Repovoar planalto angolano com 10.500 animais corta 328 MEuro em importação de carne

Repovoar planalto angolano com 10.500 animais corta 328 MEuro em importação de carne

Luanda, 26 jan (Lusa) – O Governo angolano aprovou hoje um plano para importar este ano 10.500 cabeças de gado para repovoar o planalto de Camabatela, no interior norte do país, cortando desta forma nos 328 milhões de euros de carne importada anualmente.

O plano foi aprovado em reunião conjunta das comissões Económica e para a Economia Real do Conselho de Ministros e visa o objetivo de tornar o planalto de Camabatela, que abrange as províncias do Cuanza Norte, Malanje e do Uíge, “autossuficiente”, até 2025, na produção de bovinos para o abate e repovoamento, conforme explicou o ministro Agricultura.

Marcos Alexandre Nhunga adiantou, em declarações aos jornalistas no final desta reunião, tratar-se de um investimento superior a 206 milhões de dólares (193 milhões de euros), a realizar pelos empresários nacionais, permitindo poupar nas importações de carne para consumo, que custam anualmente mais de 350 milhões de dólares (328 milhões de euros).

O setor da agricultura, segundo o Governo, importar este ano 8.000 cabeças de gado bovino para confinamento e 2.500 para a reprodução, no quadro do programa de repovoamento da região do país.

“Há toda a uma necessidade para se fazer um esforço para que esse planalto seja repovoado”, enfatizou o governante.

Só este investimento, para o qual ainda será necessário garantir financiamento e disponibilização de divisas, pelo Estado, permitirá garantir no futuro dez mil toneladas de carne por ano, “correspondente a 60% das necessidades de consumo do país”, explicou Marcos Alexandre Nhunga.

O planalto de Camabatela ocupa uma área de 12 mil quilómetros quadrados e é descrito como reunindo condições climáticas propícias para o desenvolvimento agropecuário, nomeadamente a criação de gado.

No âmbito deste plano caberá ao executivo angolano definir o quadro de financiamento da operação pelo setor privado, bem como criar condições para acompanhamento sanitário dos animais a importar e das infraestruturas de apoio à assistência técnica.

PVJ // EL

Lusa/Fim

Comente este artigo
Anterior Farmers urged to check NVZ maps ahead of first appeal deadline
Próximo Congelez votre graisse : la dernière mode en médecine esthétique

Artigos relacionados

Últimas

PCP questiona ausência de cursos para aplicadores de produtos fito-farmacêuticos na ilha do Pico

O deputado do PCP no Parlamento Regional, questionou hoje o Executivo, sobre a falta de cursos para aplicadores de produtos fito-farmacêuticos na ilha do Pico, “que impossibilita atualmente muitos agricultores de adquirirem ou aplicarem esses produtos”.
João Paulo Corvelo recorda que os cursos de formação específica para aquisição e aplicação de produtos fito-farmacêuticos se tornaram obrigatórios a partir de 26 de Novembro de 2015 e que o regime transitório que permitia que a apresentação da inscrição em curso apropriado fosse suficiente para a aquisição e aplicação destes produtos terminou no final do mês de Maio de 2016, […]

Últimas

Agricultura fija en 36,87 euros/animal la ayuda asociada para el caprino y ovino para la campaña 2017

El Ministerio de Agricultura y Pesca, Alimentación y Medio Ambiente (Mapama), a través del Fondo Español de Garantía Agraria (FEGA) ha publicado que el importe unitario provisional de la ayuda asociada para el caprino y ovino para la campaña 2017 asciende a 36,875393 ?/animal.
El número de cabezas de caprino y ovino que cumplen de manera provisional los requisitos establecidos para percibir la ayuda ascienden a 817.754, […]

Últimas

Tudo para perceber a reforma florestal que quer acabar com os fogos

Da criação de um banco nacional de terras à limitação da expansão do eucalipto, passando pelo cadastro florestal, são muitas as propostas que vão a votos no Parlamento para resolver o problema dos incêndios. Será desta?

Comente este artigo
#wpdevar_comment_6 span,#wpdevar_comment_6 iframe{width:100% !important;} […]