Grupo de Trabalho para os Mercados Agrícolas apresenta recomendações sobre os agricultores na cadeia de abastecimento alimentar

O Grupo de Trabalho para os Mercados Agrícolas (AMTF), presidido pelo antigo Ministro da Agricultura neerlandês e pelo Professor Cees Veerman, apresentou hoje o seu relatório ao Comissário da UE responsável pela Agricultura e Desenvolvimento Rural, Phil Hogan.

A criação do Grupo de Trabalho, composto por doze peritos independentes, reflete a crescente preocupação sobre a evolução global da cadeia de abastecimento alimentar e, em particular, sobre a posição do produtor nessa cadeia. Por conseguinte, o Grupo de Trabalho foi convidado a debater uma série de questões relevantes para melhorar a posição dos agricultores na cadeia alimentar.

Aceitando o relatório, que é o resultado de dez meses de trabalho, o Comissário Phil Hogan declarou: «Tendo em conta as recentes dificuldades em alguns setores específicos, consideramos necessário reforçar o papel do agricultor na cadeia alimentar, com o objetivo de assegurar que este obtenha uma compensação justa pelos seus produtos. O reforça da voz e da posição do agricultor constitui uma prioridade importante para mim. O relatório do Grupo de Trabalho para os Mercados Agrícolas constitui um contributo muito útil para o debate sobre a forma de atingir este objetivo. Vamos agora dar prioridade à análise do relatório e das suas recomendações com vista a adotar a resposta política adequada. A importância desta questão já é reconhecida no Programa de Trabalho da Comissão para 2017 e o relatório hoje apresentado desempenhará um papel fundamental para o cumprimento desse compromisso.»

Num contexto de preocupações quanto ao facto de os agricultores serem os que mais estão a sofrer devido à volatilidade dos preços e aos longos períodos de preços baixos, o relatório do Grupo de Trabalho conclui que o quadro político que rege a cadeia de abastecimento «pode e deve ser melhorado». Entre outras conclusões, o relatório apela para novas regras a nível da UE que visem cobrir determinadas Práticas Comerciais Desleais (PCD), bem como a aplicação de regimes de execução eficazes nos Estados-Membros, nomeadamente mediante o recurso a um Provedor.

Outras recomendações incluem a promoção de uma maior transparência do mercado, reforçando a cooperação entre os agricultores, facilitando o acesso dos agricultores ao financiamento e melhorando a aceitação de instrumentos de gestão de riscos. Concretamente, o relatório do Grupo de Trabalho recomenda que:

  • a fim de melhorar a transparência do mercado, seja introduzida a obrigação de comunicação de preços e de fornecimento mais atempado de dados mais normalizados;
  • no que diz respeito às PCD, embora se tenham revelado úteis, as iniciativas voluntárias não têm conseguido induzir uma execução eficaz e independente. Deve, por conseguinte, ser adotada legislação-quadro a nível da UE, devendo também ser apoiados regimes de execução eficazes nos Estados-Membros, nomeadamente recorrendo a um Provedor. São também formuladas recomendações sobre a obrigatoriedade de contratos escritos, que também beneficiaria os agricultores;
  • em termos de reforço da cooperação entre agricultores, as regras em matéria de organização coletiva e de direito da concorrência devem ser claras e exequíveis, a fim de reforçar realmente as oportunidades para a cooperação entre agricultores;
  • para facilitar o acesso dos agricultores ao financiamento, há potencial para uma maior utilização de instrumentos financeiros, em relação aos quais o Banco Europeu de Investimento (BEI) tem um papel a desempenhar, podendo este também participar no desenvolvimento de um possível mecanismo de garantia de crédito à exportação; e
  • sobre a questão da gestão de riscos, os instrumentos existentes devem ser melhorados. Os mercados de futuros oferecem aos agricultores um instrumento adicional, mas é necessário fazer mais em termos de sensibilização e formação.

Criado em janeiro de 2016, o Grupo de Trabalho para os Mercados Agrícolas examinou também uma série de questões que contribuirão para o debate sobre a Política Agrícola Comum (PAC) pós-2020, sublinhando os desafios decorrentes das alterações climáticas, bem como da escassez de água e de energia fóssil. O Grupo refere a importância de os agricultores serem remunerados pelo fornecimento de bens e serviços públicos. O relatório sugere igualmente a possibilidade de introduzir elementos de uma política de gestão integrada dos riscos a nível da UE. Por último, salienta a importância da investigação e da inovação — e da atração de novos jovens agricultores para o setor — a fim de dar resposta aos desafios que enfrentamos.

Para mais informações, ver aqui.

Comente este artigo
Anterior Portugal desperdiça fundos europeus para conservação da natureza
Próximo Reforma da floresta? Que venha a contra-reforma - Francisco Gomes da Silva

Artigos relacionados

Nacional

Syngenta cresce acima do mercado português nos fitofármacos

O mercado nacional de produtos fitofarmacêuticos cresceu 2,6% em 2017, mas a Syngenta superou este resultado, com um crescimento de 10,2%, sustentado pelo bom desempenho dos inseticidas e dos fungicidas. A ambição da empresa é reforçar a sua quota de mercado em Portugal, contando para isso com um pipeline de produtos “revolucionários”. […]

Comunicados

Cotações do leilão 16/2017

Consulte as cotações do leilão 16/2017.

Comunicados

A AGRO.GES é Premium Sponsor do Agri Innovation Summit 2017

A AGRO.GES é Premium Sponsor do Agri Innovation Summit 2017. Ao longo de dois dias (11 e 12 de Outubro), mais de 500 participantes de diversas nacionalidades, discutirão as principais questões relacionadas com a INOVAÇÃO no setor agrícola e no mundo rural, analisando o presente e projetando o futuro.