Investigadores desenvolvem sensor de deterioração precoce da batata armazenada

Investigadores desenvolvem sensor de deterioração precoce da batata armazenada

[Fonte: Agricultura e Mar]

A produção de batata em Idaho, nos Estados Unidos, representa apenas um valor de 500 milhões de dólares anuais. E muitos destes tubérculos acabam por apodrecer nos armazéns. Por isso, os investigadores Harish Subbaraman, David Estrada e Yantian Hou, da Boise State University, esperam mudar este desfecho e criaram um sensor de baixo custo para determinar o nível de podridão das batatas em armazém.

Graças a uma recente doação de 413.681 dólares norte-americanos, da Idaho Global Entrepreneurial Mission (IGEM) à Boise State University, aquele estabelecimento de ensino, fez um protocolo com a Universidade Estatal de Idaho, a empresa Isaacs Hydropermutation Technologies (IHT) e a Emerson para desenvolver uma rede de sensores, sem fio, capaz de detectar os níveis de temperatura e humidade, assim como de dióxido de carbono e amoníaco, em tempo real, para ajudar a detectar de forma precoce o estado de podridão das batatas em armazéns.

Segundo la Farm Bureau Federation do Estado de Idaho, a cada Primavera os agricultores plantam mais de 129.500 hectares de batatas, avaliadas entre 550 a 700 milhões de dólares. Apesar disso, a maioria dos consumidores desconhece que aproximadamente 30% da colheita é perdida antes de chegar ao ponto de venda.

Sistema de sensores na cloud

Este sistema de sensores, que guarda os dados numa cloud, conta com una visão tridimensional das zonas críticas e ajudará a prever a podridão ou a deterioração da qualidade das batatas armazenadas. Isto permitirá aos proprietários utilizar os dados em tempo real dos sensores, com um sistema em miniatura para limpeza do ar, que está a ser desenvolvido pelo IHT com o fim de dar uma rápida resposta aos potenciais problemas.

Harish Subbaraman, professor assistente de Engenharia Electrónica, diz que “o problema actual é que não existem sensores que possam detectar de forma atempada a podridão, mas pode fazer-se, podem-se evitar perdas de colheita em grande escala”.

Por sua vez, o professor David Estrada adianta que “o custo dos sensores pode ascender a apenas uns poucos de dólares por unidade. Espera-se que o sistema de monitorização não só ajude a evitar que se produzam desperdícios, mas que também se possa ajudar a conservar a qualidade das batatas em armazém”.

Agricultura e Mar Actual

Comente este artigo

Receba este artigo na Newsletter do Agroportal

Aceito a Política de Proteção de Dados e dou o respetivo Consentimento para a recolha e tratamento de dados pessoais.

O artigo Investigadores desenvolvem sensor de deterioração precoce da batata armazenada foi publicado originalmente em Agricultura e Mar

Anterior Alliance presenta el primer neumático de flotación con tecnología VF “Dos en Uno”
Próximo Helena Freitas e o abandono do Interior: "É preciso exigir mais compromisso político"

Artigos relacionados

Últimas

Mais de 22 mil pessoas já visitaram exposição sobre os Vikings

[Fonte: Agricultura e Mar]
O Museu de Marinha, em Belém, já recebeu mais de 22 mil visitantes na exposição temporária “Vikings – Guerreiros do Mar”, que pode ser visitada até ao dia 12 de Novembro. Nesta exposição estão presentes mais de 600 peças, […]

Últimas

Portugal comprou mais de 500 toneladas de carne suspeita do Brasil

[Fonte: Jornal económico]
As importações portuguesas de carne ao Brasil registaram um total de 524.519 quilogramas, o que representa 3,44 milhões de euros, indicam os dados do Instituto Nacional de Estatística. A notícia foi avançada pelo jornal “Público” esta terça-feira e revela que 284.812 quilogramas foram de carne de bovino congelada, […]

Últimas

A maior exploração de vacas com robots de ordenha do Sul da Europa

[Fonte: Vida Rural]
A Exploração Agrícola Teixeira do Batel, em Vila do Conde, consolidou em meados de fevereiro a sua posição de maior exploração de vacas com robots de ordenha do Sul da Europa, onde se inclui França, Espanha e Itália. […]