Investigador duvida da criação do cadastro florestal, que está 30 anos atrasado

Lisboa, 07 ago (Lusa) — O cadastro florestal vem, “no mínimo, com 30 anos de atraso”, persistindo a dúvida se é desta vez que será realmente implementado, afirmou o diretor do núcleo de investigação de incêndios florestais da Universidade de Coimbra, Luciano Lourenço.

Comente este artigo
Anterior Marché foncier Tous les prix 2016 des terres agricoles en Paca
Próximo Vila Real reclama medidas imediatas e apoios financeiros para a floresta

Artigos relacionados

Últimas

CCDR de Lisboa e Vale do Tejo preocupada com diminuição da população “superior a 10%”

O presidente da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional de Lisboa e Vale do Tejo (CCDR-LVT) disse esta segunda-feira que o principal desafio da região é demográfico, revelando que a tendência de diminuição da população “é superior a 10%”.
“Uma das principais componentes da competitividade entre municípios vai ser a atratividade dos jovens”, […]

Nacional

Cientista de Coimbra recebe prémio internacional por investigação dos incêndios


Coimbra, 03 fev (Lusa) — O cientista da Universidade de Coimbra (UC) Domingos Xavier Viegas foi distinguido em Barcelona, Espanha, por mais de 30 anos de investigação na área dos incêndios florestais, foi hoje anunciado.
Xavier Viegas lidera a Associação para o Desenvolvimento da Aerodinâmica Industrial (ADAI), […]

Últimas

Los embalses del Duero siguen perdiendo agua mientras que los del Tajo ganan dos hectómetros cúbicos

A la espera de las lluvias que anuncia la Agencia Estatal de Meteorología para la semana que acaba de arrancar, las reservas de agua en los embalses de la Cuenca del Duero siguen mermando hasta llegar al 19 por ciento de su capacidad, medio punto porcentual menos que hace sólo una semana. […]