Junho classificou-se como muito frio em Portugal continental

Junho classificou-se como muito frio em Portugal continental

Junho classificou-se como muito frio em Portugal continental

Percentagem de água no solo2019-07-03 (IPMA)

O mês de Junho de 2019 foi o 13º mais frio desde 1931 e o mais frio desde 2000. O valor médio da temperatura média do ar, 18.19 °C, foi inferior ao normal com um desvio de -1.23°C. O valor médio da temperatura mínima do ar, 11.66°C, foi 1.84°C inferior ao valor normal, sendo ao 4º valor mais baixo desde 1931 (mais baixo em 1972, 10.89 °C). O valor médio da temperatura máxima do ar, 24.73°C, foi 0.63°C inferior ao valor normal, sendo o 2º valor mais baixo desde 2000 (mais baixo em 2007). Valores da temperatura máxima, neste período, inferiores aos registados ocorreram em cerca de 30% dos anos, desde 1931.
 
Durante o mês de junho destacam-se os seguintes períodos:

  • 1 a 3: valores de temperatura do ar muito superiores ao valor normal, em particular, da temperatura máxima, sendo de salientar o dia 1 com um valor médio em Portugal continental de 33.3°C, +8.0°C em relação ao valor normal;
  • 4 a 15: valores de temperatura do ar (máxima, média e mínima) inferiores ao valor normal, sendo de salientar os dias 5 a 7 com valores da temperatura máxima muito inferiores ao normal (dia 6 com um desvio de -5.6 °C); destacam-se ainda os valores de temperatura mínima do ar entre 4 e 18 de junho, com inferiores ao valor normal;
  • 28 a 30: valores de temperatura do ar superiores ao normal, em especial a temperatura máxima do ar.

O valor médio da quantidade de precipitação em junho, 23.8 mm, corresponde a cerca de 74 % do valor normal mensal. Regionalmente destaca-se o Sul com valores inferiores ao normal, em particular o interior do Baixo Alentejo e a região do Algarve.

No final do mês verificou-se, em relação ao final de maio, uma diminuição significativa dos valores de percentagem de água no solo no Litoral Norte e Centro, mantendo-se nas regiões do interior Norte e Centro, na região de Vale do Tejo, no Alentejo e no Algarve com valores inferiores a 20% e que, em alguns locais, são muito próximos do ponto de emurchecimento permanente.

De acordo com o índice PDSI, em relação ao final de maio, mantém-se a situação de seca meteorológica no final de junho, verificando-se um ligeiro aumento da área em seca extrema na região Sul.

Assim, no final de junho, a distribuição percentual do índice de seca no território é a seguinte:

  • 5.9% na classe de seca extrema;
  • 28.0% na classe de seca severa;
  • 22.7% na classe de seca moderada;
  • 40.9% na classe de seca fraca;
  • 1.9% na classe normal;
  • 0.6% na classe chuva fraca.

Comente este artigo

O artigo foi publicado originalmente em IPMA.

Veja a previsão do tempo e a melhor altura para pulverizar na nossa página de Meteorologia powered by Syngenta.

Anterior Recolha de leite de vaca e fabrico de produtos lácteos registam queda em Abril
Próximo Abril regista maior volume de produção de frango e ovos de galinha

Artigos relacionados

Nacional

Mau Tempo: Ordem dos Engenheiros diz que está por criar um modelo de gestão no Baixo Mondego

“Desde há décadas que está por criar um modelo de gestão deste empreendimento, o que leva a que muitos usufruam e poucos contribuam para a sua conclusão, […]

Nacional

Valor da agricultura madeirense cresce 18% em 2018

O presidente do Governo Regional da Madeira, Miguel Albuquerque anunciou um crescimento da agricultura, em 2018, relativamente em 2017 – que já […]

Nacional

CAP diz que Investimentos florestais com apoio PDR 2020 têm “taxa execução baixa”

A CAP — Confederação dos Agricultores de Portugal diz que os investimentos florestais com o apoio do PDR 2020 tem uma “taxa de execução baixa” […]