12º Concurso Mundial de Sauvignon – 12 e 13 de março – Torres Vedras

12º Concurso Mundial de Sauvignon – 12 e 13 de março – Torres Vedras

Torres Vedras vai acolher o 12º Concurso Mundial de Sauvignon, em 12 e 13 de março de 2021, sendo a primeira vez que o maior e mais importante concurso internacional de vinhos se realiza em Portugal, anunciou este município.

“Para nós, é extremamente relevante podermos acolher o Concurso Mundial de Sauvignon” afirmou o presidente da câmara, Carlos Bernardes, citado numa nota de imprensa desta autarquia do distrito de Lisboa.

Todos os anos, o concurso reúne produtores, distribuidores, jornalistas e influenciadores para provar e avaliar alguns dos melhores vinhos.

Vinte nacionalidades, incluindo África do Sul, Nova Zelândia e Estados Unidos, são representadas no painel de degustação, garantindo a diversidade que diferencia este concurso.

Em 2020, o Concurso Mundial de Sauvignon contou com 1110 vinhos de 24 produtores de todo o mundo em competição.


O 12.º concurso mundial de vinhos Sauvignon, que se realizará no próximo ano no Concelho, foi oficialmente apresentado ontem, dia 11 de novembro, no auditório do Edifício dos Paços do Concelho, no âmbito do programa das Festas da Cidade.

Este concurso, que se realizará ineditamente em Portugal, acontecerá nos dias 12 e 13 de março no Hotel Dolce Campo Real.

Na cerimónia de apresentação da 12.ª edição do concurso mundial de vinhos Sauvignon, o presidente da Câmara Municipal aproveitou para recordar a tradição milenar existente no Concelho relacionada com a cultura do vinho e da vinha, sendo este o território onde atualmente mais vinho é produzido em Portugal. Carlos Bernardes recordou também na ocasião que Torres Vedras, conjuntamente com Alenquer, foram, em 2018, Cidade Europeia do Vinho, um facto marcante para o Concelho, até porque atualmente o mesmo possui 13 unidades de enoturismo, mais 10 do que em 2017. Ainda na sua intervenção, o presidente da Câmara Municipal anunciou que será criado a breve prazo no Mercado Municipal um espaço de winebar/enoteca e que no Maxial e na Carvoeira serão criados espaços dedicados ao enoturismo em edifícios recuperados, para além de que está prevista a criação de um centro de gastronomia e vinhos na entrada nascente de Torres Vedras (nas antigas instalações do Instituto da Vinha e do Vinho).

O presidente do Turismo do Centro também marcou presença na cerimónia de apresentação do 12.º concurso mundial de vinhos Sauvignon, tendo na sua intervenção realçado a atual capacidade de Portugal e Torres Vedras para atraírem a realização de eventos. Segundo Pedro Machado, estão reunidas todas as condições para que o evento que estava a ser apresentado venha a ser um sucesso.

Já o presidente do IVV, Bernardo Gôvea, realçou na sua intervenção o extraordinário trabalho que tem vindo a ser realizado na região de Lisboa na área da vitivinicultura, onde para além de se utilizar castas autóctones, há também capacidade de se fazer excelentes vinhos com castas estrangeiras, como o Sauvignon.

Posteriormente usou da palavra, na referida cerimónia, o presidente da CVRL (Comissão Vitivinícola da Região de Lisboa), Francisco Toscano Rico, que afirmou que o facto do 12.º concurso mundial de Sauvignon se realizar no Concelho se deve à sua integração numa região vinhateira de excelência reconhecida em todo o mundo, sendo que “o que Torres Vedras faz, faz bem”.

Também presente na cerimónia de apresentação do 12.º concurso mundial de vinhos Sauvignon esteve o secretário-geral da AMPV (Associação de Municípios Portugueses do Vinho), José Arruda, que recordou o facto de há poucos dias ter sido constituída em Torres Vedras a Associação Mundial de Enoturismo, a qual ficará sediada nesta Cidade.

Seguidamente, foi a vez de Quentin Havaux intervir, para proceder à apresentação do concurso mundial de vinhos Sauvignon. Na mesma, explicou que o evento tem se realizado em diferentes países com o objetivo de levar novas regiões a produzirem vinhos Sauvignon. Segundo Quentin Havaux, o Concelho foi escolhido para receber o evento devido ao seu dinamismo e ao facto de na respetiva região poder ser cultivada a casta Sauvignon. Conferências, masterclasses e visitas constituirão o programa do 12.º concurso mundial de vinhos Sauvignon, o qual terá um júri composto por elementos de 27 diferentes nacionalidades.

A finalizar a cerimónia o artista torriense Nuno Vasa apresentou o projeto de uma escultura que será por si executada, alusiva à cultura do vinho e da vinha, a inaugurar aquando da realização do referido concurso no Concelho. Lollipop é o nome dessa escultura, a qual será instalada numa rotunda situada na EM555 (freguesia da Ventosa).

Finda a cerimónia de apresentação do 12.º concurso mundial de vinhos Sauvignon, os participantes na mesma tiveram ainda a oportunidade de se deslocar ao Teatro-Cine para desfrutar de um espaço dedicado aos vinhos criado recentemente neste equipamento municipal: o EnoTeatro – Espaço Vinhos de Torres Vedras, o qual entrou em funcionamento na noite do dia 10 de novembro, após a realização da Sessão Solene de Celebração do Feriado Municipal.

Comente este artigo
Anterior Los precios de los corderos superan a los del año pasado
Próximo VIII Jornadas Internacionais de Bovinicultura - 12 e 13 de março

Artigos relacionados

Últimas

Adaptar o montado ao clima: a experiência na Herdade da Ribeira Abaixo

Vários estudos feitos pela União Europeia que antecipam uma redução significativa da produção agrícola na região mediterrânica. Por isso há que encontrar alternativas e, […]

Nacional

Bolsonaro nega dados oficiais sobre desflorestação na Amazónia

O Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, acusou esta sexta-feira o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), um órgão público brasileiro, de mentir sobre a escala de desflorestação na floresta amazónica. […]

Nacional

Boas práticas agrícolas para acabar com o trabalho infantil

Desde 2011 que a Philip Morris Internacional tem vindo a implementar o Código de Boas Práticas Agrícolas com o intuito de eliminar o trabalho infantil nas plantações de tabaco e promover condições dignas de trabalho e habitabilidade para os seus agricultores. […]