Quercus alerta para perigo das espécies invasoras e pede mais investimento para controlo

Quercus alerta para perigo das espécies invasoras e pede mais investimento para controlo

[Fonte: Diário das Beiras]

FOTO DR

A organização ambientalista Quercus alertou hoje, segunda-feira, para a presença de árvores invasoras, as acácias australianas, que ameaçam as espécies autóctones do Parque Nacional da Peneda-Gerês, e pede mais investimento no seu controlo e erradicação.

“As acácias australianas, principalmente a acácia-mimosa ou mimosa (Acácia dealbata) e a acácia-de-espigas (Acacia longifolia) ocupam já milhares de hectares em Portugal e são uma séria ameaça em diversas áreas protegidas”, como o Parque Nacional da Peneda-Gerês e a Reserva Natural das Dunas de S. Jacinto, refere um comunicado dos ambientalistas.

A chamada de atenção, a propósito do Dia Internacional das Florestas, que se assinala na terça-feira, realça que “o único parque nacional português está a perder a guerra contra as árvores invasoras de origem australiana” que deixam nos solos milhões de sementes por hectare e se mantêm viáveis durante décadas, prontas a germinar em qualquer altura, em especial após os incêndios.

A mimosa é uma das invasoras, ou exóticas, mais preocupantes em todo o mundo, especialmente em Portugal, salienta a Quercus, acrescentando que esta espécie ocupa mais de 1.000 hectares no Parque Nacional da Peneda-Gerês, uma área que poderá ser maior, pois não há medições atualizadas.

“Para evitar danos ainda mais sérios na biodiversidade do Parque da Peneda-Gerês, é necessária a erradicação de novos focos de invasão e, acima de tudo, o controlo ou eliminação das populações de invasoras já estabelecidas”, insiste a associação de defesa do ambiente.

Assim, pede ao Estado que aumente o investimento financeiro para combater o domínio das espécies exóticas, já que, “atualmente, o investimento no controlo das invasoras lenhosas nas áreas protegidas é quase nulo”.

Defende igualmente uma aposta na educação e sensibilização e a criação de instrumentos legais que impeçam a proliferação destas espécies, que produzem muito material combustível, contribuindo para os incêndios florestais.

Por outro lado, o fogo estimula a germinação das sementes desta espécie que, depois de um incêndio, “invade rapidamente as áreas ardidas”, segundo os ambientalistas.

Comente este artigo

O artigo Quercus alerta para perigo das espécies invasoras e pede mais investimento para controlo foi publicado originalmente em Diário das Beiras

Anterior Considerações: Workshop Contabilidade e Fiscalidade no Agroalimentar
Próximo Un millón de kilos de almendra, dañado por la fuerte helada que ha afectado a la comarca de Utiel-Requena

Artigos relacionados

Últimas

Carta aberta ao ministro da Agricultura

[Fonte: Jornal De Negócios]

Carta aberta ao ministro da Agricultura
As autarquias vão “atirar-se” (como sempre o fizeram, aliás, quando puderam) a estas acções de florestação e reflorestação como fonte de receita (taxas injustificadas e desproporcionadas).
Negócios oferece este espaço de comentário, […]

Últimas

Navigator vai investir apesar de estar preocupada com política para eucalipto

[Fonte: Jornal De Negócios]

A The Navigator Company, designação adoptada no ano passado pela Portucel, decidiu avançar com o investimento de 121 milhões de euros na sua fábrica de Cacia e tenciona também concretizar um outro reforço na sua unidade da Figueira da Foz orçado em 85 milhões de euros. […]

Últimas

Técnicos dizem que conservação de vestígios romanos de Balsa é compatível com agricultura

[Fonte: Observador]

A equipa de arqueologia responsável pelos trabalhos de diagnóstico na zona onde se supõe estarem vestígios da cidade romana de Balsa, na Luz de Tavira, no distrito de Faro, considera possível salvaguardar o património e fazer exploração agrícola.
Na Quinta da Torre D’Aires, […]