Investigador duvida da criação do cadastro florestal, que está 30 anos atrasado

Lisboa, 07 ago (Lusa) — O cadastro florestal vem, “no mínimo, com 30 anos de atraso”, persistindo a dúvida se é desta vez que será realmente implementado, afirmou o diretor do núcleo de investigação de incêndios florestais da Universidade de Coimbra, Luciano Lourenço.

Comente este artigo
Anterior Marché foncier Tous les prix 2016 des terres agricoles en Paca
Próximo Vila Real reclama medidas imediatas e apoios financeiros para a floresta

Artigos relacionados

Nacional

Corteva Agriscience quer reforçar posição em Portugal. E vai estar na FNA 2019

[Fonte: Agricultura e Mar]

A Corteva Agriscience, recentemente tornada empresa independente 100% agrícola, marca presença como main sponsor na Feira Nacional de Agricultura – FNA 19, que decorre de 8 a 16 de Junho, no CNEMA (Centro Nacional de Exposições), em Santarém, […]

Nacional

Leilão marca três décadas de evolução da pecuária

[Fonte: Gazeta Rural]

Nos últimos 30 anos a pecuária brasileira registrou seus maiores avanços produtivos. A idade de abate dos animais diminuiu de cinco para menos de três anos, o peso de carcaça aumentou de 16@ para 20@ e o Brasil passou da condição de importador a exportador de carne bovina para mais de 180 países. […]

Opinião

A importância das marcas e patentes no setor agrícola – Luis Caixinhas

A IMPORTÂNCIA DAS MARCAS, DESENHOS OU MODELO E PATENTES NO SECTOR AGRÍCOLA PORTUGUÊS
Um dos fatores mais importantes para o crescimento do Sector Agrícola Português passa pelo desenvolvimento de marcas distintivas, de embalagens diferenciadoras e de novos produtos ou processos, os quais têm que ser devidamente protegidos através dos respetivos mecanismos legais de proteção como é o caso entre outros das marcas, […]