O papel da pecuária na luta contra a desertificação

O papel da pecuária na luta contra a desertificação

O papel da pecuária na luta contra a desertificação

A criação de animais tem sido apontada como uma das principais causas para a desertificação, mas se realizada da forma correta pode ser a solução para reverter esta problemática.

Através da criação de protocolos que respeitam e imitam as interações íntimas entre a microbiologia do solo, a produtividade das plantas, o comportamento dos animais e o sustento das populações e tendo sempre em conta o contexto social, laboral, económico e territorial de cada situação produtiva é possível criar uma harmonia simbiótica entre pecuária e natureza, promovendo a proliferação de plantas.

O maneio holístico é o conceito por trás desta ideia que promove a gestão do território de pastoreio e que imita os percursos ancestrais das grandes manadas de herbívoros. Desta forma é possível ter mais produtividade vegetal (mais pasto de melhor qualidade e durante mais tempo), maiores rendimentos por parte dos animais (melhor e mais carne e leite), menos parasitas e doenças e ainda enterrar carbono no solo, revertendo assim as alterações climáticas.

O pastoreio holístico e planeado pode regenerar a terra aumentando a cobertura do solo, a infiltração de água, a biodiversidade, a produtividade e o carbono retido.

Períodos de recuperação, duração do período de pastoreio e densidade animal devem ser definidos com precisão pelo gestor pecuário, pois a diferença entre ser regenerativo ou destrutivo depende das decisões tomadas e da solidez da sua base científica e técnica.

Os cascos dos animais podem e devem funcionar como ferramentas de arar a terra, uma vez que a sua passagem quebra o chão outrora endurecido, o que fomenta a absorção da água da chuva e a retenção de carbono no solo. A compactação temporária também facilita o contacto entre as sementes e a terra, o que estimula a germinação e resulta em pastos verdejantes.

No fundo, é devolver à natureza aquilo que lhe pertence, equilibrando a balança entre as explorações agrícolas, a sua pegada ecológica e a mãe natureza.

O artigo foi publicado originalmente em Monte do Pasto.

Comente este artigo
Anterior PAN propõe 10% do Orçamento para reforçar proteção dos animais usados em investigação. Foi chumbado
Próximo FSC® promove incentivos para a valorização dos Serviços dos Ecossistemas

Artigos relacionados

Dossiers

Floresta: “Vamos propor uma lei que permita intervir, independentemente de quem for o proprietário”

A população rural, que nos anos 60 do século XX representava 60% do total, reduziu-se para 5% na actualidade. […]

Últimas

Em defesa do iogurte nacional – Carlos Neves

Caro Henrique Pereira dos Santos, sendo eu leitor assíduo dos seus artigos e opiniões como defensor do meio rural, da floresta e de uma gestão […]

Últimas

Qual o valor das plantas e flores no meio urbano? As respostas no CLBHort 2017 -1 a 4 Novembro 2017 – Lisboa

Mesa Redonda 7: Desafios e oportunidades para a fileira das plantas ornamentais e do paisagismo
Os serviços ecossistémicos proporcionados pelas plantas, […]