Regantes pedem revisão da convenção luso-espanhola das bacias hidrográficas

Regantes pedem revisão da convenção luso-espanhola das bacias hidrográficas

[Fonte: Vida Rural]

A Federação Nacional dos Regantes de Portugal (Fenareg) esteve na passada semana na Comissão do Ambiente da Assembleia da República onde exigiu uma revisão à Convenção sobre a Cooperação para a Proteção e o Aproveitamento Sustentável das Águas das Bacias Hidrográficas Luso-Espanholas. O documento, criado na década de 90 e revisto em há dez anos, regula os caudais dos rios internacionais que percorrem os territórios português e espanhol.

De acordo com a Fenareg, este pedido de revisão surge na sequência da seca declarada por Espanha que permitiu ao país decretar um regime de exceção a esta convenção que faz com que não seja obrigado a libertar para Portugal os caudais de água acordados.

“Apesar de a chuva do último mês ter reposto os níveis das albufeiras, permitindo uma campanha agrícola dentro da normalidade, o problema coloca-se para futuro, uma vez que Espanha admite reduzir os caudais dos rios sempre que surjam situações de seca prolongada”, defende a Fenareg. A organização que representa os regantes em Portugal pede ainda “a introdução do critério de caudal instantâneo na gestão dos recursos hídricos comuns, para garantir água em quantidade e com regularidade no período de Verão para as várias utilizações (agricultura, produção de energia elétrica e abastecimento humano) e para responder às necessidades ecológicas.”

Com a convenção atual, Espanha apenas é obrigada a assegurar caudais mínimos semanais aos rios portugueses, o que gera situações de falta de água em alguns dias da semana, como ocorreu no rio Tejo, em 2017, período em que Portugal esteve em seca extrema.

José Núncio, presidente da Fenareg, referiu ainda que “existe por parte das autoridades portuguesas uma lacuna na divulgação da informação sobre a situação efetiva dos caudais dos nossos rios. Confiamos na medição espanhola, mas não há garantias de que a convenção está a ser cumprida.”

A Federação Nacional dos Regantes de Portugal considera ainda “fundamental continuar a modernização do regadio, investindo na melhoria das obras de rega nacionais, a maioria das quais construídas há mais de 60 anos, e na construção de novas barragens, que permitam aumentar as reservas de água nacionais, diminuindo a dependência dos caudais libertados por Espanha nos rios internacionais e, simultaneamente, a pressão sobre os nossos recursos hídricos subterrâneos.”

Comente este artigo

O artigo Regantes pedem revisão da convenção luso-espanhola das bacias hidrográficas foi publicado originalmente em Vida Rural

Anterior PR inaugura 35ª Ovibeja e Parque de Feiras e Exposições Manuel de Castro e Brito
Próximo Azucarera anuncia la reapertura de la fábrica de La Bañeza para el próximo 24 de abril

Artigos relacionados

Últimas

Casa Sabicos Reserva 2013 ganha medalha de excelência da Confraria Bacchus de Albufeira

O vinho tinto alentejano Casa Sabicos Reserva 2013, da Casa Agrícola Santana Ramalho, recebeu a medalha de excelência pela Confraria Bacchus de Albufeira, no âmbito do 5º concurso de Vinhos Nacionais, realizado no dia 5 de Maio, na 9ª Grande Mostra de Vinhos de Portugal, […]

Nacional

Qual o Impacto da retirada dos produtos Fitofarmacêuticos da moderna Agricultura?

[Fonte: Anipla – fitoentrevista]
Num momento em que são discutidas novas medidas restritivas para a produção nacional, com a possível retirada de alguns dos produtos fitofarmacêuticos em utilização, a Feira Nacional da Agricultura não passou ao lado do assunto e foi palco de acções e debate sobre o futuro da actividade. […]

Nacional

Aicep explica como estabelecer empresas em Espanha

[Fonte: Agricultura e Mar]
A Aicep – Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal acaba de divulgar o documento “Espanha – Estabelecimento de Empresas”, onde disponibiliza informação sobre o quadro legal de diversas áreas relevantes para o investimento estrangeiro, procurando facilitar a tomada de decisão por parte dos potenciais investidores portugueses. […]