Anpromis: Conclusões do XI Congresso Nacional do Milho 2017

Anpromis: Conclusões do XI Congresso Nacional do Milho 2017

O XI Congresso Nacional do Milho, realizado a 7 e 8 de Fevereiro, em Lisboa, reuniu mais de 500 participantes e cerca de 30 oradores nacionais e estrangeiros num debate sobre temas de grande actualidade, onde a agricultura foi apresentada como pilar fundamental da economia mundial e a cultura do milho como estratégica para a manutenção da soberania alimentar da União Europeia.

Na sequência dos trabalhos levados a cabo, os produtores nacionais de milho concluíram:

  1. A agricultura é uma actividade económica extremamente relevante, sendo responsável por parte da nova reorientação da geopolítica mundial.
  2. O milho é uma cultura fundamental para a sustentabilidade do mundo rural europeu, tanto do ponto de vista económico, como no ordenamento do seu território.
  3. Face à situação financeira extremamente difícil que os produtores de cereais do Centro e do Sul da Europa atravessam, a Comissão Europeia tem de ponderar convenientemente a sua Política Agrícola Comum pós 2020, de forma a garantir que todos os agricultores exerçam a sua actividade de uma forma digna e rentável.
  4. Os produtores europeus de milho têm de ter acesso aos mesmos meios de produção (substâncias-activas e outros) dos seus congéneres mundiais, sob pena da sua competitividade técnica e económica ficar irremediavelmente colocada em causa.
  5. Face à actual conjuntura mundial, o nosso país tem de investir na sua soberania alimentar, de forma a ter um grau de auto-abastecimento em cereais que lhe permita enfrentar qualquer imponderável que venha a surgir.
  6. A relevância que o preço da água e da energia tem na competitividade da agricultura portuguesa de regadio, torna fundamental que o nosso país acautele o valor a pagar pelo sector agrícola.
  7. Numa altura em que a cotação do milho atravessa um período de preços bastante baixos, é imperioso os agricultores nacionais serem mais  eficientes e recorrerem às ferramentas de inovação tecnológica que se encontram à sua disposição.
  8. A fileira nacional do milho mobiliza, como nenhuma outra, pessoas e dinamiza iniciativas.
  9. O Ministério da Agricultura tem de assegurar que a competitividade técnica e económica dos produtores nacionais de milho e das suas Organizações seja mantida, sob pena de uma vasta área do nosso território ficar votada ao abandono.

Anterior Los precios de los alimentos subieron el 0,7 % en enero por las hortalizas y el pescado
Próximo SEIPASA y Estimul-Agro se unen para liderar la bioestimulación y nutrición agrícola

Artigos relacionados

Nacional

PIB deverá crescer 1,3% em 2016, contra 1,6% de 2015

[Fonte: Agricultura e Mar]
O Millennium bcp antecipa a previsão para o produto interno bruto (PIB) de Portugal do quarto trimestre de 2016, que será divulgado pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) no próximo dia 14 de Fevereiro (terça-feira). E diz que a economia portuguesa deverá ter continuado a crescer “a bom ritmo no quarto trimestre, […]

Nacional

Capacidade de humanidade se alimentar no futuro está em risco – relatório da ONU

[Fonte: Correio da Manhã]

A capacidade de a humanidade se alimentar no futuro está em risco e sem esforços adicionais não se cumprirá a meta de acabar com a fome até 2030, alertou hoje uma agência das Nações Unidas.
O risco deve-se à […]

Últimas

Desigualdad en la cadena alimentaria: La proporción que obtienen los agricultores de los precios finales ha descendido 10 puntos

[Fonte: Agro informacion]
Los agricultores no obtienen más que el 8% del precio de una barra de pan, por lo que el Presidente del Copa, Martin Merrild, ha insistido en la audiencia ante el Parlamento Europeo en que “los hechos dan fe de que los agricultores europeos no están recibiendo una proporción justa del precio que paga el consumidor. […]