Produtos da cesta básica ainda custam 1,8 mil MEuro por ano a Angola

Produtos da cesta básica ainda custam 1,8 mil MEuro por ano a Angola

Luanda, 31 jan (Lusa) – Angola prevê importar este ano 2,2 milhões de toneladas dos nove produtos da cesta básica, compras que vão custar mais de dois mil milhões de dólares (1,8 mil milhões de euros), com destaque para a farinha de trigo.

A informação consta de dados do Entreposto Aduaneiro de Angola (EAA), empresa pública criada em 2002 e que tem a função de gestor da reserva do Estado de manutenção da estabilidade dos preços do mercado, consultados hoje pela Lusa e que indicam que só em farinha de trigo o país deverá importar cerca de 520 toneladas.

Devido à crise cambial decorrente das dificuldades financeiras com a quebra das receitas petrolíferas, Angola viu o preço do pão disparar no último trimestre de 2016, precisamente devido às dificuldades de importação de farinha de trigo. A situação levou à intervenção do EAA, que passou a assegurar essas compras e a fazer a venda direta aos panificadores, para controlar os preços.

Questionado pela Lusa, o presidente do conselho de administração da empresa, Jofre Van-Dúnem Júnior, admitiu o cenário vivido em 2016, mas sublinhou que o Governo angolano “tomou medidas”, nomeadamente através da disponibilização de divisas para os “principais importadores” do país e que conseguem fazer chegar as mercadorias a todo o país.

“Acredito que ao longo de 2017 não haverá constrangimentos e não vão faltar produtos da cesta básica à população”, afirmou Jofre Van-Dúnem Júnior.

A cesta básica angolana é composta atualmente por um conjunto de nove produtos, cujo preço é vigiado pelo Estado, “que espelha as necessidades essenciais da população em termos alimentares”, segundo informação do EAA. A sua importação, que é livre, em função das disponibilidades cambiais das empresas que compram ao exterior, custa anualmente, segundo o Ministério do Comércio, cerca de dois mil milhões de dólares.

Em 2017, as projeções apontam para a necessidade de importação por Angola de 380 toneladas de açúcar, 331 de arroz, 103 de farinha de milho, 271 de feijão, 147 de leite em pó e 199 de óleo alimentar, além de sabão em barra ou sal, que também integram este lote de produtos.

Contudo, entre 2018 e 2022, a projeção do Governo angolano aponta para uma diminuição anual da importação de 10% da farinha de milho e 10% de feijão, devido ao “aumento de produção interna” que está projetado.

Em Angola, os produtos da cesta básica estão isentos do pagamento de taxas aduaneiras e Imposto de Consumo.

PVJ // VM

Lusa/Fim

Comente este artigo
Anterior Novas regras do POSEI publicadas hoje em Jornal Oficial
Próximo Publications - Roll call votes : 25 January 2017 - Committee on Agriculture and Rural Development

Artigos relacionados

Nacional

Alterações climáticas: áreas inóspitas da Sibéria podem tornar-se habitáveis este século

[Fonte: Público]

Áreas inóspitas da Sibéria podem tornar-se habitáveis até ao fim do século devido às alterações climáticas, […]

Notícias meteorologia

Furacão Lorenzo – Açores – 8

[Fonte: BestWeather]

::::: Furacão LORENZO a caminho dos Açores ::::
-> 8ª actualização.
**SITUAÇÃO DE RISCO EXTREMO – GRUPO OCIDENTAL**
O Furacão Lorenzo é neste momento um ciclone de categoria 2 posicionado a 920km a sudoeste de Santa Cruz das Flores. […]

Últimas

Governo diz que suspensão de diploma de terras sem dono pela AR inviabiliza reforma florestal

[Fonte: Público]

O Governo defendeu nesta terça-feira que a suspensão por dez anos do decreto de lei das terras sem dono põe em causa a reforma da floresta e apelou, […]