Governo lança pacote de medidas “verdes” para descarbonização e economia circular

Governo lança pacote de medidas “verdes” para descarbonização e economia circular

[Fonte: O Jornal Económico]

O Conselho de Ministros aprovou hoje um conjunto de medidas relativas à descarbonização da sociedade, à economia circular e à valorização do território. Destaque para o Programa de Ação para a Adaptação às Alterações Climáticas que se arrastava há largos meses.

Através de um comunicado, o Conselho de Ministros anunciou nesta quinta-feira a aprovação de “um conjunto de diplomas que reforçam a prioridade dada pelo Governo às questões ambientais, tendo em vista o bem-estar e a qualidade de vida das pessoas”. O Conselho de Ministros salienta que as medidas aprovadas representam “importantes mudanças no que respeita à descarbonização da sociedade, à economia circular e à valorização do território”.

Ao nível da descarbonização da sociedade, o Governo aprovou duas medidas: “O Roteiro para a Neutralidade Carbónica 2050, através do qual é adotado o compromisso de alcançar a neutralidade carbónica em Portugal até 2050, o que se traduz num balanço neutro entre emissões de gases com efeito de estufa (GEE) e o sequestro de carbono pelo uso do solo e florestas”; e “a resolução que contempla a aquisição e locação de veículos de zero emissões por parte de setor empresarial do Estado, contribuindo para a descarbonização das frotas das empresas públicas. Dá-se, assim, mais um passo no sentido de reduzir as emissões nacionais de gases com efeito de estufa entre 45% e 55% até 2030, devendo o setor dos transportes contribuir com uma redução de 40%”.

No âmbito da economia circular foram aprovados: “O decreto-lei que estabelece o regime jurídico de produção de água para reutilização, obtida a partir do tratamento de águas residuais, bem como da sua utilização, por forma a promover a sua correta utilização e evitar os efeitos nocivos para a saúde e para o ambiente. Face ao consumo crescente de água, a que acresce a frequência e intensidade das secas, a reutilização constitui uma origem alternativa, contribuindo para o uso sustentável dos recursos hídricos, na medida em que permite a manutenção de água no ambiente e a respetiva preservação para usos futuros (aprovação na generalidade); e “a resolução que altera a composição do Grupo de Coordenação do Plano de Ação para a Economia Circular (PAEC). Pretende-se assegurar uma maior estabilidade na designação dos representantes das diferentes áreas e imprimir maior eficácia no acompanhamento das orientações previstas no PAEC”.

Quanto à valorização do território, o comunicado do Conselho de Ministros realça que “aprovaram-se quatro iniciativas legislativas que dão continuidade à estratégia de promoção do ambiente e da natureza como fatores de desenvolvimento do país”, a saber:

  • “Decreto-Lei que concretiza o quadro de transferência de competências para os órgãos municipais no domínio da cogestão das áreas protegidas. Desta forma, imprime-se uma dinâmica de gestão de proximidade, em que diferentes entidades colocam ao serviço da área protegida o que de melhor têm para oferecer no quadro das suas competências e atribuições, pondo em prática uma gestão participativa, colaborativa e articulada em cada área”;
  • Decreto-lei que estabelece o regime jurídico aplicável ao controlo, à detenção, à introdução na natureza e ao repovoamento de espécies exóticas da flora e da fauna, assegurando a execução, na ordem jurídica nacional, do Regulamento (UE) n.º 1143/2014, do Parlamento Europeu e do Conselho, de 22 de outubro de 2014 (aprovação final)”;
  • Decreto-Lei que altera os princípios e normas a que deve obedecer a produção cartográfica no território nacional. As alterações visam clarificar, simplificar e desenvolver o respetivo regime jurídico, consagrando-se ainda a constituição de uma Base de Dados Nacional de Cartografia que estruture e organize a informação geográfica das grandes escalas (aprovação na generalidade)”;
  • Programa de Ação para a Adaptação às Alterações Climáticas (P-3AC), que estabelece as linhas de ação e as medidas de adaptação tendo em vista reduzir as vulnerabilidades do território às alterações climáticas. No atual panorama de escalada dos desafios associados às alterações climáticas, urge promover a adoção de medidas adicionais de mitigação – que combatam as causas – e de adaptação – que minimizem os impactos -, com vista a uma sociedade neutra em carbono e resiliente ao clima, adaptada às suas consequências, reduzindo a vulnerabilidade e alcançando o desenvolvimento sustentável”.
Comente este artigo

O artigo Governo lança pacote de medidas “verdes” para descarbonização e economia circular foi publicado originalmente em O Jornal Económico.

Anterior Açores recebe Assembleia das Regiões Europeias Vitícolas a 12 de Junho
Próximo FNA 2019: Dona Uva promove showcooking com Chef Rodrigo Castelo

Artigos relacionados

Últimas

Exportação de vinho regressa aos recordes e aproxima-se dos 800 milhões de euros

[Fonte: Público]
Depois da quebra de 2016 a fileira do vinho acabou o ano passado em grande. Aumentaram os volumes, […]

Últimas

Idanha recebe Fórum Internacional Territórios Relevantes para Sistemas Alimentares Sustentáveis

[Fonte: Revista Frutas Legumes e Flores]

A alimentação está no centro do actual debate global sobre sustentabilidade. O sistema alimentar mundial precisa de uma urgente transição, […]

Nacional

Incêndios. Mais de 4 mil crimes de incêndio e 45 detenções desde janeiro

[Fonte: Expresso]

Desde o início do ano e até ao dia 25 de agosto, […]