Pedrógão Grande: Dez pessoas julgadas no processo que investiga responsabilidades pelo fogo

Pedrógão Grande: Dez pessoas julgadas no processo que investiga responsabilidades pelo fogo

[Fonte: O Jornal Económico]

Dos 13 arguidos do processo, seguem para julgamento os presidentes dos municípios de Castanheira de Pera, Figueiró dos Vinhos e Pedrógão Grande em funções à data dos factos: Fernando Lopes, Jorge Abreu e Valdemar Alves, respetivamente.

Na sequência do debate instrutório, o tribunal decidiu ainda levar a julgamento a então engenheira florestal no município de Pedrógão Grande Margarida Gonçalves; o comandante dos Bombeiros Voluntários de Pedrógão Grande, Augusto Arnaut; o subdiretor da área comercial da EDP José Geria; o subdiretor da área de manutenção do Centro da mesma empresa, Casimiro Pedro; e três arguidos com cargos na Ascendi Pinhal Interior: José Revés, António Berardinelli e Rogério Mota.

O comandante distrital de operações de socorro de Leiria à data dos factos, Sérgio Gomes, o segundo comandante distrital, Mário Cerol, e José Graça, então vice-presidente do município de Pedrógão Grande, ficam de fora do julgamento.

A decisão sobre este processo esteve para ser tomada em meados de maio, mas “alterações não substanciais aos factos” obrigaram o tribunal a dar um prazo para que a defesa dos arguidos António Ugo Berardinelli, José Revés e Rogério Mota se pronunciasse.

Em causa está a queda de um pinheiro na estrada onde morreu a maioria das pessoas, “parando, desviando ao sentido contrário, ou, pelo menos, dificultando a marcha de quem passasse”.

O incêndio de Pedrógão Grande deu origem a um outro inquérito, que investiga alegadas irregularidades no apoio à reconstrução de casas que arderam no fogo, em 2017, e que tem 43 arguidos, anunciou a Procuradoria-Geral da República (PGR), no dia 07 de junho.

O incêndio que deflagrou em 17 de junho de 2017, em Escalos Fundeiros, concelho de Pedrógão Grande, e que alastrou depois a concelhos vizinhos, provocou 66 mortos e 253 feridos, sete deles com gravidade, tendo destruído cerca de 500 casas, 261 das quais eram habitações permanentes, e 50 empresas.

O artigo foi publicado originalmente em O Jornal Económico.

Comente este artigo
Anterior Dona da Sagres chega a acordo com sindicato para aumentos de 2,5%
Próximo Pedrógão. Juiz leva autarcas a julgamento e "salva" responsáveis da ANPC

Artigos relacionados

Blogs

The Commission’s Climate Law proposal: what it says and how it might be improved

On 4 March 2020 the Commission published its draft Climate Law, formally a Regulation to establish the framework for achieving climate neutrality. […]

Dossiers

Castilla-La Mancha, Navarra, Extremadura, Andalucía,… las CCAA empiezan a abonar el adelanto de la PAC

Poco a poco, las primeras CCAA han comenzado esta semana a abonar el adelanto de la PAC. Castilla-La Mancha, Navarra, Extremadura o Andalucía han sido las primeras en anunciar y, […]

Nacional

Produtor russo de alimentação animal procura fornecedores de cevada, sorgo, aveia, trigo, milho e centeio

Um produtor russo, de aditivos alimentares para alimentação animal à base de extractos vegetais, procura fornecedores de matérias-primas (cevada, […]