A “Vitivinicultura no Douro Verde” foi tema de reflexão em webinário promovido pela Dolmen

A “Vitivinicultura no Douro Verde” foi tema de reflexão em webinário promovido pela Dolmen

O papel que as novas tecnologias podem e devem assumir enquanto apoio à tomada de decisão, designadamente as relacionadas com as alterações climáticas, foi um dos temas focados no webinário “Vitivinicultura no Douro Verde”, que aconteceu a 7 de junho e marcou o início de um ciclo de três sessões promovidas no âmbito do projeto “A aplicação de Políticas de Desenvolvimento Rural na Região do Douro Verde – Estudo de Caso”, liderado pela Dolmen.Foi também a oportunidade para desmistificar a ideia de que as tecnologias estão apenas ao serviço de alguns, desde logo pelo custo que lhe está associado, o que não é verdade, nem no que respeita ao acesso aos dados, tendo a esse respeito, sido referida a importância da Estação Espacial Copérnico, a partir da qual podem ser obtidos dados relacionados designadamente com a vegetação, solo ou água, nem no que respeita aos equipamentos, como sensores, leitores ou drones, que atualmente já são disponibilizados no mercado a preços muito acessíveis.
Durante a sessão, que contou com Joaquim Mamede Alonso, do Instituto Politécnico de Viana do Castelo; António Seabra, da Direção Regional de Agricultura e Pescas do Norte (DRAPN); e Nuno Alves, da PROENOL S.A., como oradores convidados, foi sublinhada a importância dos Avisos Agrícolas, prevendo-se para breve o lançamento de um portal da DRAPN, que reunirá informação diversificada de acesso aos agricultores. Outro motivo de referência foi a criação de uma Rede de Observadores Biológicos. Destaque ainda para a apresentação de uma levedura, produzida a partir de fungos 100% naturais, aceleradora do processo de maturação da uva.
Por sua vez, José António Silva, da Escola Profissional de Agricultura e Desenvolvimento Rural de Marco de Canaveses (EPAMAC), apresentou o novo curso que a escola viu recentemente homologado – Técnico Vitícola e Frutícola – que neste contexto do Douro Verde se reputa de enorme importância pelo seu significado na economia local, conforme recordou Paulo Pereira, Vice-Presidente da Dolmen.

Ainda no presente mês de junho seguem-se duas novas sessões: “A Floresta no Douro Verde” (no dia 15), cuja inscrição deve ser feita até dia 14, através do link: https://forms.gle/uMewCLaZpir9FM1B7 e “Inovação em Meio Rural” (no dia 18).

O projeto “A aplicação de Políticas de Desenvolvimento Rural na Região do Douro Verde – Estudo de Caso” é desenvolvido em parceria com a UTAD, EPAMAC, Associação dos Produtores Agrícolas Vale do Sousa e Tâmega (APROVAL) e Associação Florestal de Entre Douro e Tâmega (AFEDT), sendo apoiado pelo PDR 2020 Área 4 – Observação da agricultura e dos territórios rurais. Tem como objetivo avaliar o impacto da aplicação de políticas de desenvolvimento rural no território Douro Verde, perspetivando igualmente o futuro.

O artigo foi publicado originalmente em Gazeta Rural.

Comente este artigo
Anterior Suínos: Efetivo reprodutor aumenta 0,7%
Próximo FNA 2021: Conversas de Agricultura - Gravações

Artigos relacionados

Nacional

Proprietários têm até ao final da semana para limpar terrenos

Em Guimarães, limpeza das faixas de gestão de combustível em várias freguesias segue a bom ritmo. […]

Valorização

Floresta com inteligência

A gestão da floresta poderá ser cada vez mais eficiente com recurso às novas tecnologias. É neste sentido que os projetos FOCUS e Easyflow atuam, […]

Nacional

Acha que enoturismo é apenas prova de vinho?

O Soalheiro propõe-lhe uma experiência cultural que pode ser vivenciada em família e entre amigos… dos 8 aos 80 anos.
De férias ou sem ideias para relaxar no fim de semana? […]