​Macedo de Cavaleiros lança campanha de incentivo ao consumo de produtos locais

​Macedo de Cavaleiros lança campanha de incentivo ao consumo de produtos locais

“Consuma Local” é o nome da campanha que o Município de Macedo de Cavaleiros lançou de incentivo ao consumo de produtos agrícolas e de pecuária produzidos no concelho.

Neste contexto está a ser criada, uma base de dados com todos os produtores interessados em participar e assim escoar os seus produtos.

“Sabemos das dificuldades sentidas por muitos produtores nesta fase, razão pela qual queremos servir de elo de ligação entre quem produz e quem pretende comprar, mas, neste momento, não pode sair de casa”, refere o presidente da autarquia, Benjamim Rodrigues.

Para facilitar este intercâmbio comercial entre produtor e consumidor final, o autarca explica que a Câmara Municipal está a contactar os produtores do concelho “e a fazer um levantamento dos produtos que têm para venda”.

Numa segunda fase “será criada uma base de dados com os contactos a divulgar na página da autarquia, nas nossas redes sociais, assim como pelos presidentes de junta de freguesia, de forma a facilitar a ponte com os produtores agrícolas e de pecuária”.

De acordo com o autarca, “estamos a falar de produtores que até aqui vendiam para pequenas superfícies comerciais ou mesmo para o consumidor final”. Já se inscreveu cerca de uma dezena de produtores.

O Gabinete de Empreendedorismo e Desenvolvimento Rural (EDRU), está também a fazer contactos com as pessoas que vivem da terra e da criação de gado. E, segundo o autarca, a iniciativa já começou a surtir efeitos.

“Os técnicos do EDRU foram contactados por uma grande superfície do concelho que quer saber que produtos e quantidades os nossos produtores têm para venda, estando em cima da mesa a possibilidade de comprarem parte desses produtos”, revela Benjamim Rodrigues, acrescentando que “é este espírito de entreajuda no território” que a autarquia quer incentivar.

Segundo o EDRU, os principais produtos disponíveis são os queijos, azeite e morangos, esperando que do trabalho no terreno, que irá ser feito nos próximos dias e semanas, “seja igualmente possível acrescentar a criação de animais”.

“Estou convicto de que esta iniciativa vai ser um sucesso e que assim iremos evitar que muitos agricultores sejam obrigados a deitar fora o que produzem por não terem quem lhes compre os produtos”, admite Benjamim Rodrigues.

“Os produtos locais têm muita qualidade e faz todo o sentido que compremos o que é nosso, até porque, assim, estamos a animar o nosso mercado interno e a enriquecer a economia do concelho”, considera o autarca.

O artigo foi publicado originalmente em Rádio Renascença.

Comente este artigo
Anterior Validade dos Cartões de Aplicadores de Produtos Fitofarmacêuticos, Técnicos Responsáveis e Operadores de Venda
Próximo Tempo de ação, não de retórica - José Martino

Artigos relacionados

Últimas

Reinício – transitando para um consumo verdadeiramente ecologista – Filipe Lavrador

As vaidades alimentares, dependentes da importação de produtos, terminaram. Felizmente, para a nossa economia e para o nosso ambiente, […]

Nacional

Rio Sorraia está intransitável devido a “manto verde” que vai demorar a desaparecer

Redes de pesca presas e um rio intransitável devido à praga de jacintos de água são as principais queixas dos pescadores que retiram sustento do rio Sorraia, […]

Nacional

Top Seeds International nomeia vice-presidente de Vendas e Marketing

A empresa israelita Top Seeds International nomeou Ofir Elasar para o cargo de vice-presidente de Vendas e Marketing. Com 49 anos, este […]