Quercus alerta para perigo das espécies invasoras e pede mais investimento para controlo

Quercus alerta para perigo das espécies invasoras e pede mais investimento para controlo

FOTO DR

A organização ambientalista Quercus alertou hoje, segunda-feira, para a presença de árvores invasoras, as acácias australianas, que ameaçam as espécies autóctones do Parque Nacional da Peneda-Gerês, e pede mais investimento no seu controlo e erradicação.

“As acácias australianas, principalmente a acácia-mimosa ou mimosa (Acácia dealbata) e a acácia-de-espigas (Acacia longifolia) ocupam já milhares de hectares em Portugal e são uma séria ameaça em diversas áreas protegidas”, como o Parque Nacional da Peneda-Gerês e a Reserva Natural das Dunas de S. Jacinto, refere um comunicado dos ambientalistas.

A chamada de atenção, a propósito do Dia Internacional das Florestas, que se assinala na terça-feira, realça que “o único parque nacional português está a perder a guerra contra as árvores invasoras de origem australiana” que deixam nos solos milhões de sementes por hectare e se mantêm viáveis durante décadas, prontas a germinar em qualquer altura, em especial após os incêndios.

A mimosa é uma das invasoras, ou exóticas, mais preocupantes em todo o mundo, especialmente em Portugal, salienta a Quercus, acrescentando que esta espécie ocupa mais de 1.000 hectares no Parque Nacional da Peneda-Gerês, uma área que poderá ser maior, pois não há medições atualizadas.

“Para evitar danos ainda mais sérios na biodiversidade do Parque da Peneda-Gerês, é necessária a erradicação de novos focos de invasão e, acima de tudo, o controlo ou eliminação das populações de invasoras já estabelecidas”, insiste a associação de defesa do ambiente.

Assim, pede ao Estado que aumente o investimento financeiro para combater o domínio das espécies exóticas, já que, “atualmente, o investimento no controlo das invasoras lenhosas nas áreas protegidas é quase nulo”.

Defende igualmente uma aposta na educação e sensibilização e a criação de instrumentos legais que impeçam a proliferação destas espécies, que produzem muito material combustível, contribuindo para os incêndios florestais.

Por outro lado, o fogo estimula a germinação das sementes desta espécie que, depois de um incêndio, “invade rapidamente as áreas ardidas”, segundo os ambientalistas.

Comente este artigo
Anterior Considerações: Workshop Contabilidade e Fiscalidade no Agroalimentar
Próximo Un millón de kilos de almendra, dañado por la fuerte helada que ha afectado a la comarca de Utiel-Requena

Artigos relacionados

Nacional

Câmara Agrícola Lusófona leva empresários a São Tomé e Príncipe em Março e Novembro

[Fonte: Agricultura e Mar]

A CAL — Câmara Agrícola Lusófona parte em missão empresarial a São Tomé e Príncipe de 10 a 18 de Março. E está já a preparar nova missão àquele país lusófono para Novembro de 2018.
Estas acções ocorrem no âmbito do Projecto de Internacionalização Agronegócio CPLP 2017/2018. […]

Nacional

Fogo em Câmara de Lobos lavra com duas frentes ativas

[Fonte: Correio da Manhã]

O incêndio que deflagrou esta segunda-feira na zona das Fontainhas, nas serras do concelho de Câmara de Lobos, na zona oeste da Madeira, mantém duas frentes ativas, refere a página da internet da Proteção Civil da região.
De acordo com a informação atualizada às 19h30, […]

Nacional

Reviver o Interior de forma biológica já este fim de semana

[Fonte: Voz do Campo]
“Nova Ruralidade – reviver o Interior de forma biológica’ é o tema da conferência que terá lugar nos dias 27 e 28 de outubro, no Centro Cultural Raiano, em Idanha-a-Nova, com a presença do Secretário de Estado das Florestas e do Desenvolvimento Rural, […]