OE2018: Imposto sobre cerveja, licores e bebidas espirituosas sobe cerca de 1,5%

OE2018: Imposto sobre cerveja, licores e bebidas espirituosas sobe cerca de 1,5%

[Fonte: Jornal económico]

O imposto sobre a cerveja, as bebidas espirituosas e os vinhos licorosos vai voltar a subir em 2018, mas em torno de 1,5%, quando este ano o aumento foi de 3%, segundo uma proposta preliminar do OE2018.

De acordo com uma versão preliminar da proposta de Orçamento do Estado para 2018 (OE2018), e datada de 10 de outubro, a que a agência Lusa teve hoje acesso, as cervejas vão passar a pagar um imposto que começa nos 8,34 euros por hectolitro para os volumes de álcool mais baixos e que vai até aos 29,30 euros por hectolitro no caso dos volumes de álcool mais elevados.

Com a entrada em vigor do Orçamento do Estado de 2017, o imposto aplicado às cervejas começava nos 8,22 euros e ia até aos 28,90 euros por hectolitro, o que significa que, no próximo ano, o Governo quer aumentar imposto sobre a cerveja em cerca de 1,5%.

No caso das bebidas espirituosas, nas quais se inclui gin e vodka, por exemplo, a taxa de imposto aplicável também vai sofrer um aumento, mas de 1,4%, passando dos 1.367,78 euros por hectolitro atualmente em vigor para os 1.386,93 euros por hectolitro em 2018.

Também a taxa de imposto aplicável aos produtos intermédios, ou seja, os vinhos licorosos, aumenta de 75,05 euros por hectolitro para 76,1 euros, uma subida de 1,4%.

Por sua vez, as bebidas fermentadas, como os espumantes, vão pagar um imposto de 10,44 euros por hectolitro, um aumento de 1,4% face aos 10,30 euros por hectolitro durante 2017.

Não estão previstas alterações no imposto que incide sobre o teor alcoólico do vinho, de acordo com a proposta a que a Lusa teve acesso.

Já no OE2017, o Governo decidiu aumentar em 3% o imposto aplicado à cerveja, às bebidas espirituosas e aos vinhos licorosos, prevendo arrecadar 187 milhões de euros com este imposto este ano.

Comente este artigo

O artigo OE2018: Imposto sobre cerveja, licores e bebidas espirituosas sobe cerca de 1,5% foi publicado originalmente em Jornal económico

Anterior Oferta de emprego - Colaborador - Lisboa
Próximo COMMENTAIRE. Agriculture et alimentation : Macron passe à table

Artigos relacionados

Últimas

Aicep diz que Roménia tem potencialidades para o reforço das exportações portuguesas

[Fonte: Agricultura e Mar]
A Aicep – Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal acaba de publicar a “Ficha de Mercado da Roménia” (Abril de 2017), na qual faz uma análise da economia romena, das relações económicas bilaterais e das condições de acesso ao mercado, […]

Nacional

João Castro quer rotulagem do leite o mais breve possível

Durante a audição do ministro Capoulas Santos na Comissão Parlamentar de Agricultura e Mar, João Castro lembrou que tal só foi possível por iniciativa do atual Executivo. Esta decisão é fundamental, frisou o deputado, que acredita que esta medida é crucial para o consumidor, sobretudo nos dias de hoje em que “trigo e joio facilmente se confundem”. […]

Últimas

Açores trabalham para reduzir tempo entre abate de animal e entrada da carne no mercado — Vasco Cordeiro

[Fonte: Dinheiro Vivo – empresas]
O Governo dos Açores está a trabalhar para reduzir ao máximo o tempo entre o abate do animal e a chegada da carne ao consumidor final, anunciou hoje o presidente do executivo regional, Vasco Cordeiro.
“É […]