22 concelhos unem esforços para desenvolver a região do Pinhal Interior

22 concelhos unem esforços para desenvolver a região do Pinhal Interior

A iniciativa, liderada pelo município de Penela, tem por objetivos principais promover o rejuvenescimento populacional, fixar emprego qualificado, diversificar a atividade económica e valorizar os recursos florestais e naturais desta região.

Um grupo de 22 concelhos decidiu unir esforços para fomentar o desenvolvimento económico e territorial do Pinhal Interior, sendo a Câmara Municipal de Penela que está a liderar a coordenação do plano de revitalização.

De acordo com um comunicado a que o Jornal Económico teve acesso, “22 concelhos do Pinhal Interior uniram esforços para definir e implementar medidas estratégicas e projetos que valorizam o território mais afetado pelos incêndios florestais de 2017”.

“A iniciativa, liderada pelo município de Penela, tem por objetivos principais promover o rejuvenescimento populacional, fixar emprego qualificado, diversificar a atividade económica e valorizar os recursos florestais e naturais do Pinhal Interior”, adianta o referido comunicado, acrescentando que “a união e colaboração entre municípios é fundamental, principalmente quando se trata de potenciar o desenvolvimento de territórios de baixa densidade”.

Os responsáveis desta iniciativa sublinham que, “em conjunto, os concelhos fizeram um diagnóstico preciso das fragilidades e potencialidades da região, e definiram e implementaram uma estratégia assente numa metodologia participativa”.

“As medidas em curso foram desenhadas em torno de três eixos: a promoção do ordenamento do espaço rústico; o reforço da segurança das populações e a proteção dos espaços florestais e o desenvolvimento de uma estratégia económica e social do território”, assinala o comunicado em questão, assegurando que “o objetivo é construir uma região aberta e policêntrica, reforçando o crescimento económico, a competitividade e a coesão social, com base numa política de desenvolvimento sustentável e de coesão territorial”.

O mesmo documento recorda que “o Pinhal Interior é uma região resiliente, empreendedora e que está focada em criar um futuro mais coeso e sustentável”.

“Os projetos visam apoiar mudanças significativas no tecido económico e social do Pinhal Interior, através de diversas ações como a reflorestação das áreas ardidas, a melhoria da gestão florestal, a implementação de modelos sustentáveis de produção florestal, captação de investimento estrangeiro para setores estratégicos para a região, aumento da acessibilidade digital, atração de novos residentes, criação de emprego, apoio a empresas e empreendedores, entre outras ações”, conclui o comunicado.

O ‘Plano de Revitalização do Pinhal Interior’ abrange uma área geográfica correspondente aos concelhos de Alvaiázere, Ansião, Arganil, Castanheira de Pêra, Figueiró dos Vinhos, Góis, Lousã, Miranda do Corvo, Oliveira do Hospital, Pampilhosa da Serra, Pedrógão Grande, Penela, Tábua, Vila Nova de Poiares, Mação, Oleiros, Proença-a-Nova, Sertã e Vila de Rei e as freguesias de Almaceda, Santo André das Tojeiras, São Vicente da Beira e Sarzedas do concelho de Castelo Branco, as freguesias de Barroca, Bogas de Baixo, Bogas de Cima, Janeiro de Cima e Silvares do concelho do Fundão e as freguesias de Fratel, Sarnadas do Ródão e Vila Velha de Ródão do concelho de Vila Velha de Ródão.

Continue a ler este artigo no Jornal Económico.

Comente este artigo
Anterior "Se viessem logo multar é que era mau." GNR sensibiliza população para limpeza de terrenos
Próximo Reportagem RTP. Condições de vida dos imigrantes em Odemira

Artigos relacionados

Últimas

Agricultores espanhóis em protesto cortam autoestrada em Badajoz perto de Portugal

Agricultores da Extremadura espanhola em protesto contra a falta de rendimentos no setor cortaram hoje de manhã várias estradas desta […]

Nacional

Rússia deteta primeiro caso de transmissão de estirpe da gripe das aves

O laboratório confirmou o primeiro caso de infeção de uma pessoa pelo vírus do grupo A, […]

Últimas

Cultivo de canábis vai criar 750 empregos em Portugal

Estão já a ser investidos 160 milhões de euros no cultivo de canábis para utilização medicinal. Empregos a criar vão desde a mão-de-obra agrícola até […]