Situação Meteorológica e os Incêndios Rurais em Março

Situação Meteorológica e os Incêndios Rurais em Março

Situação Meteorológica e os Incêndios Rurais em Março

Análise do modelo do ECMWF de 27 março 2019 às 00 UTC, pressão ao nível médio do mar (linhas a preto) e vento aos 850 hPa (sombreado a cor). Seta indicadora do fluxo a preto2019-04-02 (IPMA)

A predominância de situações anticiclónicas sobre a Europa Ocidental e Atlântico adjacente durante quase todo o mês de março, originaram um deficit hídrico significativo no território do Continente.
Durante o mês de março de 2019, com exceção do período entre 5 a 7, não se registaram quantidades significativas de precipitação e, associado a esta ocorrência, registaram-se valores muito baixos de humidade relativa, em especial a partir do dia 15. No período de 26 a 28, a situação agravou-se, tendo-se registado valores da humidade relativa extremamente baixos, inferiores a 15%, em quase todo o território, incluindo as regiões do litoral Norte e Centro, e o vento de leste intensificou, soprando por vezes forte, com rajadas da ordem 60-70 km/h.

Estas condições meteorológicas favorecem, por si só, uma propagação rápida dos incêndios rurais assim como uma secura rápida dos combustíveis finos que se encontram na camada superficial do solo e que é notório nos valores dos índices de humidade dos combustíveis finos e do índice de propagação inicial do fogo.

O índice meteorológico de perigo de incêndio florestal, FWI (Fire Weather Index), é um bom indicador da severidade das condições meteorológicas relativamente à intensidade do fogo.A excecionalidade dos valores do FWI para esta altura do ano é evidenciada pelo valor do percentil do FWI, exemplo dia 27 de março, onde os valores mais elevados se encontram nas regiões do Minho, Douro Litoral, Litoral Centro (onde foram registadas o maior número de ocorrências de incêndios nos últimos dias de março) e no Algarve.

O risco de incêndio florestal, disponibilizado diariamente na página do IPMA, o RCM, é uma combinação do índice FWI e da perigosidade (componente estrutural, da responsabilidade do Instituto da Conservação da Natureza e da Floresta, ICNF) apresentou nos dias 26 a 29, classes de risco Elevado ou Muito Elevado no Algarve e Baixo Alentejo, em alguns locais do interior das regiões Norte e Centro e risco Moderado ou Reduzido nas outras regiões.

Consulte o relatório completo no documento em anexo.

Siga-nos no:

Comente este artigo

O artigo foi publicado originalmente em IPMA.

Veja a previsão do tempo e a melhor altura para pulverizar na nossa página de Meteorologia powered by Syngenta.

Anterior Inverno foi o 4.º mais seco deste século
Próximo “Vinha Vale do Inferno tinto 2015”, a mais recente colheita do topo de gama da Quinta de La Rosa

Artigos relacionados

Dossiers

Se mantiene la estabilidad en el mercado del porcino de capa blanca


Se mantiene sin cambios la tablilla del porcino de capa blanca una semana mas. No hay presión para subir precios porque la oferta va en alza, […]

Dossiers

Oferta de Emprego – Estágios (M/F) – Miranda do Corvo/Coimbra/Fundão

A Fundação ADFP manifesta interesse em receber alunos do ISA para a realização de estágios na área da horticultura, viticultura, biologia, zootecnia, enologia e área alimentar.

Cotações PT