Moçambique e Indonésia querem incrementar cooperação no comércio, agricultura e transportes

Moçambique e Indonésia querem incrementar cooperação no comércio, agricultura e transportes

Maputo, 07 fev (Lusa) — Moçambique e Indonésia querem incrementar a cooperação nos domínios do comércio, agricultura e transportes, anunciou hoje em Maputo a ministra dos Negócios Estrangeiro e Cooperação do país asiático.

Retno Marsudi, que falava após um encontro com o Presidente moçambicano, Filipe Nyusi, disse que a Indonésia possui uma forte experiência em processos de industrialização, principalmente no setor agrário, e que pode ser partilhado com Moçambique.

“A agricultura é uma área com forte potencial para ser desenvolvida em Moçambique e nós podemos colaborar com país em pelo menos dois itens: nas estratégias industrialização e na capacitação de mão-de-obra”, declarou a ministra, destacando o algodão como um dos principais interesses do seu país em Moçambique.

Retno Marsudi apontou também o setor das pescas como uma potencial área de cooperação, manifestando a abertura para compartilhar as experiências de que o seu país dispõe, com um dos maiores arquipélagos do mundo, na exploração do potencial marinho.

“Trago comigo uma delegação de empresários que querem conhecer o país, porque o que nós vemos é que este país tem potencial”, sustentou a ministra, que observa que nos próximos anos África será um dos principais pilares da economia indonésia.

Para o setor dos transportes, apontado como um desafio para o executivo moçambicano, Retno Marsudi disse que a Indonésia quer apoiar Moçambique a apostar nas ligações ferro-portuárias, avançando que o país asiático pondera oferecer comboios para facilitar a circulação de bens e produtos.

“O potencial está cá e as relações são boas”, referiu a ministra, apontando a cooperação na formação de quadros moçambicanos na Indonésia como uma prova das boas relações com Moçambique.

No âmbito da sua visita, além do encontro com Filipe Nyusi, Retno Marsudi reuniu-se com o primeiro-ministro moçambicano, Carlos Agostinho do Rosário, depois de ter participado no Fórum de Negócios Moçambique — Indonésia, organizado pela Confederação Empresarial das Associações Económicas de Moçambique.

Dados da embaixada da Indonésia em Maputo indicam que, só em 2015, o país asiático investiu cerca de 180 milhões de dólares (168 milhões de euros) na área dos hidrocarbonetos, com destaque para o gás natural, através das empresas Besmindo Pemba Semesta, na base logística de Pemba, no norte do país, e a Buzi Hydrocarbons Pte Ltd, em Sofala, centro de Moçambique.

EYAC // EL

Lusa/Fim

Comente este artigo
Anterior Présidentielle 2017 Après l’APCA, Guy Vasseur entre dans l’équipe de François Fillon
Próximo Workshop Gestão no agroalimentar - 11 de Fevereiro 2017 - Celorico de Basto

Artigos relacionados

Últimas

Mais carne, leguminosas, raízes e tubérculos. Olhar para o “prato” do mundo na próxima década

[Fonte: SAPO 24]
O consumo de leguminosas, raízes e tubérculos deverá crescer 1,9% por ano em todo o mundo até 2028, […]

Últimas

Governo disponibiliza apoios para agricultores de Mação, Sertã e Vila de Rei

[Fonte: Gazeta Rural]

Estão já disponíveis apoios para os agricultores afetados pelo incêndio que percorreu o território dos concelhos de Mação, […]

Últimas

“Há um enorme potencial para a biomassa em Portugal”

[Fonte: O Jornal Económico]

Lisboa vai receber 1.500 delegados de 70 países este mês para debaterem a importância da biomassa no combate às alterações climáticas no mundo. […]