Eficiêncio-cultura! Vamos fazê-la crescer em mais uma edição do AgroIN.

Marque já na agenda o dia 30 de junho, no Centro de Congressos do Tagus Park. Contamos consigo?

→ Inscrição ←

Programa

09H20 Boas-vindas

09h30 MEDIR A PEGADA DE CARBONO: QUAIS AS VANTAGENS COMPETITIVAS?
Apresentada como uma ferramenta de análise de desempenho da sustentabilidade, a medição da pegada de carbono permite aos empresários e gestores calcular as emissões dos gases com efeito de estufa, mas também de todo o ciclo de consumo de fatores de produção como a energia, fertilizantes, agroquímicos e água passando pela gestão dos resíduos, um tema fulcral em agronegócios. Mas…
◉ Pode a pegada de carbono ser um fator de rentabilidade?
◉ Pode este conhecimento trazer vantagens competitivas ao agricultor?
◉ Agricultores que medem a pegada são mais eficientes?
◉ Pode ser uma mais valia na futura PAC?
◉ O mercado valoriza este conhecimento

9h55 COMO MEDIR A SUSTENTABILIDADE DO NEGÓCIO E SER MAIS EFICIENTE?

10h20 SUSTENTABILIDADE E MERCADO
Indústria e distribuição. Estão estes elos da fileira alinhados com os produtores na valorização de práticas mais sustentáveis?
◉ A produção está a ser remunerada pelo investimento em alimentos mais ecológicos?
◉ Estas práticas estão a ser comunicadas e utilizadas como ferramenta de marketing?
◉ O consumidor perceciona este valor e está disposto a pagar mais?

11h00  Pausa para café ☕️

11h30 CLIMATE SMART AGRICULTURE: MUITO OU NADA DE NOVO?
Intensificação sustentável. Agricultura de conservação. Agroecologia. Climate smart agriculture, dizem. Perdidos nas definições? Aumentar a produtividade e o rendimento, tornar os agricultores mais resilientes às alterações climáticas e reduzir as emissões associadas à produção de alimentos é o desafio. Chegar lá é um caminho desafiante que implica essencialmente gerir com um novo foco. Agrofloresta, gestão da água, solo e energia, gestão fitossanitária, gestão de culturas, tecnologia.
◉ Onde estão os melhores exemplos de utilização da tecnologia neste contexto?
◉ Quais são os desafios na luta contra pragas e doenças?
◉ Quem está a usar a diversificação cultural e novas culturas com sucesso?
◉ Quem está a investir em sistemas agroflorestais?
◉ É possível melhorar a eficiência na utilização de fatores de produção?
◉ Ainda estamos longe da eficiência energética?

12h30 Prémios VIDA RURAL 

13h00  Almoço networking ?

14h30 A ÁGUA VAI CONTINUAR A REVOLUCIONAR AS OPÇÕES CULTURAIS?
São empresários e gestores e as suas explorações agrícolas mudaram radicalmente na última década. Com a chegada da água de Alqueva um novo leque de possibilidades se abriu e com ele a viabilização de uma enorme área condenada a baixas produtividades e rentabilidades. Mas está tudo feito em Alqueva?
◉ Onde está o potencial para continuar a crescer?
◉ Que novas culturas podem surgir?
◉ Quais os desafios ambientais?
◉ Como ultrapassar o desafio da mão-de-obra?

16h00 O RESGATE DO SOLO É O DESAFIO DA PRÓXIMA DÉCADA?
O que se passa no subsolo passou a ser tão ou mais importante do que aquilo que acontece à superfície. Um sistema complexo e dinâmico que importa conhecer em profundidade e que é decisivo para o sucesso das culturas. Dizem os especialistas quem em cada grama de terra existem mais de 10.000 espécies microorganismos. O que sabemos sobre isto?
◉ É preciso rever os métodos de conservação do solo?
◉ Fungos, bactérias e vírus: como podem ajudar as plantas?
◉ Qual o papel das micorrizas?
◉ Como podem influenciar os modelos de produção atuais?
◉ As soluções nesta área estão desenvolvidas?
◉ Há resultadas da aplicação destas técnicas?

17h30 Encerramento

Porquê Participar

Interação com os oradores

Possibilidade de ouvir e interagir com os melhores profissionais, inovadores e disruptores do setor

Conteúdos especializados

Casos de estudo e apresentações inspiradoras sobre as principais tendências

Networking

Oportunidade de desenvolver parcerias estratégicas, reuniões one-to-one e aumentar a rede de contactos

Coffee Breaks e almoço

Pausas para café / almoço e oportunidade de visitar a área de exposição

Reveja a edição de 2019

Local

Taguspark, Núcleo Central, 100
2740-122 Oeiras

Coordernadas GPS:
N 38.739993 | W -9.303020

O artigo foi publicado originalmente em Vida Rural.

Comente este artigo
Anterior Dia aberto do grupo operacional REGACORK - Rega de Sobreiros - 12 de fevereiro - Avis
Próximo CDS espera que voz de Portugal não “se torne rouca” nas negociações do orçamento comunitário

Artigos relacionados

Últimas

10 toneladas de castanha furtadas em Bragança

Desapareceram perto de 10 toneladas de castanha na madrugada de domingo num armazém em Carregosa (Bragança), avança a RTP.
De acordo com a notícia divulgada pela RTP, […]

Últimas

Incêndios. Quercus lamenta baixa execução de Plano de Desenvolvimento Rural

A associação ambientalista Quercus apontou hoje a “baixa execução financeira” das medidas previstas no Plano de Desenvolvimento Rural (PDR) para proteger a floresta portuguesa de fogos como os que assolaram os distritos de Santarém e Castelo Branco. […]

Nacional

Delimitados 13 concelhos do norte para travar bactéria Xylella fastidiosa

A bactéria Xylella fastidiosa, que afeta plantas, foi confirmada em “sete novos locais” de Vila Nova de Gaia, Santa Maria da Feira e Porto, tendo […]