80% do azeite português é produzido no Alentejo

80% do azeite português é produzido no Alentejo

A produção de azeite no Alentejo quase duplicou nos últimos 10 anos, segundo dados do Instituto Nacional de Estatística (INE). A região representa, agora, cerca de 80 por cento de todo o azeite produzindo em Portugal, devido sobretudo aos novos olivais intensivos e superintensivos plantados no perímetro de rega do Alqueva.

Mariana Matos, secretária-geral da Casa do Azeite, confirma “o peso crescente” do Alentejo na produção nacional de azeite “à medida que os novos olivais vão entrando em produção”. Dá conta que se continua a plantar “ainda algum olival”, que demora cerca de três a quatro anos a entrar em produção, o que significa que os números têm tendência a “otimizar-se”. A produção global de azeite da região Alentejo “representa entre 75 e 80 por cento da produção nacional todos os anos”, sendo que a “esmagadora maior parte” é proveniente dos novos olivais plantados no perímetro do Alqueva.

Este crescimento foi, aliás, decisivo para inverter a equação em termos de importação-exportação nacional: “Passámos a ser autossuficientes para o consumo interno, porque antes tínhamos que importar para as nossas necessidades”, diz Mariana Matos, esclarecendo que o País ainda importa azeite, mas muito menos.

De acordo com Gonçalo Almeida Simões, diretor executivo da Associação de Olivicultores do Sul (Olivum), que representa os novos investidores, 2013/2014 (o ano é contado desta forma, porque a apanha da azeitona acontece entre outubro e janeiro) foi o ano da grande viragem, em que “a exportação” nacional “ultrapassou a importação”, mas o panorama já vinha a evoluir nesse sentido desde 2005. Diz que “se olharmos para os números e tivermos em consideração quando é que o Alqueva começou a regar, quando se instalam os primeiros olivais no Alqueva e quando esses olivais começaram a produzir”, há uma clara coincidência entre uma coisa e as outras. Nesse ano foram produzidas 90 mil toneladas de azeite a nível nacional, 72 mil no Alentejo.

A importância da cultura do olival no Alentejo é “fortíssima”, sublinha a secretária-geral da Casa do Azeite, explicando que […]

Continue a ler este artigo em Diário do Alentejo.

 

 

Comente este artigo
Anterior Beira Interior prevê ano normal na produção de vinho
Próximo Live Agroglobal 2021: Alqueva - Criar valor com Agroindústria

Artigos relacionados

Últimas

Agenda Portuguesa de Investigação do Pinheiro-Bravo editada

O Centro PINUS editou a Agenda Portuguesa de Investigação do Pinheiro-Bravo desenvolvida pelos membros do Centro de Competências do Pinheiro-Bravo. […]

Notícias inovação

A importância dos sistemas de transporte dos bioagentes para a aplicação no terreno

O Departamento de Formulações e Desenvolvimento de Processos para a Aplicação de Biopesticidas dedica-se à conceção e produção de sistemas de encapsulamento e transporte, adequados […]

Sugeridas

Diversificação na distribuição permite a produtores barrosões evitar crise

Os produtores da Cooperativa Agrícola de Boticas (CAPOLIB), de produtos como carne barrosã ou mel do barroso, estão a evitar quebras nas vendas […]