Sabe quem está a marcar a agricultura portuguesa?

Sabe quem está a marcar a agricultura portuguesa?

[Fonte: Vida Rural]

O produtor Carlos Ferreira, da Hortomelão, as empresas Campotec e Migdalo, a Organização de Produtores Cersul e o projeto de investigação LUSARROZ foram os grandes vencedores da edição de 2017 dos Prémios Vida Rural. A cerimónia decorreu no passado dia 20 de abril, no Centro de Congressos do Estoril, no âmbito do Congresso AgroIn e contou ainda com a atribuição do Prémio Personalidade Armando Sevinate Pinto, entregue este ano ao professor e investigador Antero Martins.

Carlos Ferreira levou para casa o Prémio ‘Agricultor que Marca’, uma distinção para um empresário que está na agricultura há 27 anos e que tem crescido e investido nos últimos anos como poucos. Explora diretamente mais de 1100 hectares e produz em três países diferentes: Portugal, Espanha e Brasil, com uma faturação que ascende aos 21 milhões de euros.

A Campotec recebeu o prémio ‘Empresa Agrícola que marca’, pelo seu trabalho inovador na produção e transformação de hortícolas, com um trabalho de vanguarda a nível de técnicas e tecnologias quer agronómicas quer industriais.

O troféu ‘Investimento que Marca’ foi para a Migdalo, a jovem empresa de Ferreira do Alentejo, que se dedica à produção e transformação e comercialização de amêndoa. A Vida Rural valorizou a importância de um investimento com origem numa família de produtores agrícolas, estruturante para os agricultores e para a região onde se insere, sendo pioneira no descasque de amêndoa rija no Alentejo. “Numa altura em tanto se fala na urgência da agroindústria de proximidade, este é um projeto que saudamos com entusiasmo”, revelou Isabel Martins, diretora da revista Vida Rural.

A comemorar 25 anos de existência, a Cersul recebeu o prémio ‘Organização de Produtores que Marca’, uma distinção para uma organização que tem feito um trabalho notório de estímulo aos seus associados, com forte orientação para o mercado e com procura de culturas com criação de valor. Recorde-se que esta organização este na génese das recentemente criadas OP Alentejanices com Tomate e Azeitonices, apresentadas publicamente no passado mês de fevereiro, para dinamizar a agricultura alentejana na área do olival, amendoal e culturas alternativas.

Na Investigação e Desenvolvimento, o destaque vai para o projeto LUSARROZ, vencedor na categoria ‘I&D que Marca’, pelo longo trabalho de investigação que culminou na inscrição de duas variedades de arroz portuguesas no catálogo nacional de variedades, adaptadas às suas condições edafo-climáticas, que vai permitir aos produtores nacionais reduzir a dependência das variedades italianas que até agora monopolizavam o mercado, com reduções de custos de produção evidentes e ganhos de competitividade.

Comente este artigo

O artigo Sabe quem está a marcar a agricultura portuguesa? foi publicado originalmente em Vida Rural

Anterior Los productores de fruta extra-temprana preocupados por la falta de lluvias
Próximo El plazo para entregar la Solicitud Única de la PAC se amplía hasta el 15 de mayo

Artigos relacionados

Últimas

Grupo espanhol reforça meios no combate ao fogo na Guarda

[Fonte: Observador]

Um grupo espanhol com 50 homens, oriundo da Galiza, vai reforçar esta terça-feira os meios que estão envolvidos no combate ao incêndio na região da Guarda, disse à Lusa fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) local. […]

Nacional

Acordos comerciais na UE com pouco impacto na produção interna

[Fonte: Jornal económico]

Os três acordos comerciais entre a União Europeia e o México, a Coreia do Sul e o a Suíça, terão tido pouco impacto na produção interna da zona comunitária, uma vez que o aumento das importações deriva sobretudo da substituição das importações de outros países ou de um aumento do consumo na União, […]

Sugeridas

Ministro da Agricultura anunciou apoios ao sector da caça

[Fonte: Gazeta Rural]

O Ministro da Agricultura anunciou a criação de um grupo de trabalho que terá como missão desenvolver uma estratégia e medidas de controlo da Doença Hemorrágica Viral dos Coelhos.Capoulas Santos explicou que “o grupo de trabalho tem um prazo de 3 meses para apresentar um primeiro relatório e um plano de trabalho, […]