Produtores de pera rocha investem seis milhões em nova central fruteira

Produtores de pera rocha investem seis milhões em nova central fruteira

[Fonte: O Jornal Económico]

A Coopval, que reclama ser a maior cooperativa de produtores de pera rocha em Portugal, investiu cerca de seis milhões de euros numa nova central fruteira no Cadaval.

“No ano em que comemora o cinquentenário da sua constituição, a Coopval – Cooperativa Agrícola dos Fruticultores do Cadaval mostra-se com nova cara, a pensar no futuro. Não só tem imagem renovada, como apresenta a sua nova central fruteira, alvo de um investimento de seis milhões de euros para ampliação do espaço de armazenamento e automatização dos processos de embalamento”, adianta um comunicado da cooperativa.

O equipamento foi inaugurado hoje, terça-feira, dia 23 de julho,  pelo ministro da Agricultura, Luís Capoulas Santos, no âmbito das comemorações do 50º aniversário da Coopval, que conta com cerca de 300 associados.

“Ocupando 24 mil metros quadrados e com mais de seis dezenas de câmaras frigoríficas com capacidade para receber 25 mil toneladas de fruta (especialmente pera rocha mas também maçã), a central da Coopval está agora dotada de processos robotizados que permitem, por um lado, maior precisão e automatização no embalamento e, por outro, maior rigor na seleção da fruta”, destaca o mesmo comunicado.

O mesmo documento acrescenta que “as modernas instalações são certificadas, respeitando as normas internacionais de segurança alimentar e assegurando um controlo rigoroso na gestão da qualidade dos produtos”.

“Ao cumprirmos este grande investimento de seis milhões de euros na modernização da nossa central, estamos a preparar os próximos 50 anos. Temos uma das maiores e mais modernas centrais de fruta do país, capaz de dar resposta aos desafios vindouros, que acreditamos ser de crescimento. Ao olharmos para a frente no momento em que celebramos o passado, estamos a assumir, perante sócios, clientes e consumidores, o compromisso de que pretendemos continuar no caminho da modernidade e da expansão”, afirma Aristides Sécio, presidente da cooperativa nascida no Cadaval, na região do Oeste, em 1969.

A Coopval adianta que “o ‘refresh’ da imagem institucional e da marca se insere neste movimento de modernização e foi desenvolvido no âmbito do projeto PME Internacionalização”.

“A nova imagem mantém os elementos que sempre caracterizaram a Coopval, a pera e maçã, mas empresta-lhes contemporaneidade”, defende o referido comunicado.

“Para nós, era muito importante continuar a reforçar a nossa fruta e, sobretudo, a sua origem portuguesa, sem beliscar a relação histórica que temos com os nossos atuais distribuidores e clientes. Mas, ao mesmo tempo, sentimos necessidade de evoluir e de ir ao encontro das tendências para chegar a novos clientes, mais exigentes e atentos aos valores das marcas”, considera Aristides Sécio.

A inauguração do novo equipamento e a apresentação da nova imagem estão integradas no programa de comemoração do cinquentenário da Coopval que, além da sessão solene presidida pelo Ministro da Agricultura, contempla ainda o lançamento do livro “1969-2019 Cooperativa Agrícola dos Fruticultores do Cadaval”.

Sediada no Cadaval, considerado “o solar da pera rocha”, a Coopval – Cooperativa Agrícola dos Fruticultores do Cadaval CRL foi constituída em 1969.

Especializada na produção, armazenamento, embalamento e comercialização de fruta, afirma-se hoje como a maior organização de produtores de pera rocha, com uma produção anual a rondar 25 mil toneladas de pera rocha e maçã e um volume de negócios de cerca de 18 milhões de euros.

A Coopval destina mais de 80% da sua produção à exportação, sendo que o Brasil, desde 1977, é o seu primeiro e maior mercado externo.

Mas a produção e exportação da Coopval está presente em variadas geografias, incluindo o Canadá, Reino Unido, Holanda, Alemanha, Itália, França, Espanha ou Rússia.

Ao nível da produção, a Coopval detém as certificações GlobalGAP, LEAF e Tesco Nurture, enquanto a sua central tem certificação BRC.

Comente este artigo

O artigo foi publicado originalmente em O Jornal Económico.

Anterior Mais de 70% do que ardeu em Vila de Rei e Mação era floresta que estava a regenerar
Próximo Portugal tem um novo instrumento financeiro para apoiar agricultores

Artigos relacionados

Últimas

PCP, BE e “Os Verdes” vão pedir ao Tribunal Constitucional fiscalização das leis laborais

O líder parlamentar comunista, João Oliveira, e o dirigente bloquista Jorge Costa anunciaram hoje a intenção de requerer aos juízes do Palácio Ratton a fiscalização sucessiva da constitucionalidade dos diplomas, […]

Últimas

“O próximo ciclo político tem o poder de determinar o modelo agrícola europeu para as próximas gerações”

A três semanas das eleições europeias, os agricultores e as cooperativas agrícolas da União Europeia (UE), representados pelo COPA e pela COGECA, […]

Últimas

Empresa romena procura produtores de presunto, lacticínios, nozes e azeite

Uma empresa romena está à procura de produtores de produtos alimentares, como carnes e presuntos, lacticínios, frutas e nozes, azeitonas, azeite e outros produtos de nicho. […]