Governo vai suspender apoio ao investimento em olival no Alqueva

Governo vai suspender apoio ao investimento em olival no Alqueva

[Fonte: O Jornal Económico]

O ministro da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural, Luís Capoulas Santos, considera que as implicações do olival têm sido “distorcidas” pela opinião pública e não têm as pressões ambientais que lhe são atribuídas.

O ministro da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural, Luís Capoulas Santos (E), acompanhado pelos secretários de Estados, da Agricultura e Alimentação, Luís Medeiros Vieira (E), e das Florestas e do Desenvolvimento Rural, Miguel João de Freitas (D), intervém durante a sua audição perante a Comissão de Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa, durante a sua audição perante a Comissão, no âmbito das audiências sobre o Orçamento do Estado (OE) para 2018, na Assembleia da República, em Lisboa, 14 de novembro de 2017. JOÃO RELVAS/LUSA

O Governo anunciou esta quarta-feira que vai suspender apoio ao investimento em olival na região do Alqueva e delimitar as manchas contínuas para proteção da biodiversidade. O ministro da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural, Luís Capoulas Santos, considera que as implicações do olival têm sido “distorcidas” pela opinião pública e não têm as pressões ambientais que lhe são atribuídas.

“Determinei, no atual quadro comunitário de apoio, que não haverá no perímetro de Alqueva mais apoios ao investimento para a instalação de olivais e de agro-industrias associadas ao olival, porque temos capacidade de laboração suficiente”, afirmou o ministro da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural, no debate marcado de urgência pelo Partido Ecologista “Os Verdes” (PEV), com o tema “travar as culturas intensivas e superintensivas”.

O governante anunciou também que vai encomendar um estudo sobre o impacto da continuidade da mancha de olival, visando a “proteção da biodiversidade”. Ainda assim, o ministro da Agricultura lembra que o olival português exporta atualmente para alguns dos “mercados mais exigente do mundo” e está sujeito a controlo rigoroso, em matéria de qualidade.

Luís Capoulas Santos disse ainda, sobre culturas intensivas e superintensivas, que “o olival ou olival em sebe não promove mais as pressões ambientais do que qualquer outra cultura de regadio, até pelo contrário”. “Os indicadores mostram que [as culturas de olival] são menos consumidoras de água e têm menos impacto negativo no solo”, afirmou.

“[As distorções da opinião pública] põe em causa uma atividade económica de grande relevância para o país e que contribui para esta região”, sublinha Luís Capoulas Santos.

O olival intensivo encontra-se sobretudo no Alentejo. Segundo dados do Ministério da Agricultura, o olival em sebe – que veio aumentar significativamente a rentabilidade e trazer uma menor dependência de mão-de-obra – corresponde 20 mil hectares em todo o país, o que se traduz a “menos de 1% do olival nacional”.

Comente este artigo

O artigo foi publicado originalmente em O Jornal Económico.

Anterior João Ponte anuncia novo concurso do VITIS este ano no valor de quatro milhões de euros
Próximo Governo anuncia fim de novos apoios para extensão do olival no perímetro do Alqueva

Artigos relacionados

Dossiers

Oferta de emprego – Técnico Agrícola de Balcão Fitofarmacêutico – Engenheiro Agrónomo – Alcobaça

A Agriloja é a maior rede de lojas de livre serviço para animais e plantas, que apresenta soluções para os clientes “Faça você mesmo” e Profissional, […]

Nacional

Árvore portuguesa de 2020 é o castanheiro de Vales

Este castanheiro, uma das árvores mais grossas de Portugal, tem 21 metros e um perímetro de tronco de 14 metros.

A árvore portuguesa de 2020 é o castanheiro de Vales, […]

Nacional

Lisboa mais verde até 2021 com aposta na água reciclada e em mais árvores

O programa da iniciativa Lisboa Capital Verde Europeia 2020 foi apresentado esta sexta-feira, no Lisbon Secret Spot, com o vereador do Ambiente, […]