OE2018: Imposto sobre cerveja, licores e bebidas espirituosas sobe cerca de 1,5%

OE2018: Imposto sobre cerveja, licores e bebidas espirituosas sobe cerca de 1,5%

[Fonte: Jornal económico]

O imposto sobre a cerveja, as bebidas espirituosas e os vinhos licorosos vai voltar a subir em 2018, mas em torno de 1,5%, quando este ano o aumento foi de 3%, segundo uma proposta preliminar do OE2018.

De acordo com uma versão preliminar da proposta de Orçamento do Estado para 2018 (OE2018), e datada de 10 de outubro, a que a agência Lusa teve hoje acesso, as cervejas vão passar a pagar um imposto que começa nos 8,34 euros por hectolitro para os volumes de álcool mais baixos e que vai até aos 29,30 euros por hectolitro no caso dos volumes de álcool mais elevados.

Com a entrada em vigor do Orçamento do Estado de 2017, o imposto aplicado às cervejas começava nos 8,22 euros e ia até aos 28,90 euros por hectolitro, o que significa que, no próximo ano, o Governo quer aumentar imposto sobre a cerveja em cerca de 1,5%.

No caso das bebidas espirituosas, nas quais se inclui gin e vodka, por exemplo, a taxa de imposto aplicável também vai sofrer um aumento, mas de 1,4%, passando dos 1.367,78 euros por hectolitro atualmente em vigor para os 1.386,93 euros por hectolitro em 2018.

Também a taxa de imposto aplicável aos produtos intermédios, ou seja, os vinhos licorosos, aumenta de 75,05 euros por hectolitro para 76,1 euros, uma subida de 1,4%.

Por sua vez, as bebidas fermentadas, como os espumantes, vão pagar um imposto de 10,44 euros por hectolitro, um aumento de 1,4% face aos 10,30 euros por hectolitro durante 2017.

Não estão previstas alterações no imposto que incide sobre o teor alcoólico do vinho, de acordo com a proposta a que a Lusa teve acesso.

Já no OE2017, o Governo decidiu aumentar em 3% o imposto aplicado à cerveja, às bebidas espirituosas e aos vinhos licorosos, prevendo arrecadar 187 milhões de euros com este imposto este ano.

Comente este artigo

O artigo OE2018: Imposto sobre cerveja, licores e bebidas espirituosas sobe cerca de 1,5% foi publicado originalmente em Jornal económico

Anterior Oferta de emprego - Colaborador - Lisboa
Próximo COMMENTAIRE. Agriculture et alimentation : Macron passe à table

Artigos relacionados

Últimas

Produção de azeite cai 31% na campanha 2016-2017 para 75,2 mil toneladas

[Fonte: Agricultura e Mar]
O GPP – Gabinete de Planeamento, Políticas e Administração Geral estima que a produção nacional de azeite tenha caído 31% na campanha 2016-2017, relativamente à campanha anterior, cifrando-se em cerca de 75,2 mil toneladas. É este o resultado do”Inquérito aos Lagares de Azeite na Campanha 2016-2017″. […]

Nacional

Certificação de vinho nos Açores cai para metade em 2016

[Fonte: Açoriano Oriental]

A certificação de vinho nos Açores, que atingia num ano de produção normal 250 mil litros anuais, caiu para cerca de metade em 2016, devido às condições meteorológicas que afetaram esta cultura.

“Num ano normal, com base nas áreas de produção habituais, […]

Últimas

Drones apoiam combate contra fogos florestais

[Fonte: Correio da Manhã]

O dispositivo de combate a fogos florestais foi reforçado este ano no concelho de Portimão. As principais novidades prendem-se com a utilização de drones e o recurso a guias para ajudar os bombeiros. No ano passado, Portimão foi atingido por um grande fogo florestal, […]