Sílvia Fagnani na Fito entrevista, Diretora Executiva do Sindiveg.

Sílvia Fagnani na Fito entrevista, Diretora Executiva do Sindiveg.

[Fonte: Anipla - fitoentrevista]

Esta semana entrevistamos Sílvia Fagnani, Diretora Executiva do Sindiveg, a associação brasileira para a defesa da indústria de proteção das plantas.

Fundado em 1941, o Sindiveg é composto por 37 empresas do setor e tem um papel de relevo no Brasil, na representação das suas associadas junto dos poderes públicos e da sociedade civil.

Sílvia Fagnani está na associação desde 2013, tendo assumido a direção em Julho de 2015. Com uma agenda preenchida na defesa de um sector mal compreendido, o seu mandato tem ficado marcado pela forte luta contra a contrafação de fitofármacos ilegais.

1. Na sua perspectiva, qual a importância que a agricultura tem na alimentação mundial?

A agricultura é essencial na alimentação mundial; sem ela não teríamos a produção de alimentos, energia, vestimentas, borracha, etc. Pequenos, médios e grandes produtores trabalham incansavelmente todos os dias para produzir alimentos com qualidade, variedade e quantidade suficiente para alimentar milhares de pessoas no mundo.

2. Considera que a população está ciente dos desafios da agricultura?

Não. Principalmente, a população urbana ainda precisa conhecer as dificuldades passadas pelo agricultor e também os benefícios e a presença do agronegócio no dia-a-dia.

3. Na sua perspectiva, quais os maiores mitos existentes, por parte do consumidor, sobre a agricultura moderna?

Muitos mitos são gerados por essa falta de conhecimento da população sobre o agronegócio. É importante esclarecer a população de que os alimentos seguros e saudáveis vêm das mãos do agricultor.

4. Quais são, na sua visão, os desafios ao setor agrícola para os próximos anos?

A produção sustentável sem desperdício de alimentos (segundo a FAO, 30% dos alimentos produzidos anualmente são desperdiçados) e uma melhor distribuição de alimentos produzidos.

5. Que medidas considera que deveriam ser tomadas pelo setor agrícola para aproximar o consumidor da agricultura moderna?

Campanhas de comunicação para apresentar o que é a agricultura, como são produzidos os alimentos, quais os elementos da produção e porque precisam de ser utilizados. A importância da agricultura para a produção de alimentos com qualidade, variedade e quantidade suficiente para alimentar populações do mundo inteiro. E que os alimentos convencionais são seguros para consumo.

Comente este artigo

O artigo Sílvia Fagnani na Fito entrevista, Diretora Executiva do Sindiveg. foi publicado originalmente em Anipla - fitoentrevista

Anterior Los agricultores, “perplejos” ante unos datos de la renta agraria que ven como “una tomadura de pelo”
Próximo La cebada frena su tendencia alcista en la semana del Puente y el maíz toma aire

Artigos relacionados

Nacional

Comissão Europeia renova autorização para 31 substâncias activas de fitossanitários

[Fonte: Agricultura e Mar]
A Comissão Europeia acaba de renovar a autorização para 31 substâncias activas utilizadas em fitossanitários.
Regulamento de Execução 2017/841 da Comissão, de 17 de Maio de 2017, prorroga os períodos de aprovação das substâncias activas alfa-cipermetrina, […]

Últimas

Seca meteorológica mantém-se em Julho em 79% do território continental

[Fonte: Agricultura e Mar]
A situação de seca meteorológica mantém-se em quase todo o território de Portugal continental, verificando-se um desagravamento na região interior Norte e um agravamento no interior do Alentejo, de acordo com o índice meteorológico de seca (PDSI), no final do mês de Julho de 2017. No final deste mês cerca de 79% do território estava em seca severa (69.6 %) e extrema (9.2 %). […]

Últimas

GIPS sensibilizam população contra os incêndios em Macedo de Cavaleiros

O Grupo de Intervenção de Proteção e Socorro da GNR associou-se à Proteção Civil Municipal de Macedo de Cavaleiros e desenvolveu uma ação de sensibilização florestal contra incêndios. Nesta primeiro visita foram sinalizados algumas situações de risco e notificados alguns proprietários para o cumprimento voluntário das obrigações de limpeza dos terrenos. […]