“Ou nos preparamos hoje para as alterações climáticas, ou pagamos um preço devastador amanhã”, alerta comissário europeu

“Ou nos preparamos hoje para as alterações climáticas, ou pagamos um preço devastador amanhã”, alerta comissário europeu

[Fonte: O Jornal Económico]

Christos Stylianides sublinhou durante o discurso de abertura da cimeira pelas alterações climáticas, que nenhum país está imune às alterações climáticas e que “nenhum país deve combater a enormidade deste desafio sozinho”, dando destaque à importância das parcerias entre os setores público e privado como o “próximo passo em frente”.

O Comissário Europeu integrou no painel de abertura da 4.ª Conferência Europeia de Adaptação às Alterações Climáticas (ECCA 2019), juntamente com o Ministro do Ambiente João Matos Fernandes e o Presidente da Câmara de Lisboa Fernando Medina. É a primeira vez que este evento se realiza num país do Sul da Europa. Durante três dias vão ser apresentados estudos e partilhadas experiências sobre temas variados, que vão dos incêndios florestais extremos à inovação e resiliência urbana, passando pelos serviços da ciência para os sistemas de tomada de decisão e pela adaptação de infraestruturas urbanas ou de negócios à nova realidade.

Para além da cooperação entre os dois setores, Stylianides aproveitou o momento para destacar as Estratégias para Adaptção às Alterações Climáticas, nomeadamente refinar o conhecimento com conferências como esta e programas europeus como o Copernicus (sistema satélite de observação da Terra); “o reforço da cooperação público-privada”, nomeadamente com o setor dos seguros, para prevenir riscos e compensar perdas; e a “aposta em investimentos e infraestruturas resilientes”.

Christos Stylianides aproveitou o momento para relembrar lançado “rescEU” – o Mecanismo Europeu  Proteção Civil, que serve de “resposta coletiva” ou “rede de segurança” para eventos extremos como os incêndios florestais. “O rescEU é uma rede de segurança. Uma rede disponível para quando as nações estão sobrecarregadas”, afirmou.

O programa foi desenhado para ajudar as cidades em risco e fortalecer a resistência urbana, capacitando, preparando, respondendo e recuperando de ameaças significativas com o mínimo de danos.

Ao longo de três dias, em 580 apresentações, o encontro será a maior edição da conferência bienal, que se realiza pela primeira vez num país do sul da Europa.

A conferência centra-se em temas como os incêndios florestais, a necessidade de o setor empresarial privado ter que se adaptar às mudanças trazidas pelo aquecimento global, as zonas verdes nas cidades, inovação na maneira como as cidades são desenhadas e geridas e iniciativas dirigidas à juventude, entre outros.

Comente este artigo

O artigo foi publicado originalmente em O Jornal Económico.

Anterior Projetos agrícolas herdados do QREN deixam por aplicar 30% do apoio atribuído
Próximo Lusomorango preocupada com desenvolvimento do Perímetro de Rega do Mira

Artigos relacionados

Últimas

Eng. Agronomo

OFERTA DE EMPREGO
Eng.º(a) Agrónomo (a)

A nossa empresa está a contratar para a Península de Setúbal e Ribatejo.
O candidato selecionado terá […]

Nacional

Encontro GO Tinturaria Natural. As apresentações já estão disponíveis

A Associação de Defesa do Património de Mértola (ADPM) promoveu no passado dia 11 de Dezembro, no auditório da Escola Superior Agrária de Beja, […]

Últimas

Quand les abeilles dansent pour communiquer

«Nous voulons aider les apiculteurs, les responsables de la gestion des terres et les personnes qui conçoivent des mélanges de graines, […]