Proibição de carne de vaca divide Governo: Ministro da Agricultura fala em “populismo e demagogia”, ministro do Ambiente aplaude medida

Proibição de carne de vaca divide Governo: Ministro da Agricultura fala em “populismo e demagogia”, ministro do Ambiente aplaude medida

[Fonte: O Jornal Económico]

Capoulas Santos defende a “liberdade de escolha informada” para os cidadãos tomarem as suas decisões. Já João Matos Fernandes defendeu que devem haver mais medidas como estas nas universidades portuguesas.

A Universidade de Coimbra decidiu proibir carne de vaca nas suas cantinas a partir de janeiro de 2020, uma medida que tem sido criticada por vários setores económicos como os agricultores ou os produtores de leite.

A polémica já chegou ao Governo, com o ministro da Agricultura e o ministro do Ambiente e da Transição Energética a terem opiniões divergentes sobre o assunto. A medida foi tomada pelo reitor da universidade com razões ambientais, com as universidades nacionais a terem autonomia suficiente para decidirem sobre estas questões.

O responsável pela pasta da Agricultura deixou duras críticas, pela imposição da proibição por parte da Universidade de Coimbra, dizendo que a medida se deve ao “populismo e à demagogia”.

“Proibir ou educar? Não deixa de ser amargo constatar que até as vetustas paredes da centenária academia são permeáveis ao populismo e à demagogia. Sete séculos depois, o decreto ainda derrota a educação, que é a maior garantia da liberdade individual e, dentro desta, da liberdade de escolha informada”, escreveu Luís Capoulas Santos nas redes sociais.

Por sua vez, o ministro do Ambiente aplaudiu a medida por contribuir para a neutralidade carbónica. “Parece-me relevante que uma universidade, neste caso a de Coimbra, tudo faça com o objetivo de ser neutra em carbono em 2030. Esta é uma medida, obviamente outras terão que lhe seguir”, disse o governante, citado pela Lusa.

“Nós temos que evoluir para uma sociedade que seja neutra em carbono. Temos metas ambiciosas e todos os setores têm que contribuir”, disse, destacando a autonomia das universidades para tomar decisões.

Por sua vez, o líder do Partido Animais Pessoas (PAN) também aplaudiu a proibição. “É isto que defendemos, politica com coragem”, escreveu André Silva nas redes sociais.

Comente este artigo

O artigo foi publicado originalmente em O Jornal Económico.

Anterior GO FitoAgro aprofunda conhecimento sobre Cochonilha Algodão
Próximo Ação de capacitação em proteção das culturas

Artigos relacionados

Eventos

Xlll Congresso da Agricultura dos Açores na Ilha Terceira – 20 a 22 de novembro

Xlll Congresso da Agricultura dos Açores na Ilha Terceira que irá decorrer entre os dias 20 a 22 de Novembro de 2019. […]

Últimas

Grupo Monte do Pasto comprado por empresa macaense

O grupo Monte do Pasto, com ativos na região de Cuba e Alvito, no Alentejo, vai ser adquirido ao Novo Banco pelo grupo CESL Ásia – […]