Agricultores Portugueses de luto – CAP exige apuramento de responsabilidades

Agricultores Portugueses de luto – CAP exige apuramento de responsabilidades

Reunida ontem em Lisboa, a Direção da Confederação dos Agricultores de Portugal (CAP) fez uma primeira avaliação sobre a questão dos recentes incêndios rurais que arrasaram vastas áreas do território, com consequências dramáticas para um elevadíssimo número de agricultores e proprietários rurais, destruindo bens materiais, matando animais e aniquilando meios produtivos e de subsistência, e que se dirigiram à Confederação em estado de profunda revolta e indignação pela forma como o Governo se demitiu das suas responsabilidades.

A CAP associa-se ao luto nacional em que o País mergulhou, lamentando profundamente, e uma vez mais, a inaceitável e incompreensível ausência de capacidade do Estado em proteger os seus cidadãos, elevando a perda de vidas humanas a números que custam a acreditar ser possíveis verificarem-se nos dias de hoje. Decidiu, assim, exigir publicamente o apuramento das responsabilidades do Estado e dos seus representantes, assim como a assunção de todas as medidas necessárias para que, em definitivo, uma situação como esta não volte a repetir-se.

Para a Confederação, o Estado falhou gravemente nas suas obrigações quanto à proteção das pessoas, particularmente nas zonas rurais, e deverá assumir a responsabilidade pela perda de vidas humanas, mas também dos meios produtivos nas várias regiões do país, indemnizando de forma justa e coerente os agricultores e os cidadãos em geral afetados por esta situação. A Direção da CAP considera tratar-se de uma questão de segurança nacional, que compete ao Estado, e que este, após os acontecimentos de Pedrogão Grande, não poderia de forma alguma ter deixado que se repetisse.

A CAP lamenta ainda que o Orçamento de Estado recentemente apresentado não contenha medidas específicas que visem infraestruturar convenientemente o País de meios e tecnologia para fazer face a fenómenos desta natureza, muito relacionados com a seca e as alterações climáticas, numa atitude de alheamento e indiferença perante factos recentes e preocupantes, face ao futuro e à salvaguarda de parte significativa do território e suas populações.
A Direção da CAP uma vez mais alerta para a necessidade de toda esta temática dever ser enfrentada de forma profissional, na certeza de que se assim não for viveremos no futuro tragédias semelhantes, inadmissíveis e intoleráveis num país da União Europeia em pleno século XXI.

Em ambiente de profunda consternação, a Direção da CAP renova o seu voto de profundo pesar e solidariedade para com as famílias enlutadas, bem como com todo o conjunto de agricultores e demais cidadãos que viram as suas vidas e os seus bens atingidos por tamanha tragédia de nível nacional.

Comente este artigo
Anterior Oferta de Emprego - Responsável Sénior de Produção (M/F) - Évora
Próximo Agri Innovation Summit conclui: é preciso colocar o agricultor no centro da Inovação

Artigos relacionados

Nacional

Açores aprovam em breve novo regime jurídico para regular a atividade de polícia florestal

O executivo dos Açores anunciou esta quarta-feira que, em breve, será aprovado em Conselho de Governo o novo regime jurídico para regular a atividade de polícia florestal, […]

Últimas

InovTerra prepara workshop sobre instalação da cultura e colheita de baga do sabugueiro

A InovTerra — Associação para o Desenvolvimento Local, com sede em Vila Pouca de Salzedas, concelho de Tarouca, está a organizar mais um workshop sobre instalação da cultura e colheita de baga do sabugueiro. […]

Últimas

Queijo de Azeitão DOP Santiago. Vence concurso no 24º festival queijo, pão e vinho de Palmela

O Queijo de Azeitão DOP Santiago foi o grande vencedor do Concurso do Queijo de Azeitão da 24º Festival Queijo, Pão e Vinho de Palmela que decorreu este fim-de-semana na Quinta do Anjo. […]