“Não se deixe enganar”. Há falsos tratamentos para a praga dos castanheiros

“Não se deixe enganar”. Há falsos tratamentos para a praga dos castanheiros

[Fonte: Rádio Renascença]

Há pessoas a aproveitarem-se do combate à praga da vespa das galhas do castanheiro para tentarem burlar os produtores com falsos tratamentos. O alerta é deixado pelo presidente da Câmara de Vinhais

“Em algumas aldeias apareceram lá uns indivíduos a vender uns frasquinhos que deviam ser mosquitos ou qualquer outra coisa, mas que não era realmente o parasita para combater a doença”, afirma Luís Fernandes.

O autarca pede aos produtores que “não se deixem enganar” e assegura que “a autarquia estará sempre disponível para ajudar, no que lhe for necessário, para combater a vespa, tanto a nível local como na sensibilização junto do Governo”.

No concelho de Vinhais, as largadas dos parasitoides são realizadas exclusivamente pelo Instituto Politécnico de Bragança (IPB), Associação Agro-Florestal e Ambiental da Terra Fria Transmontana (ARBOREA) e Empresa Municipal de Desenvolvimento Rural de Vinhais (PRORURIS).

Em Trás-os-Montes, região que mais castanha produz no país, as autarquias têm feito ações de sensibilização e promovido várias largadas de parasitoides. Só em Vinhais, durante o mês de maio, foram realizadas 52 largadas nas freguesias com maior número de focos das vespas.

Luta biológica em curso

A vespa da galha do castanheiro está praticamente em todo o país e constitui uma séria ameaça à sustentabilidade dos soutos porque “destrói a floração das galhas e invalida qualquer possibilidade de haver fruto”.

A luta biológica tem sido o método que se tem revelado eficaz no combate a esta praga e foi também o método adotado em Itália e em Espanha. Consiste na largada dos parasitoides `Torymus sinensis`, insetos que se alimentam das larvas que estão nas árvores e são capazes de exterminar a vespa.

Após a implementação destas medidas, das largadas de parasitoides, serão necessários três a quatro anos para que seja atingido um novo equilíbrio entre praga e parasita. “À medida que o parasita vai crescendo, a praga vai diminuindo o seu nível de ataque”, explica José Gomes Laranjo, presidente da presidente da Associação Nacional da Castanha (RefCast).

A vespa dos galhos do castanheiro é um problema sério, “pode envolver reduções de produção numa situação de controle na ordem dos 10 a 15% de redução de produção. Mas, se nada for feito, envolve reduções de produção em mais de 90%, como haverá algumas situações pontuais no país, onde isso irá acontecer”, alerta o investigador da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro.

Comente este artigo

O artigo “Não se deixe enganar”. Há falsos tratamentos para a praga dos castanheiros foi publicado originalmente em Rádio Renascença

Anterior Conferência dedicada ao sector agrícola no Algarve
Próximo Madeira: CA lança linha de crédito para pagamento ao sector da cana-de-açúcar

Artigos relacionados

Nacional

Tudo como dantes (ou pior!)

[Fonte: Observador]

Duas semanas depois do incêndio florestal mais mortífero da história portuguesa e, possivelmente, fora de Portugal, há uma coisa de que podemos ter a certeza: tudo ficará como dantes! Dinheiro prometido aos rodos e anúncios de iniciativas sem fim nem controle, […]

Nacional

Wine Intelligence espera grande crescimento de consumo de vinho na Índia

[Fonte: Agricultura e Mar]
A Wine Intelligence prevê um grande crescimento no consumo de vinho no segundo país mais povoado do planeta, a Índia. E equipara esta mudança de hábitos ao mercado de vinhos da China. A Índia pode ser uma oportunidade de negócio para os exportadores portugueses. […]

Nacional

Orçamento Participativo Braga 2019. Período de apresentação de propostas aberto

[Fonte: Agricultura e Mar]

A Câmara Municipal de Braga informa que está aberto o período de apresentação de propostas para o Orçamento Participativo Braga 2019.
Até 31 de Agosto as propostas podem ser apresentadas no portal do Orçamento Participativo da Câmara Municipal de Braga ou nas assembleias participativas que se realização no mês de Julho em datas e locais a designar. […]