AEP pede ligação ferroviária à Europa para mercadorias. António Costa afirma ser “fundamental”

AEP pede ligação ferroviária à Europa para mercadorias. António Costa afirma ser “fundamental”

A ligação ferroviária de Portugal à Europa para o transporte de mercadorias “é a grande preocupação” do novo presidente da Associação Empresarial de Portugal (AEP) — e não o TGV, ao qual só é favorável “se houver apoios”.

Em entrevista ao Dinheiro Vivo, Luís Miguel Ribeiro, que acaba de assumir o cargo, garante que o país deve “investir na criação de riqueza” e que, nesse sentido, “é urgente diversificar mercados”. “Precisamos de reforçar os fundos de apoio à internacionalização, quer em montantes, quer nas taxas de cofinanciamento”, remata.

O mandato, que começou em julho, vai estender-se até maio de 2020, com apostas voltadas para a “requalificação dos recursos humanos”, “reforço da competitividade das empresas” e “apoio à internacionalização”. Sobre este último ponto, frisa que ainda “há um longo caminho a fazer”.

Acerca do atual Governo, Luís Miguel Ribeiro vê “resultados positivos a vários níveis”, nomeadamente na “consolidação das contas públicas”, mas critica “algumas opções tomadas ao nível da qualificação dos recursos humanos e dos estímulos à atividade empresarial”: “Temos uma das cargas fiscais mais elevadas da Europa, o que exige um esforço acrescido às empresas”, aponta.

Para dinamizar a economia, o novo líder da AEP pede uma descida dos impostos, “sempre que as contas públicas o permitam”. “A burocracia, a carga fiscal e a legislação laboral têm de ser ajudadas às necessidades das empresas”, conclui.

António Costa afirma que ferrovia é fundamental na ligação a Espanha

No rescaldo da entrevista, o secretário-geral do PS, António Costa, afirmou este sábado que o investimento na ferrovia na ligação a Espanha é fundamental, para o interior deixar de ser as traseiras do litoral e passar a ser a porta para o mercado ibérico.

“Nós dissemos que o interior tinha de deixar de ser visto como um problema para o país e que tinha que passar a ser visto como uma oportunidade para o país e que isso passava por duas coisas: em primeiro lugar, por valorizar os recursos próprios destas regiões e, por outro lado, por reforçar a ligação com Espanha, para que o interior deixe de ser as traseiras do litoral e passe a ser nossa porta avançada para crescermos no conjunto do mercado ibérico, para os 60 milhões de pessoas que vivem na Península Ibérica”, afirmou António Costa.

O secretário-geral do PS, que falava durante um almoço-convívio em Castelo Branco, no âmbito da pré-campanha para as eleições legislativas de 6 de outubro, considerou que governar exige fazer escolhas. “Quando nós escolhemos onde devíamos dar prioridade ao investimento, uma das prioridades que definimos na ferrovia foi a ligação a Espanha através da linha da Beira Alta e da linha da Beira Baixa”, sustentou. Costa afirmou que essas obras deixaram de ser daquelas que só aparecem nos discursos: “São obras que estão hoje a andar, estão no terreno e vão ser acabadas a tempo e horas para termos uma melhor ligação a Espanha”.

O secretário-geral do PS explicou também que foi também por isso que no Plano nacional de Infraestruturas o Governo inscreveu outra obra fundamental, uma rodovia de ligação a Espanha. “Inscrevemos uma obra fundamental para ligar a A23 a Espanha que é o IC 31 e essa vai ser também uma outra realidade, porque é tão importante ligar o interior ao litoral, como mais importante ainda é ligar o interior a Espanha”, sustentou. Contudo, sublinhou que não basta ter serviços e infraestruturas e defendeu que as empresas são fundamentais para a criação de postos de trabalho para revitalizar todo o interior do país.

“É o emprego que permite fixar quem cá vive e atrair quem pode vir para cá viver. E foi por isso que ao contrário de outros que querem reduzir impostos para todas as empresas sejam elas quais forem e estejam onde estiverem, nós entendemos que o que era necessário, era concentrar o esforço do beneficio fiscal nas empresas que se instalem no interior para aqui criarem postos de trabalho, fixarem população e que atraiam novos residentes”, concluiu.

(Notícia atualizada às 16h15 com declarações de António Costa sobre a ferrovia)

O artigo foi publicado originalmente em ECO - fundos comunitários.

Comente este artigo
Anterior Fogo na Sertã em resolução, mas rescaldo vai demorar
Próximo Incêndios. Dominado fogo em Miranda do Corvo após “precipitação intensa no local”

Artigos relacionados

Últimas

BAD defende aposta na agricultura como alternativa aos recursos naturais em Moçambique

O representante do Banco Africano de Desenvolvimento (BAD) em Moçambique, Pietro Toigo, defendeu esta sexta-feira em Maputo que a aposta na agricultura é […]

Nacional

Incêndios: Ministro nega “falta de transparência” na aplicação de fundo europeu

Nelson de Souza foi chamado à Comissão dos Assuntos Europeus pelo PSD, que queria saber como e onde têm sido utilizados os 50,6 milhões de euros (ME) atribuídos através do Fundo de Solidariedade da União Europeia (FSUC) para ajudar na reconstrução pelos incêndios de junho e de outubro de 2017, […]

Últimas

Apostar na ferrovia, acabar com os plásticos e reduzir as perdas de água. O plano do PS para o Ambiente

Estas são algumas das medidas que a direção dos socialistas acredita corresponderem ao caminho em discussão na Cimeira das Nações Unidas do Clima, […]