Ministro do Ambiente: “Temos de investir 2,5 mil milhões a mais para assegurar a neutralidade carbónica em 2050”

Ministro do Ambiente: “Temos de investir 2,5 mil milhões a mais para assegurar a neutralidade carbónica em 2050”

[Fonte: O Jornal Económico]

João Matos Fernandes afirma que “para chegarmos aos 85% de redução de emissões e assegurar a neutralidade carbónica em 2050, temos de investir em cada ano 2.5 mil milhões de euros a mais do que o previsto”.

O ministro do Ambiente e da Transição Energética, discursou está sexta-feira na terceira edição da Feira Internacional de Negócios (FIN), que decorre na cidade do Porto, no edifício da Ordem dos Contabilistas Certificados.

João Matos Fernandes referiu que deste valor, “85% será de investimento privado”, relembrando que “o problema das alterações climáticas é desta geração e não da futura”.

O ministro do Ambiente assegura que “Portugal vai ser um país neutro em carbono em 2050”, sendo que o “cenário que melhor nos garante essa neutralidade, é o cenário em que a economia mais cresce”.

Joao Matos Fernandes salientou ainda que o “acordo de Paris foi quase uma epifania” embora tenha trazido “más notícias”.

“O presidente [dos Estados Unidos] Donald Trump achou que era um acordo a descartar. O Brasil tem uma posição muito dúbia naquilo que é o seu compromisso ambiental e tivemos o problema dos coletes amarelos em França”, sublinhou o ministro do Ambiente, que define a meta para Portugal atingir os 85% na redução de emissões carbónicas em 2050.

“Os transportes públicos vão ter de reduzir as emissões em 90%, a indústria em 70% e a agricultura em perto de 30%”, afirmou João Matos Fernandes.

Comente este artigo

O artigo foi publicado originalmente em O Jornal Económico.

Anterior “Vinha e vinho, turismo e património cultural nos territórios dos GAL”. Colóquio gratuito na FNA 2019
Próximo Casa das Talhas de portas abertas na Feira Nacional de Agricultura 2019

Artigos relacionados

Sugeridas

COVID-19: Estudantes que queiram trabalhar na Agricultura têm isenção de IRS

Devido ao impacto da pandemia da COVID-19, a prioridade de atuação tem sido assegurar o funcionamento do setor agrícola e agroalimentar, […]

Últimas

Agricultura açoriana pode perder mais de 10 milhões com a seca

Os prejuízos na agropecuária nos Açores, provocados pela seca, poderão ser já superiores a dez milhões de euros, avançou hoje o presidente da Associação Agrícola da Ilha Terceira (AAIT), […]

Últimas

Produtores de vinho da Bairrada falam em quebra de quase 100% nas vendas e pedem apoios

A meteorologia tem obrigado os vitivinicultores a fazer mais tratamentos nas vinhas e a aumentar as despesas. […]