Investigador duvida da criação do cadastro florestal, que está 30 anos atrasado

Lisboa, 07 ago (Lusa) — O cadastro florestal vem, “no mínimo, com 30 anos de atraso”, persistindo a dúvida se é desta vez que será realmente implementado, afirmou o diretor do núcleo de investigação de incêndios florestais da Universidade de Coimbra, Luciano Lourenço.

Comente este artigo
Anterior Fosfonatos de potássio fora da constituição dos adubos
Próximo Vila Real reclama medidas imediatas e apoios financeiros para a floresta

Artigos relacionados

Últimas

Incêndios: Governo recusa suspender concurso de ordenamento de eucaliptos

[Fonte: Correio da Manhã]
O ministro da Agricultura recusou hoje suspender o concurso de nove milhões de euros, em fundos comunitários, para ordenamento de eucaliptos, assegurando que o objetivo é ordenar a plantação desta espécie e não permitir mais área plantada. […]

Nacional

Corpos de duas vítimas portuguesas entregues à família

[Fonte: Jornal De Negócios]

As duas cidadãs portuguesas, uma mulher de 74 anos residente na Grande Lisboa e a sua neta de 20 anos, residente em Londres, morreram nas Ramblas, movimentada avenida da capital catalã, atropeladas por uma carrinha que, ao longo de um percurso de cerca de 600 metros, […]

Nacional

Portugal e Espanha lançam projeto para a recuperação da floresta depois dos incêndios

[Fonte: Vida Rural]
A Forestis – Associação Florestal de Portugal e a Universidade da Aveiro serão as entidades que irão representar Portugal no projeto ‘Life Reforest – Prevenção da erosão e recuperação de áreas florestais queimadas através de uma solução inovadora de fungos e tecnossóis’. […]