Magos Irrigation Systems aponta caminhos para rentabilidade do Olival e Amendoal

Magos Irrigation Systems aponta caminhos para rentabilidade do Olival e Amendoal

[Fonte: Agricultura e Mar]

A Magos Irrigation Systems organizou a 23 de Maio, sob o mote “Mais Tecnologia, Mais resultados”, no auditório da EDIA, em Beja, um simpósio que juntou 200 participantes para discutir a rentabilidade económica das culturas do olival e do amendoal.

Na mesa redonda sobre rentabilidade, os especialistas foram peremptórios na necessidade de uma mudança de paradigma do hectare para o kg, ou seja, conseguir a máxima produtividade, com o menor uso de inputs por kg de azeite ou kg de amêndoa.

“O importante é conseguir, através de pequenos pormenores de gestão diária da exploração, maximizar a produção para baixar o custo por kg de azeite produzido, para sermos cada vez mais rentáveis, independentemente do preço do mercado”, afirmou Bruno Cantinho, produtor e consultor que gere 6.500 hectares de amendoal em Portugal.

Reduzir os custos de produção a 1€/kg/amêndoa

“O nosso desafio é reduzir os custos de produção a 1€/kg/amêndoa e chegar o mais perto possível do potencial genético da cultura, nas condições edafoclimáticas do Alentejo. Pensamos que podemos atingir 3000 kg/amêndoa/hectare ou até mais”, acrescentou Pedro Branco, produtor e consultor que gere 3.500 hectares de amendoal em Portugal e Espanha.

“Para mim o grande objectivo é produzir cada vez mais kg/hectare, com o menor custo possível, porque no preço do produto final não consigo mexer”, disse Pedro Marques, produtor e consultor que gere 2.800 hectares de olival e amendoal em Portugal, dando como exemplo a variação do preço do azeite de 3,70€/kg (há 3 meses) para 2,50€/kg (preço atual).

Já Brígido Chambra, produtor e consultor que gere 5.700 hectares de olival e amendoal em Portugal e Espanha, alertou que “o maior desafio dos agricultores é aplicar bem a tecnologia para produzir barato, o tecto máximo de custo de produção de azeite deve ser 1,2€/kg e da amêndoa 1,5€/kg. Temos bom clima, bons solos e água suficiente, mas o factor humano, técnico e de gestão, é determinante no sucesso, é preciso ter muita disciplina e certeza nas decisões”.

Valorização do azeite

Em olivais tradicionais de sequeiro, menos produtivos do que os olivais regados, a estratégia de valorização do azeite é indubitavelmente a aposta na venda do produto embalado e com marca própria. A Cooperativa Agrícola de Moura e Barrancos, que agrega 22.000 hectares de olival (a maioria em sequeiro), vende 90% do seu azeite embalado e com marca, tendo os olivicultores uma majoração de 0,05€/kg no preço da azeitona Galega (variedade base do azeite DOP da região).

José Duarte, responsável da cooperativa, explica que esta é uma estratégia para evitar o abandono dos olivais de sequeiro, mas antevê que em 2021, quando entrar em funcionamento o bloco de rega Moura-Póvoa de São Miguel-Amareleja (10.000 hectares), “vai haver uma transformação muito grande, com o arranque da maioria dos olivais tradicionais, substituídos por olivais intensivos e superintensivos, ou em alternativa, uma reestruturação dos olivais de sequeiro, com aumento da densidade de plantação e instalação de sistemas de rega. Pensamos aumentar a majoração do preço para a azeitona das variedades autorizadas na DOP”, revelou.

Rega de amendoal

Por sua vez, vindo de Israel, o especialista Rueven Birger, membro do Almond Board of Israel e consultor em instalação e rega de amendoal, deixou conselhos práticos aos agricultores, com destaque para os seguintes: a dotação diária de rega deve ser ponderada em função do diâmetro da copa das árvores e das condições meteorológicas e é necessário dar maior volume de rega na fase inicial de desenvolvimento do miolo da amêndoa.

A produção mundial de amêndoa está em crescimento acelerado, estimando-se que em 2020 atinja 1,5 milhões de toneladas, cerca de 15% mais do que actualmente (1,25 M ton), em resposta ao aumento do consumo mundial.

“Há procura para absorver a produção actual e futura de amêndoa e tanto Portugal como Espanha têm excelentes condições para incrementar e modernizar a área de pomar. É expectável um incremento da produtividade do amendoal com as novas variedades auto-férteis”, explicou Rueven Birger.

Oradores

O simpósio teve ainda como oradores José Alberto Pereira, do Instituto Politécnico de Bragança numa palestra sobre controlo de pragas e doenças em olival; Dolores Humanes, consultora da empresa Cotecnisur, que falou sobre projeto e implantação de pomares, densidade e marco de plantação e António Poblador, da empresa Improfort, numa aula prática sobre as variedades de amêndoa mais adaptadas a Portugal.

Em jeito de conclusão do evento, António Gastão, administrador da Magos Irrigation Systems, afirma que “todos saímos deste simpósio com algumas ideias sobre como ser mais rentáveis nos nossos negócios, é esta a forma que a Magos Irrigation Systems tem de estar no mercado, contribuindo para o sucesso dos nossos clientes, que em última análise é também o nosso sucesso, através da partilha de conhecimento”.

A Magos Irrigation Systems é uma empresa líder em serviços de projecto, instalação, assistência técnica e venda de sistemas de rega. A única empresa do sector da rega incluída nas 1000 maiores PME nacionais, eleitas pela Revista Exame em 2016.

A sua missão é a valorização da produção agrícola, através de soluções globais de rega que aumentam a rentabilidade dos agricultores. Os seus activos estratégicos são: equipas técnicas especializadas; proximidade ao cliente; capacidade logística; parceria com fabricantes de sistemas de rega mundialmente reconhecidos e meios próprios para fabrico e reparação de componentes.

Agricultura e Mar Actual

Comente este artigo

Receba este artigo na Newsletter do Agroportal

Aceito a Política de Proteção de Dados e dou o respetivo Consentimento para a recolha e tratamento de dados pessoais.

O artigo Magos Irrigation Systems aponta caminhos para rentabilidade do Olival e Amendoal foi publicado originalmente em Agricultura e Mar

Anterior O Porco.PT já abrange 45% da produção e “é um projeto para crescer”
Próximo CELPA tem presença marcada na Feira do Livro de Lisboa

Artigos relacionados

Últimas

Tribunal informal acusa gigante Monsanto de violação dos direitos do homem e ecocídio

[Fonte: Correio da Manhã]

Um tribunal cidadão informal, com cinco juízes profissionais, acusou esta terça-feira o consórcio gigante norte-americano Monsanto de violação dos direitos do homem, impacto negativo sobre o ambiente e do crime de ecocídio.
Monsanto, que produz sementes geneticamente modificadas, […]

Nacional

Agrototal tem nova solução para o combate da flavescência dourada

[Fonte: Vida Rural]
A Agrototal anunciou esta semana o lançamento da solução Deltina, um agroquímico que atua no combate da flavescência dourada.
Em comunicado, a empresa refere que se trata de um inseticida piretróide de amplo espectro de ação que “foi obtido de um alargamento de espectro de aplicação do produto Deltina para utilização no controlo da Cigarrinha Dourada (Scaphoideus titanu), […]

Últimas

Vêm aí novos cursos de Protecção Civil nos politécnicos em 2018

[Fonte: Jornal De Negócios]

Os incêndios deste Verão e início de Outono puseram a nu a escassa oferta formativa na área da Protecção Civil e ordenamento da floresta. A tal ponto que o ministro do Ensino Superior, Manuel Heitor, teve de pedir às universidades e institutos politécnicos sugestões para melhorar e aumentar os cursos nesta área. […]