OE2018: Imposto sobre cerveja, licores e bebidas espirituosas sobe cerca de 1,5%

OE2018: Imposto sobre cerveja, licores e bebidas espirituosas sobe cerca de 1,5%

[Fonte: Jornal económico]

O imposto sobre a cerveja, as bebidas espirituosas e os vinhos licorosos vai voltar a subir em 2018, mas em torno de 1,5%, quando este ano o aumento foi de 3%, segundo uma proposta preliminar do OE2018.

De acordo com uma versão preliminar da proposta de Orçamento do Estado para 2018 (OE2018), e datada de 10 de outubro, a que a agência Lusa teve hoje acesso, as cervejas vão passar a pagar um imposto que começa nos 8,34 euros por hectolitro para os volumes de álcool mais baixos e que vai até aos 29,30 euros por hectolitro no caso dos volumes de álcool mais elevados.

Com a entrada em vigor do Orçamento do Estado de 2017, o imposto aplicado às cervejas começava nos 8,22 euros e ia até aos 28,90 euros por hectolitro, o que significa que, no próximo ano, o Governo quer aumentar imposto sobre a cerveja em cerca de 1,5%.

No caso das bebidas espirituosas, nas quais se inclui gin e vodka, por exemplo, a taxa de imposto aplicável também vai sofrer um aumento, mas de 1,4%, passando dos 1.367,78 euros por hectolitro atualmente em vigor para os 1.386,93 euros por hectolitro em 2018.

Também a taxa de imposto aplicável aos produtos intermédios, ou seja, os vinhos licorosos, aumenta de 75,05 euros por hectolitro para 76,1 euros, uma subida de 1,4%.

Por sua vez, as bebidas fermentadas, como os espumantes, vão pagar um imposto de 10,44 euros por hectolitro, um aumento de 1,4% face aos 10,30 euros por hectolitro durante 2017.

Não estão previstas alterações no imposto que incide sobre o teor alcoólico do vinho, de acordo com a proposta a que a Lusa teve acesso.

Já no OE2017, o Governo decidiu aumentar em 3% o imposto aplicado à cerveja, às bebidas espirituosas e aos vinhos licorosos, prevendo arrecadar 187 milhões de euros com este imposto este ano.

Comente este artigo

O artigo OE2018: Imposto sobre cerveja, licores e bebidas espirituosas sobe cerca de 1,5% foi publicado originalmente em Jornal económico

Anterior Oferta de emprego - Colaborador (M/F) - Lisboa
Próximo COMMENTAIRE. Agriculture et alimentation : Macron passe à table

Artigos relacionados

Nacional

Firmino Cordeiro, diretor-geral da AJAP

[Fonte: Voz do Campo]
Esta agricultura não é para jovens?
Portugal é um dos países da UE com menor renovação geracional na agricultura: metade dos agricultores portugueses tem mais de 65 anos e dos 264.420 gestores de explorações agrícolas identificados em Portugal, 73.7% têm 55 ou mais anos de idade. […]

Últimas

AGRITECHNICA de 12 a 19 de novembro na Alemanha

[Fonte: Voz do Campo]
Dia 12 de novembro de 2017 será o pontapé de saída para a feira mais importante da área técnica agrícola: Agritechnica, em Hannover – Alemanha
Durante 7 dias, AGRITECHNICA irá apresentar  2.900 expositores que irão oferecer uma fascinante visão de futuro da produção vegetal.Fabricantes e  […]

Nacional

Governo, produtores e indústria dos Açores dizem que fim das quotas leiteiras foi negativo

[Fonte: Açoriano Oriental]

Governo, produtores e indústria nos Açores são unânimes em afirmar, três anos após o fim das quotas leiteiras, que o cenário é negro, sendo que mais de 60% dos 2.132 produtores de leite da região estão falidos.

O titular da pasta da Agricultura do Governo dos Açores, […]