Agricultura em risco de ficar 2 anos sem apoio pós-covid

Agricultura em risco de ficar 2 anos sem apoio pós-covid

Apesar de o mega Fundo de Recuperação Europeu para mitigar os efeitos da pandemia prever uma dotação para o setor agrícola, essa fatia vai ficar vinculada ao que vier a ser definido para o novo quadro financeiro da Política Agrícola Comum (PAC), que só entrará em vigor em 2023, privando os agricultores dessa verba durante dois anos, denunciam os eurodeputados do PSD.

“Esta situação é inadmissível. Não faz sentido que não haja qualquer apoio ao setor da agricultura para fazer face à crise causada pela pandemia durante os dois anos da transição. Vão os agricultores europeus ser privados de auxílios à recuperação apenas por teimosia?”, questiona Álvaro Amaro, membro da Comissão de Agricultura.

Em comunicado, o eurodeputado estima que, “na base da vinculação do fundo de recuperação à PAC pós-2023 (…) está a vontade da Comissão em pautar a execução do financiamento de recuperação pelas mesmas linhas ideológicas que tem previstas para a futura Política Agrícola Comum”.

Por esse motivo, Álvaro Amaro questionou a Comissão, no sentido de saber se “considera rever a sua posição de não permitir a execução desse apoio durante o período de transição da PAC” e se “apresentará outros auxílios para o setor que permitam responder à crise durante o período de transição”.

“Estou manifestamente inconformado com o sequestro deste importante apoio financeiro durante o período de transição apenas por obstinação ideológica”, concluiu Álvaro Amaro, citado no comunicado.

O Fundo de Recuperação da União Europeia para socorrer Estados-membros devido à pandemia, no valor de 750 mil milhões de euros, proposto pela Comissão no dia 27 de maio, tal como o próximo Quadro Financeiro Plurianual, aguardam pela decisão dos chefes de Governo, que irão reunir-se em Conselho a 17 e 18 de julho, para conhecer o montante exato do reforço.

“O Regulamento de transição da PAC, cujo compromisso político entre o Parlamento e o Conselho foi alcançado no passado dia 30 de junho, prevê um período de dois anos para transição, de forma garantir o tempo necessário a que as administrações e os agricultores se adaptem à nova arquitetura da PAC, que entrará em vigor, então, apenas em 2023”, contextualiza o PSD.

A componente do Fundo de Recuperação Europeu para a agricultura ficará disponível através do reforço da dotação do Fundo Europeu Agrícola de Desenvolvimento Rural (FEADER), acrescenta-se no texto.

O artigo foi publicado originalmente em Dinheiro Vivo.

Comente este artigo
Anterior O projeto Rebanhos Mais utiliza o pastoreio para gerir espaços naturais e prevenir incêndios
Próximo Agri-food trade strong and stable in the first months of 2020

Artigos relacionados

Comunicados

COVID-19: Recomendações aos distribuidores

No seguimento da declaração de pandemia pela Organização Mundial de Saúde (OMS), como resultado da infeção pelo novo Coronavírus 2019 (SARS- […]

Nacional

APROLEP pede articulação com Governos dos Açores e de Espanha para encontrar solução para “a crise do preço baixo do leite”

2018 terminou com um preço médio de 31,8 cêntimos por kg de leite pago aos produtores nacionais, um valor que fica 4 cêntimos abaixo da média comunitária, […]

Últimas

Esporão compra Quinta do Ameal

O Esporão formalizou a compra da Quinta do Ameal, projeto liderado por Pedro Araújo e pertencente à sua família desde os anos 90. […]