A conta do fogo: e você, como a quer pagar? – João Adião

A conta do fogo: e você, como a quer pagar? – João Adião

Não estamos a pagar a pronto um padrão aceitável de fogo – pagamos a prazo e com juros, uma elevada fatura que não apaga a dimensão trágica deste fenómeno recorrente… É assim que queremos fazer?

 

“Olhem para os vosso pastores, como eu olhei para os índios da América”
E.V.Komarek

Portugal é hoje um dos países com mais floresta na Europa. Uma situação recente: passámos dos 7% em meados do séc XIX (Andrada e Silva, 1815, Rebelo da Silva, 1874 ou Pery, 1875), para os actuais números a rondar os 40%. Este crescimento foi na sua esmagadora maioria impulsionado pelo sector privado. Com efeito, o desenvolvimento socioeconómico oitocentista, muitas vezes erradamente considerado como mais uma etapa de degradação, terá sido antes, o incentivo que motivou a expansão florestal. O aumento abrupto do valor de mercado levou à aposta no Pinheiro-bravo, a norte, (para fornecer madeira, postes, resina, lenha, para milhares de kms de rede telegráfica, linha férrea e suas locomotivas, etc) e no Sobreiro, a sul (com a cortiça a ganhar projecção com a invenção da rolha e a expansão do sector vinícola).

No sul, não só a cortiça, mas igualmente quer a valorização da pecuária (maior procura citadina por carne, exportação de lã) quer as políticas proteccionistas aos cereais, resultaram na expansão dos Montados, enquanto sistemas agro-silvo-pastoris, um 3 em 1! O fogo, na vigência deste modelo, não é uma ameaça. E o modelo vai-se mantendo, porque continuamos a produzir muito e bom vinho, porque a cortiça soube explorar novos mercados, caso da moda, porque toda a nossa produção de vacas cobre apenas metade da procura, porque o pão continua a fazer parte do nosso quotidiano. Assim, enquanto pagamos estes produtos, estamos também a pagar a pronto uma paisagem resistente ao fogo.

 

Continue a ler este artigo no Observador.

Comente este artigo
Anterior Um país que brinca com o fogo - Paulo Pimenta de Castro
Próximo Márcio Lopes conquista Prémio Enólogo Revelação e Prémio Singularidade 2019

Artigos relacionados

Últimas

Ease regulatory burden to support ‘new revolution’ in crop breeding, researchers urge

It’s imperative to ease the regulatory burden on new crop breeding technologies that could feed a warmer, hungrier world, a new study urged. […]

Últimas

Centenas de agricultores exigem em Lisboa uma política agrícola justa

Várias centenas de agricultores manifestaram-se hoje, em Lisboa, reivindicando uma Política Agrícola Comum (PAC) mais justa e adequada às necessidades do setor, que desenvolva as […]

Nacional

Projeto online quer promover competitividade dos jovens agricultores

Iniciativa da Associação dos Jovens Agricultores de Portugal, que representa entre 10% e 15% do setor agrícola nacional, […]