Açores pedem mais celeridade na certificação de regimes de qualidade da UE

Açores pedem mais celeridade na certificação de regimes de qualidade da UE

“Na resposta enviada esta semana a Bruxelas, o executivo regional sugere uma revisão dos prazos no que diz respeito aos tempos de análise das candidaturas pela Comissão Europeia, bem como da consulta pública, por forma a tornar menos moroso o regime de certificação dos produtos agrícolas”, revelou a Secretaria Regional da Agricultura e Florestas, num comunicado do Gabinete de Apoio à Comunicação Social do Governo Regional.

Em causa estão regimes como as Indicações Geográficas Protegidas (IGP), a Denominação de Origem Protegida (DOP) e as Especialidades Tradicionais Garantidas (ETG).

Além da certificação do alho da Graciosa como IGP, os Açores têm, neste momento, em fase de registo a certificação da manteiga DOP e do chá DOP, estando em fase de avaliação a anona e a banana regionais.

O executivo açoriano propôs a adoção de “procedimentos únicos de registo, de alteração e de cancelamento dos regimes de qualidade”, para aumentar a eficácia do processo de certificação.

A tutela da Agricultura dos Açores realçou a importância destes regimes na proteção de culturas e na notoriedade dos produtos, alegando que trazem “mais-valias aos produtores, melhorando os seus rendimentos”, promovem “novas oportunidades de negócio” e contribuem para “o crescimento e modernização da economia local” e para a fixação de população no meio rural.

Por outro lado, sublinhou o Governo Regional, “em virtude dos controlos efetuados às produções é garantida a qualidade e genuinidade dos produtos certificados, proporcionando aos consumidores segurança alimentar, rastreabilidade dos produtos e sustentabilidade”.

Ainda assim, o executivo, alertou para o facto de a repartição de rendimentos entre produtores, transformação e comercialização não ser “proporcional ao esforço colocado na cadeia pelos vários intervenientes”, considerando que “os produtores, na generalidade das situações, são os mais afetados”.

O artigo foi publicado originalmente em Açoriano Oriental.

Comente este artigo
Anterior Ribatejo recebe a 11º edição do Concurso Nacional de Mel - 5 e 6 de março - Santarém
Próximo Colza em Portugal – Um interesse renovado

Artigos relacionados

Últimas

Manual de Boas Práticas de Fruticultura: Pereira

No seguimento da colaboração do Polo de Alcobaça com a revista Frutas, Legumes e Flores (FLF) para a elaboração do Manual de Boas Práticas de Fruticultura sob a forma de fascículos, divulga-se […]

Últimas

Navigator presente no maior salão internacional agroalimentar – SISAB Portugal

A The Navigator Company irá estar presente de 2 a 4 de março, no SISAB Portugal, o maior salão internacional da indústria agroalimentar e de […]

Últimas

PAN quer travar colheita mecanizada de azeitonas à noite para proteger aves

O PAN pretende que sejam aplicadas contraordenações a quem não cumprir o estipulado. Objetivo é proteger as aves migratórias

O PAN apresentou esta terça-feira um projeto de lei para que seja proibida a colheita mecanizada de azeitonas durante a noite para proteger as aves migratórias, […]