Tecnologia Syngenta eficaz na proteção das vinhas na Região dos Vinhos Verdes

Tecnologia Syngenta eficaz na proteção das vinhas na Região dos Vinhos Verdes

A produção de Vinho Verde sofreu este ano uma quebra de 20%, mas os vinhos apresentam excelente qualidade, são muito equilibrados, com acidez média a baixa e bons teores de álcool. As conclusões foram apresentadas nas Jornadas Técnicas de Balanço do ano vitivinícola 2018, promovidas pela CVRVV (Comissão Vitivinícola da Região dos Vinhos Verdes) na Estação Vitivinícola Amândio Galhano (EVAG), em Arcos de Valdevez, a 7 de Dezembro.

A estratégia de proteção fitossanitária Syngenta aplicada nas vinhas da EVAG foi eficaz no controlo do míldio, oídio, traça-da-uva e flavescência dourada.

O ano vitícola na região dos Vinhos Verdes caracterizou-se por uma floração tardia (3 semanas de atraso), mas as temperaturas elevadas e o tempo seco na fase de maturação das uvas (Agosto e Setembro) permitiram recuperar o atraso no ciclo de desenvolvimento da videira e beneficiaram a qualidade das uvas, tendo a vindima ocorrido em período regular (meados de Setembro).

«As temperaturas acima de 40ºC na 1ª semana de Agosto causaram escaldão nos cachos e nos bagos e esta foi a principal causa da quebra de produção (cerca de 20%) de vinho na região», explica João Garrido, responsável técnico da EVAG.

O estado fitossanitário das uvas vindimadas na região foi em geral bom, tendo sido possível controlar os ataques de míldio e oídio com uma estratégia preventiva bem definida, apesar das condições propícias ao desenvolvimento destas doenças (temperaturas amenas e chuva) nos meses de Junho e Julho.

Nas vinhas da EVAG, em Arcos de Valdevez, foi aplicado um programa com 6 tratamentos Syngenta, recorrendo aos produtos Quadris Max, Ridomil Combi, Pergado, Ampexio, Cuprocol, Thiovit e Dynali para controlo do míldio e do oídio, as principais doenças com impacto económico nas vinhas do Minho. Foram ainda aplicados Luzindo e Karate Zeon para controlo da traça-da-uva e do inseto vetor da flavescência dourada. «Não tivemos qualquer problema nas nossas vinhas (24 hectares), a eficácia dos produtos Syngenta foi total», garante João Garrido.

Recorde-se que existe entre a Syngenta e a Comissão de Viticultura da Região dos Vinhos Verdes (CVRVV) um protocolo de formação que permite aos viticultores da região aprofundar o conhecimento sobre proteção da cultura da vinha e as boas práticas de pulverização. Os técnicos da Syngenta integram a equipa de formadores da “Academia dos Vinhos Verdes”, que em 2018 ministrou mais de 15 cursos de formação para viticultores em toda a região do Minho.

Ainda durante as Jornadas Técnicas de Balanço foi abordado o tema das doenças do lenho, que são uma preocupação crescente para os viticultores europeus e também em Portugal. «Os prejuízos causados pelas doenças do lenho (esca, eutipiose e escoriose) já são quase tão graves como os causados pelo míldio e o ódio», reconhece o técnico da EVAG, alertando para a importância do controlo das condições de produção das plantas nos viveiros, de onde chegam muitas vezes contaminadas aos viticultores.

A parte da tarde das Jornadas foi dedicada à enologia, Francisco Antunes da Aliança Vinhos de Portugal partilhou os 25 anos de experiência na produção de espumantes, enquanto Maria José Pereira e Patrícia Porto, técnicas do laboratório da CRVVV, apresentaram a caracterização química e sensorial dos vinhos nos últimos 14 anos e Óscar Pereira, da DRAP Norte, falou sobre a evolução da maturação das castas Loureiro e Vinhão nos últimos 12 anos. «Com as mudanças do clima tem havido uma melhoria dos vinhos verdes. Em anos mais quentes o teor alcoólico dos vinhos aumenta, porque há uma relação direta entre a subida da temperatura e o aumento do grau de açúcar nas uvas. Além do maior grau alcoólico, os anos quentes geram vinhos mais encorpados», explica João Garrido.

—————

A Syngenta é uma das empresas líderes no seu ramo de atividade. O grupo emprega mais de 27.000 pessoas em mais de 90 países, com um único objetivo comum: trazer para a vida o potencial das plantas. Através da excelência dos nossos cientistas, da nossa presença a nível mundial e do empenho de todos os nossos colaboradores em responder às necessidades dos nossos clientes, ajudamos a maximizar a produtividade e o rendimento das culturas, a proteger o ambiente e a melhorar a saúde e a qualidade de vida. Para mais informações sobre a Syngenta, consulte o site www.syngenta.pt

Comente este artigo

O artigo Tecnologia Syngenta eficaz na proteção das vinhas na Região dos Vinhos Verdes foi publicado originalmente em Syngenta

Anterior TSF debate ciência e produção agrícola
Próximo Descarbonização não se vai resolver através dos bovinos - Capoulas Santos

Artigos relacionados

Comunicados

Impacto da proibição do uso de produtos fitofarmacêuticos, em destaque na feira nacional da agricultura, no dia 12 de Junho

A Anipla e a ECPA, respectivamente, as associações nacional e europeia da indústria para a protecção das plantas, participam este ano na 54.ª edição da Feira Nacional da Agricultura, que acontece entre os próximos dias 10 e 18 de Junho e que tem como mote os “Cereais de Portugal”. […]

Comunicados

Conferência de balanço do Projecto Melhor Eucalipto dia 5 de Setembro na Agroglobal

Produtores florestais, indústria papeleira e outros intervenientes abordam a relação entre gestão activa da floresta e maior produtividade e resiliência aos incêndios num seminário que marca o encerramento do financiamento via Operação 2.1.4. do PDR 2020 ao Projecto Melhor Eucalipto.
O Projecto Melhor Eucalipto é um programa de informação e comunicação de boas práticas da floresta de eucalipto promovido pela CELPA – Associação da Indústria Papeleira. […]

Sugeridas

Orçamento da UE: Comissão propõe um orçamento moderno para uma União que protege, capacita e defende

A Comissão apresenta hoje a 02 de Maio um orçamento pragmático, moderno e de longo prazo para o período que vai de 2021 a 2027.