Investigador duvida da criação do cadastro florestal, que está 30 anos atrasado

Lisboa, 07 ago (Lusa) — O cadastro florestal vem, “no mínimo, com 30 anos de atraso”, persistindo a dúvida se é desta vez que será realmente implementado, afirmou o diretor do núcleo de investigação de incêndios florestais da Universidade de Coimbra, Luciano Lourenço.

Comente este artigo
Anterior Fosfonatos de potássio fora da constituição dos adubos
Próximo Vila Real reclama medidas imediatas e apoios financeiros para a floresta

Artigos relacionados

Últimas

PPP não são opção economicamente viável para projetos de infraestruturas, diz o Tribunal de Contas Europeu

[Fonte: ECO – Fundos CE]
Tribunal de Contas Europeu fez um relatório sobre as Parcerias Público Privadas e concluiu que são um modelo muitas vezes ineficiente e desequilibrado em termos de custos para os parceiros públicos.
As Parcerias Público Privadas (PPP) cofinanciadas pela União Europeia não são uma opção economicamente viável para executar projetos de infraestruturas. […]

Últimas

Pedrógão: PS não é contra projecto de indemnizações, mas quer discutir detalhes

[Fonte: Público]

O PS foi o único partido que em Julho não se juntou ao consenso para criar um mecanismo extra-judicial que acelere o pagamento de indemnizações por danos às vítimas dos incêndios de Pedrógão Grande e esta terça-feira garantiu que não é […]

Últimas

Quercus teme aumento de praga da vespa asiática por “atitude despreocupada do Estado”

[Fonte: Agricultura e Mar]
A direcção da Quercus – Associação Nacional de Conservação da Natureza diz que a “atitude despreocupada do Estado faz temer aumento de praga da vespa asiática” e que a nova legislação agora publicada “não traz soluções”.
A “falta de resultados positivos no combate à […]