Movimento que defende afetados pelo fogo move ação popular contra o Estado

Movimento que defende afetados pelo fogo move ação popular contra o Estado

[Fonte: O Jornal Económico]

A associação ‘Movimento Associativo de Apoio às Vítimas dos Incêndios de Midões’ (MAAVIM) colocou uma ação popular contra o Estado português devido à não resolução de assuntos relacionados com o incêndio de outubro de 2017.

“Os incêndios de Outubro de 2017 foram os maiores incêndios de que há memória em Portugal: morreram 50 pessoas e 70 ficaram feridas, foram destruídas mais de 1500 casas de primeira habitação, ficaram afetadas mais de 500 empresas e 4500 postos de trabalho e ardeu uma área de floresta superior a 250 000 campos de futebol”, começa por defender o movimento de defesa.

Com assuntos ainda por resolver, as seguradoras avaliaram os prejuízos materiais em mais de mil milhões de euros, e por essa razão, a MAAVIM vem agora defender os dois mil associados que perderam os respetivos bens materiais.

Os responsáveis sublinham que não se tratou de um acontecimento “fortuito e imprevisível”, sendo que estavam disponíveis elementos de análise que permitiam “a previsão de incêndios” para esse fim de semana, existindo ainda a “possibilidade de um combate eficaz”.

“O combate urgente às chamas exigia a reunião de muitos meios e o seu pré-posicionamento no terreno”, no entanto, “sucede que os meios de combate a incêndios diminuíram precisamente nesse fim de semana” por se encontrarem na fase Delta.

A MAAVIM culpa o Governo por não alterar “o calendário fixado para a desmobilização dos meios de combate aos fogos”, quando se tratou de um verão seco e de um “outubro excepcionalmente quente e seco”. A associação garante ainda que os responsáveis governamentais recusaram “todos os pedidos de reforço de meios que a proteção civil lhe dirigiu nas semanas anteriores ao incêndio”.

“A catástrofe foi por isso o que se esperava e só terminou com as chuvas de dia 17. Morreram 50 pessoas, e os relatórios técnicos dizem que podiam ter morrido muitas mais”, sublinha o comunicado.

A associação continua e diz que “os incêndios de outubro, tal como os de Junho, só tiveram tais dimensões porque os montantes destinados pelo Governo para a prevenção de incêndios florestais são muito insuficiente e foram deslocados para as zonas do país com menor risco de incêndio, como o Alentejo, em prejuízo da zona centro, que recebeu quase nada”.

A MAAVIM sublinhou ainda o facto de o Governo não ter feito nada para prevenir os incêndios na sua propriedade, o Pinhal de Leiria, acusando ainda que ter falhado no combate e de ter deixado “as populações abandonadas a si próprias”. “Respondeu com programas burocráticos e mal concebidos, que deixaram as vítimas à mercê da solidariedade alheia, que felizmente não faltou, ao contrário dos apoios públicos”, sublinhou.

Comente este artigo

O artigo foi publicado originalmente em O Jornal Económico.

Anterior Presidência Finlandesa do Conselho da União Europeia | 1 de julho a 31 de dezembro 2019
Próximo Agricultores de Coimbra exigem ao Governo pagamento dos prejuízos causados pelos javalis

Artigos relacionados

Últimas

Recuperação de áreas ardidas em Boticas apoiada pelo Fundo Recomeçar


No âmbito das candidaturas apresentadas pelo Município de Boticas ao Fundo Recomeçar, a Câmara promoveu esta segunda-feira, dia 29 de abril, […]

Últimas

Quase 600 bombeiros no fogo de Tomar. “Vamos ter uma noite muito trabalhosa”

Um incêndio florestal deflagrou este sábado, pelas 16h10, em Tomar, no distrito de Santarém, mobilizando quase 600 bombeiros, apoiados por 165 veículos, […]

Últimas

Empresa romena procura fornecedores de doces e café

Uma empresa romena, especializada na distribuição de produtos alimentares, está à procura de procura novos fornecedores de doces e café (barras de chocolate, […]