LPN promove ciclo de debates “Floresta e Incêndios Florestais – Incertezas e Verdades”

[Fonte: Agricultura e Mar]

A LPN —  Liga para a Protecção da Natureza está a organizar um ciclo de debates intitulado “Floresta e Incêndios Florestais – Incertezas e Verdades”, a realizarem-se a 23 e 30 de Novembro e a 6 e 14 de Dezembro 2017, na Culturgest, em Lisboa.

Diz a organização dos ciclos que, em 2017, por “razões várias, algumas de natureza excepcional, os fogos florestais em Portugal atingiram níveis inimagináveis, em perdas e danos, incluindo humanas, desinquietando todos os portugueses para este recorrente e dramático problema.  Em cima dos acontecimentos muito se disse, escreveu e prescreveu sobre o tema. Muito se exigiu e muito se prometeu”.

A Liga para a Protecção da Natureza, passado o tempo de combate e de auxílio, entende “oportuno, nos termos da sua missão como associação cívica, de interesse público, debater as razões fundamentais e estruturais que estão na génese da recorrência dos fogos florestais mas também apontar vias e soluções para que a floresta portuguesa seja diferente, mais resiliente, mais sustentável e mais usufruída pela sociedade portuguesa convocando-a, simultaneamente, para um esforço mais solidário e activo para a sua protecção e valorização”, acrescenta a mesma fonte.

O debate de 23 de Novembro tem como tema “A Gestão Continua a ser a Melhor prevenção?”. A boa gestão florestal é apontada como a melhor prevenção para os riscos de incêndios. Por outro lado, ela é também a única forma de dar mais valor económico e ambiental à floresta. Este Verão muitas propriedades com boa gestão soçobraram aos fogos. Por que razão? Vale a pena gerir? Como? O que deverá ser feito de forma diferente?, questiona a LPN.

Recompor a floresta

Já a 30 de Novembro o tema é “Recompor a nossa Floresta. As Espécies Contam?”. Uma das questões mais repetidas na opinião pública foi o apontar recorrente dos eucaliptos, sobretudo, e dos pinheiros como uma das causas mais importantes dos fogos. Em contraponto muito se falou de “espécies autóctones”, “árvores bombeiras” e outras designações. Urge diversificar a nossa floresta por razões de valoração da riqueza ambiental e económica e também para minimizar riscos. Mas poder-se-á fazê-lo com base em preconceitos ou informação menos adequada? Que fazer? Como gerir expectativas e cuidar de rendimentos?

Pode consultar o programa completo do ciclo de debates aqui.

As inscrições são gratuitas mas obrigatórias através do email geral@lpn.pt ou do telefone 217 780 097.

Agricultura e Mar Actual

Comente este artigo

Receba este artigo na Newsletter do Agroportal

O artigo LPN promove ciclo de debates “Floresta e Incêndios Florestais – Incertezas e Verdades” foi publicado originalmente em Agricultura e Mar

Anterior Burgaz: La Norma de Calidad “ha favorecido el crecimiento de la cabaña de cerdos ibéricos”
Próximo Consumo en el hogar y precios, innovación y calidad alimentaria, en Efefood

Artigos relacionados

Últimas

Espanhóis e italianos criam peixe robot para monitorizar água da aquacultura

[Fonte: Agricultura e Mar]
Um grupo de investigadores do Centro de Automática y Robótica (CAR), da Universidade Autónoma de Madrid, em colaboração com investigadores da Universidade de Florença, estão a desenhar um veículo submarino autónomo equipado com biosensores para monitorizar a qualidade da água em unidades de aquacultura. […]

Últimas

Câmara de Abrantes quer estudo sobre impactos dos incêndios na qualidade da água

[Fonte: Correio da Manhã]

O impacto dos incêndios na qualidade da água da albufeira de Castelo de Bode, que abastece cerca de dois milhões de portugueses, preocupa a presidente da Câmara de Abrantes, que esta terça-feira pediu uma reunião de trabalho sobre o assunto. […]

Últimas

Falhou venda da fazenda brasileira de arroz do GES

[Fonte: Jornal De Negócios]

Não há comprador para a fazenda que o antigo Grupo Espírito Santo tinha no Brasil. O processo de alienação, que tinha sido lançado há um ano, caiu depois de não ter havido concorrentes. A venda da companhia de produção de arroz e soja reverteria a favor da massa insolvente da Rioforte, […]