Adaptar o território às alterações climáticas – Concretizar P-3AC

Adaptar o território às alterações climáticas – Concretizar P-3AC

Estratégia Nacional de Adaptação às Alterações Climáticas (ENAAC 2020) estabelece uma estrutura institucional tendo em vista o planeamento e desenvolvimento de uma sociedade e de uma economia resiliente, competitiva e de baixo carbono, alinhada com a visão de um país adaptado aos efeitos das alterações climáticas, através da contínua implementação de soluções baseadas no conhecimento técnico-científico e em boas práticas.

Programa de Ação para Adaptação às Alterações Climáticas P-3AC, visa concretizar o 2.º objetivo da ENAAC 2020 – Implementar medidas de adaptação – essencialmente identificando as intervenções físicas com impacto direto no território que constituem medidas de adaptação, criando um quadro de referência para a atuação nacional em matéria de adaptação às alterações climáticas. Para o efeito, identifica as oito principais vulnerabilidades no território português e estabelece as linhas de ação e as respetivas medidas prioritárias de adaptação.

Como é sabido, o Fundo Ambiental apoia políticas ambientais para a prossecução de objetivos do desenvolvimento sustentável, designadamente projetos na área da adaptação às alterações climáticas.

Assim, pretende este Aviso promover e apoiar operações (e.g. projetos e ações) de adaptação às alterações climáticas, visando a implementação concreta de medidas materiais preconizadas nos diversos exercícios de planeamento existentes, de carácter territorial (local ou regional), mais especificamente no Programa de Ação para Adaptação às Alterações Climáticas (P-3AC) e nas Estratégias e Planos de Adaptação às Alterações Climáticas aplicáveis, em Portugal Continental e nas Regiões Autónomas da Madeira e dos Açores, através de intervenções nas seguintes componentes específicas:

  • Redução ou minimização dos riscos associados a fenómenos de cheias e de inundações para reduzir o risco e aumentar a resiliência das infraestruturas e dos ecossistemas, espécies e habitats aos efeitos das alterações climáticas, mantendo ou recuperando galerias ripícolas e fomentando a criação de refúgios e corredores ecológicos para espécies vulneráveis.
  • Promover a adoção de soluções estruturais e de base natural, recorrendo sempre que possível aos serviços baseados nos ecossistemas.
  • Promover projetos que integrem boas práticas de adaptação às alterações climáticas, com carácter demonstrativo e de replicabilidade.

Neste contexto, são abrangidas por este Aviso as seguintes tipologias de intervenções:

  • Criação de áreas de infiltração através da construção e/ou recuperação de bacias de retenção (escavação e dique), da reconversão de áreas de superfície impermeáveis (e.g. renaturalização de ecossistemas ribeirinhos, instalação de pavimentação drenante), da execução de valas de retenção paralelas às cotas do terreno nas encostas para reter a precipitação; da proteção das linhas de água e recuperação dos perfis naturais de troços de rio e planícies de inundação; de operações de limpeza e regularização das linhas de água.
  • Proteção das linhas de água e recuperação dos perfis naturais de troços de rio e planícies de inundação, como operações de restauro ecológico e de manutenção da vegetação ripícola, desobstrução de leitos de cheia; remoção de sedimentos e outro material dos leitos; recuperação da secção de vazão das passagens hidráulicas e pontões; remoção de estruturas obsoletas e sem função atual; reabilitação de açudes existentes, com objetivos de correção torrencial; construção de pequenas obras de correção torrencial.
  • Intervenções em infraestruturas (e.g. transporte, energia, comunicações, saneamento) tais como: elevação de vias/da infraestrutura, sistemas de drenagem (transversal e longitudinal e incluindo a possibilidade de criação de bacias de retenção); ações ao nível dos taludes, incluindo revestimento vegetal.
  • Intervenção nas galerias ripícolas prioritariamente em áreas de distribuição das populações de bivalves de água doce; em pequenas bacias costeiras intermitentes do centro e sul que albergam as espécies endémicas ameaçadas de peixes dulciaquícolas; em áreas importantes para a conservação das populações de anfíbios e répteis de água doce vulneráveis.
  • Criação de refúgios e corredores ecológicos para espécies vulneráveis da fauna tais como: em sectores a montante dos principais fatores de pressão antropogénica das pequenas bacias costeiras intermitentes do centro e sul para salvaguarda da ictiofauna nativa; de baixa para alta altitude em áreas florestais importantes para espécies de anfíbios e répteis de montanha; e em ecossistemas agrícolas e florestais importantes para anfíbios e répteis, criando pequenas áreas de micro habitats com espécies autóctones nas áreas presentemente ocupadas por monoculturas.

Constituem beneficiários e parceiros elegíveis às ações enquadradas nos objetivos e tipologias do presente Aviso:

  • Municípios, CIM (Comunidades Intermunicipais) e Entidades Públicas;
  • Outros parceiros (Associações, Fundações e Organizações Não-governamentais) enquadrados em consórcio externo de responsabilidade solidária, liderados por Municípios, CIM e Entidades Públicas.

DOTAÇÃO FINANCEIRA E TAXA MÁXIMA DE COFINANCIAMENTO

A dotação máxima do Fundo Ambiental afeta ao presente Aviso é de €1.000.000 (um milhão de euros).

As taxas máximas de cofinanciamento são de 85% (oitenta e cinco por cento) para os beneficiários, incidindo sobre o total das despesas elegíveis, com cofinanciamento limitado a €200.000 (duzentos mil euros) por operação, cuja execução se poderá prolongar até 2020.

Não são financiados projetos que tenham já sido anteriormente objeto de financiamento público nacional ou comunitário.

PRAZO E MODO DE APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS

O período para a receção de candidaturas decorrerá até às 23:59 horas do dia 30 de setembro de 2019, através da página eletrónica do Fundo Ambiental, onde irá figurar o Aviso “Adaptar o território às alterações climáticas – Concretizar P-3AC”, com a documentação aplicável e ligação para o formulário da candidatura.

Aceder ao Formulário de Candidatura – Clique aqui   (BREVEMENTE DISPONÍVEL)

Consulte as regras de apoio à candidatura:

Documentos enquadradores:

Comente este artigo
Anterior Os campos do Baixo Alentejo na década de 1950 revisitados
Próximo Quer ter certificação de Agricultor Sustentável? Novas acções em Setembro

Artigos relacionados

Comunicados

Ordem do Médicos Veterinários vai receber Medalha de Honra da Agricultura

4 de outubro, às 11h45, nas instalações do Ministério da Agricultura, na Praça do Comércio
No próximo dia 4 de outubro, […]

Últimas

Plant Health: prioritising the fight against 20 quarantine plant pests on the EU territory

Following a new methodology, the JRC assessed a list of quarantine pests for their potential economic […]

Sugeridas

PME agrícolas podem ser compensadas com apoio até 50 mil euros

Os Estados-membros da UE estão agora autorizados a utilizarem fundos de desenvolvimento rural para compensar agricultores e PME agrícolas pelo […]