Agricultores de Coimbra exigem controlo de animais que destroem culturas

Agricultores de Coimbra exigem controlo de animais que destroem culturas

A Associação Distrital dos Agricultores de Coimbra (Adaco) exigiu hoje um “controlo efetivo” dos animais selvagens que destroem as culturas agrícolas e lamentou que o Estado não assuma responsabilidades pelos prejuízos.

“No distrito de Coimbra, os javalis — e nalgumas zonas também veados e corços — continuam a invadir as explorações agrícolas e mesmo florestais e a causar grandes prejuízos em várias culturas, sazonais e permanentes, e até em vedações e sistemas de rega instalados”, afirma o coordenador da Adaco, Isménio Oliveira, em comunicado.

Devido a esta situação, “que se mantém fora de controlo, têm sido enormes os prejuízos” na lavoura, “ao ponto de centenas de pequenos e médios agricultores estarem a ser obrigados a deixar de produzir”, segundo a organização, associada da CNA.

“O Ministério da Agricultura e o Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) não têm tomado medidas eficazes de controlo das populações de animais selvagens”, refere, o que levou a Adaco a enviar ao ICNF “uma nova exposição, reclamando a tomada de medidas para resolver o problema”.

A associação, com sede em Coimbra, exige “a atribuição de indemnizações pelos prejuízos e o controlo sanitário e do número (…) destes animais, que devem ser pagas, sobretudo nesta situação de crise”, aos donos das culturas destruídas.

“E o ICNF não venha dizer que não há verbas, porque recebe mais de 10 milhões de euros por ano, das zonas de caça e das licenças dos caçadores”, salienta.

Na resposta à Adaco, “além da informação de que as zonas de caça associativas são as responsáveis pelos pagamentos das indemnizações e de duas ações de correção de densidade de javalis, nos concelhos de Miranda do Corvo e Penela, com o abate de 60 animais”, a diretora regional do Centro do ICNF, Teresa Fidélis, “alvitra que também cabe aos agricultores minimizarem a ocorrência de prejuízos, por exemplo, instalando cercas de proteção ou outros dispositivos”.

“O que é urgente, isso sim, é que o ICNF vá para o terreno contabilizar os prejuízos, conforme promessa do seu presidente [Nuno Banza], em reunião realizada, em 2019”, com os representantes dos agricultores lesados, defende a associação.

Por outro lado, a Adaco preconiza a alteração do decreto-lei 2/2011, de 06 de janeiro, “de forma a responsabilizar mais o Ministério da Agricultura, o Ministério do Ambiente e da Ação Climática e o ICNF, pelos prejuízos causados” por aqueles animais selvagens.

O artigo foi publicado originalmente em RTP.

Comente este artigo
Anterior Agricultores da UE terão de ser apoiados para reduzir emissões de CO2
Próximo CIM Viseu Dão Lafões e da Região de Coimbra lançam procedimento para a aquisição de um sistema de videovigilância florestal

Artigos relacionados

Ofertas

Oferta de emprego – Estágio Profissional (M/F) – Vila Franca de Xira

A Associação de Beneficiários da Lezíria Grande de Vila Franca de Xira (ABLGVFX), responsável pela gestão do Aproveitamento Hidroagrícola da Lezíria Grande de Vila Franca de Xira (AHLGVFX), pretende admitir Eng. Agrónomo (m/f) para integrar o Departamento de Planeamento, Projectos.

Nacional

Metade dos fogos registados até 15 de julho tiveram origem em queimadas e queimas

O segundo relatório provisório de incêndios rurais do ICNF deste ano, que compreende o período de 1 de janeiro e 15 de julho, […]

Nacional

Seminário sobre o Brexit na Frutitec

Agenda, Destaque Agenda

O seminário “Brexit: impactos, desafios e oportunidades” […]