Portugal supera Alemanha e Bélgica na agricultura biológica

Portugal supera Alemanha e Bélgica na agricultura biológica

[Fonte: O Jornal Económico]

Os consumidores procuram cada vez mais produtos alimentares de origem biológica, o que tem provocado um crescimento da agricultura biológica na Europa.

A área orgânica na União Europeia correspondia a 12,6 milhões de hectares em 2017, o que implica um uso de apenas 7% na área total de agricultura. Apesar de ser um valor consideravelmente baixo, este número cresceu 25% entre 2012 e 2017, segundo dados divulgados pelo Eurostat esta quarta-feira.

Ainda que a média europeia se situe em 7%, há países que superam largamente esta média. A Áustria é o país que mais utiliza esta agricultura biológica, totalizando um uso de 23,4%, seguido pela Estónia e pela Suécia na casa dos 19%. Itália e a República Checa contabilizam 14,9% e 14,1%, respetivamente. A Finlândia é o último país que se encontra ligeiramente acima dos 10% com um total de 11,4%.

As proporções mais baixas são encontradas em Malta, que apenas utiliza 0,4%, a Irlanda com 1,7, Roménia depende de 1,9%. A Bulgária e o Reino Unido utilizam 2,7% e 2,9% de área orgânica, respetivamente.

Portugal tem exatamente o mesmo número que a média europeia, 7%. Encontra-se abaixo de Espanha e Dinamarca, mas supera países como a Alemanha e a Bélgica.

Apesar de o número ter crescido de 2012 até 2017, uma área classificada como “orgânica” tem de ser certificada pelo regulamento 2092/91, disposto nas normas da União Europeia. Embora um produtor se queira tornar biológico, o processo de conversão pode demorar dois a três anos, dependendo sempre do solo, que é submetido a análises constantes para verificar se é ou continua apto para esta prática.

Em Portugal, existiam 2.641 produtores agrícolas em 2011, que se dividiam por diversas áreas como a vinha, o olival ou mesmo por plantas aromáticas, segundo a Quercus. A agricultura orgânica implica que quem trate da produção, para venda futura, não use fertilizantes sintéticos, agrotóxicos não-orgânicos e produtos reguladores de crescimento. Este sistema de produção deve usar fertilizantes naturais, rotação de culturas, aumento da biodiversidade, compostagem e o controlo de insetos e doenças com recurso a produtos naturais.

Comente este artigo

O artigo foi publicado originalmente em O Jornal Económico.

Anterior CNA diz que ‘áreas mínimas’ indivisas são muito altas
Próximo Crédito Agrícola apoia modernização e internacionalização do sector agrícola

Artigos relacionados

Comunicados

Apicultura sustentável: Consórcio europeu desenvolve colmeias inteligentes de baixo custo

No próximo mês de janeiro, uma equipa de cientistas da Universidade de Coimbra (UC) vai iniciar um conjunto de testes com colmeias inteligentes […]

Nacional

Projeto Mercados Regionais quer dinamizar e valorizar os mercados locais

[Fonte: Rede Rural Nacional] No passado dia 27 de junho, realizou-se em Bensafrim (Lagos), na sede da Vicentina – Associação para o Desenvolvimento do Sudoeste, […]

Produtos fertilizantes

ADP Fertilizantes lançou recentemente no mercado o ADP NERGETIC Dynamic S+

A ADP Fertilizantes lançou recentemente no mercado o ADP NERGETIC Dynamic S+ (DS+), respondendo à tendência de crescimento da procura de adubos azotados combinados com enxofre e protegidos.