75 produtores portugueses na Vinexpo Paris

75 produtores portugueses na Vinexpo Paris

Na primeira edição da Vinexpo Paris, que está a decorrer na capital de França, na Paris Expo Porte de Versailles, até dia 12 de Fevereiro, os vinhos portugueses estão representados com 75 produtores, originários de diferentes regiões vitivinícolas. Esta representação nacional é liderada pela ViniPortugal, a associação interprofissional para a promoção internacional dos vinhos de Portugal, sob a égide da marca “Wines of Portugal”.

Segundo a ViniPortugal, esta é «a participação internacional mais numerosa no certame» e apresenta «uma selecção de vinhos representativos da riqueza e diversidade das regiões vitivinícolas portuguesas». No stand da interprofissional, «os visitantes da feira vão ter ao seu dispor uma área de prova gratuita, na qual estará em destaque uma selecção de 30 vinhos brancos de qualidade superior».

A entidade realça que «esta é uma oportunidade de excelência para a promoção da qualidade dos vinhos de Portugal no mercado francês, o primeiro destino mundial dos vinhos nacionais»: França, Estados Unidos da América, Reino Unido, Brasil e Alemanha formam o top 5 dos mercados de destino dos vinhos portugueses. Dados do Instituto da Vinha e do Vinho (IVV) indicam que as exportações para França, até Setembro de 2019, representaram, em valor, 83 milhões de euros, registando-se uma subida de 0,7% no preço médio, indica a ViniPortugal.

A interprofissional explica que a Vinexpo Paris «resulta da iniciativa colectiva e inédita dos organizadores da Wine Paris (Comexposium) e da Vinexpo Paris (Vinexpo) de promover um certame único em 2020». A organização do certame conta que este tenha 700 expositores e mais de 7.000 visitantes.

A ViniPortugal refere que o top 10 dos maiores exportadores mundiais de vinho é liderado pela França, com Portugal a ocupar a 9.ª posição. Em valor, Portugal está posicionado atrás da Nova Zelândia e à frente do Reino Unido. Em volume, Portugal ocupa a mesma posição, ficando atrás dos Estados Unidos, mas supera a Argentina.

O artigo foi publicado originalmente em Revista Frutas Legumes e Flores.

Comente este artigo
Anterior As plantas de tomate selvagem defendem-se melhor das pragas do que as variedades cultivadas, revela estudo
Próximo Açores iniciam controlo mecânico de espécies invasoras no Faial

Artigos relacionados

Nacional

Viticultores devem apostar em “castas mais resistentes para se adaptarem às alterações climáticas”

O Auditório da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Alentejo, em Évora, recebeu nos dias 15, 16 e 17 de maio o 11º Simpósio de Viticultura do Alentejo, […]

Dossiers

Disponível Newsletter da CAP Frutos & Hortícolas – novembro 2020

A CAP – Confederação de Agricultores de Portugal publicou a Newsletter da CAP de novembro de 2020 referente ao setor das frutas e produtos hortícolas, […]

Ofertas

Oferta de emprego – Técnicos Agrícolas – Engenheiro Agrónomo, Florestal ou Zootécnico – Projeto IFAP-SGS 2021

Queres fazer parte de um projeto motivador, com o qual te identifiques e cuja abrangência e relevância pode fazer a diferença no panorama nacional? […]