Afetados dos Incêndios de Outubro avançam para manifestação a 2 de Fevereiro

Afetados dos Incêndios de Outubro avançam para manifestação a 2 de Fevereiro

A Maavim, realizou ontem uma conferência de imprensa em Arganil, onde elencou uma série de situações detetadas no terreno. Após reuniões efetuadas na Presidência da Republica, Assembleia da Republica, Ministério Agricultura e com os diversos Partidos, denunciou:

– Não existir uma única habitação já construída no terreno e as que estão a ser construídas são com apoios particulares e de associações como a nossa. Esta medida acaba a 31 de Janeiro;

– Os apoios à agricultura não chegaram a muitas pessoas, tendo chegado a outros com cortes e com milhares de pessoas que ficaram de fora ou por só terem efetuado o primeiro registo ou por o portal ter sido encerrado cedo ou estarem ausentes;

– As candidaturas 6.2.2. têm a mesma tipologia das candidaturas normais, onde as pessoas têm de efetuar a compra e o pagamento antecipadamente e só posteriormente podem receber o apoio, o que na maioria dos casos vai inviabilizar a sua realização;

– As habitações secundárias estão todas sem medidas e apoios, devendo ser as mesmas contempladas no mínimo com o apoio á construção dos telhados, paredes, portas e janelas, para não acelerar o abandono rural e a desertificação;

Os pdm´s dos municípios afetados devem ser imediatamente suspensos para reorganizar o território afetado e regularizar todas as infraestruturas afetadas;

– A floresta está a degradar-se e sem qualquer investimento público até ao momento, e apoio, não refletindo as medidas anunciadas na realidade no terreno;

– Os agricultores não têm dinheiro para o corte e limpeza das matas até 15 de Março, como podem cortar e limpar as matas para cumprir a lei, se não têm meios para tal;

– A população não tem sementes para semear de novo as terras para novas colheitas, não têm alimentação, nem animais, porque arderam ou morreram durante e após os incêndios;

– As vítimas que já começaram a receber são as de Pedrogão, de Outubro nenhuma recebeu;

– As infraestruturas rodoviárias estão degradadas e sem investimentos e reparações previstas;

– As indústrias estão somente com 431.733€  de apoios até ao momento, muitas delas estando ainda à espera das decisões das seguradoras e do apoio do estado e das candidaturas;

– As medidas de apoio ao emprego só abrem em Março, 5 meses após os incêndios;

Por tudo isto esta associação reivindica a abertura das plataformas, quer da agricultura, floresta, habitação e outras medidas de apoio até ao início de Junho. Pede a abertura de linhas de crédito para a execução das diversas candidaturas, pede medidas diretas para a recuperação das zonas afetadas pelos incêndios e não palavras de conforto e boa vontade de que está tudo bem. 

Decidiu então a Maavim, juntamente com a Cna e a Adaco, realizar uma manifestação no dia 2 de Fevereiro pelas 14h30m em frente ao ministério da Agricultura, pois foi este que recebeu as diversas propostas no passado dia 15 de Janeiro, não tendo até ao momento respondido.

 

Fernando Tavares Pereira

https://www.facebook.com/Maavimmov/ e-mail: maavimmove@gmail.com Tel: 238605810 / 932286073   

 

Consulte aqui o Flyer Reuniões e ainda as Operacoes_aprovadas REPOR_22jan2018      

Comente este artigo
Anterior Portugal é o país com mais investimento do Plano Juncker
Próximo Borrego Leonor & Irmão celebra 50 anos ao serviço da agricultura

Artigos relacionados

Nacional

Abreu Advogados reúne especialistas para debater indústria da cannabis medicinal

[Fonte: Agricultura e Mar]

A Abreu Advogados vai receber a conferência ‘Perspectiva do Mercado sobre a Indústria da Cannabis Medicinal’, no próximo dia 5 de Junho, no auditório da sociedade de advogados, para uma manhã dedicada a apresentações, esclarecimentos e debate sobre a Lei que entrou em vigor este ano e que ainda suscita dúvidas pelo mercado empresarial quanto à […]

Nacional

Associação Zero teme pela qualidade da água tanto para cosumo como para a…

j68o1zbpzUrOUjAJZWzR

Associação Zero teme pela qualidade da água tanto para cosumo como para a…

O grave período de seca e de incêndios que o país atravessa está a deixar os ambientalistas em alerta. A associação Zero receia que a qualidade da água para consumo e para a agricultura esteja comprometida. […]

Sugeridas

“Este é o ano de consagração da FICOR”, diz o presidente da Câmara de Coruche

[Fonte: Gazeta Rural]
Coruche recebe de 30 de Maio a 2 de Junho a FICOR – Feira Internacional da Cortiça, certame que visa promover e divulgar o único produto em que Portugal é o maior produtor mundial, mas também afirmar o concelho como capital mundial da cortiça. […]