Fogo na Sertã já levou à retirada de 158 pessoas de casa

Fogo na Sertã já levou à retirada de 158 pessoas de casa

Desde as 00h00 desta segunda-feira registaram-se 91 incêndios florestais em Portugal

O incêndio que deflagrou na Sertã, distrito de Castelo Branco, já levou à retirada de 158 pessoas das suas casas, algumas das quais já regressaram, indicou a Protecção Civil, informando que o fogo lavra com “grande intensidade”.

De acordo com a adjunta de operações da Autoridade Nacional de Protecção Civil (ANPC) Patrícia Gaspar, trata-se do fogo que concentra “maior número de meios” e que desperta “maior atenção” – estando a ser combatido por 731 operacionais, auxiliados por 234 veículos e 12 meios aéreos. No decorrer deste fogo, “158 pessoas foram retiradas das suas casas”, disse Patrícia Gaspar, referindo que algumas já puderam regressar às habitações durante a manhã, enquanto outras estão ainda a ser deslocadas.

Além do incêndio na Sertã, que deflagrou no domingo à tarde e se alastrou aos concelhos de Mação (distrito de Santarém) e Proença-a-Nova (Castelo Branco), a Protecção Civil tem centrado as atenções noutros quatro fogos – um que lavra também em Castelo Branco, dois no distrito de Bragança e um em Évora.

Sobre a evacuação de aldeias “por precaução” na Sertã, a representante da ANPC precisou que afectou as povoações de Pereiro (26 habitantes retirados), Feiteira (26), Galela (52) e de Roqueira (31).

O combate ao fogo na Sertã tem sido “uma operação muito complexa”, declarou a adjunta de operações da ANPC, informando que o trabalho dos bombeiros está a ser “muito condicionada por aquilo que tem sido a acção do vento durante toda a tarde”, que tem originado “um comportamento inconstante do incêndio” e tem levado a “um permanente reajuste dos meios no terreno”.

A dificultar o trabalho dos bombeiros está também o facto de existirem aldeias e povoamento dispersos na zona do incêndio, pelo que os operacionais no terreno se têm empenhado em garantir “protecção quer às pessoas, quer às habitações”. A Protecção Civil espera que “a noite possa constituir-se como uma boa oportunidade para tentar inverter a evolução deste incêndio”.

“Temos todos os meios possíveis posicionados nesta ocorrência, esperamos que o trabalho que estão a desenvolver possa vir a dar frutos nas próximas horas”, afirmou Patrícia Gaspar. A adjunta de operações da ANPC sublinhou que as condições atmosféricas previstas para as próximas 48 horas “não são animadoras”, uma vez que “o vento continuará a soprar forte” e as temperaturas vão aumentar, existindo vários concelhos em risco máximo de incêndio. “Todo o cuidado é pouco neste momento”, reforçou a representante da Protecção Civil.

Segundo Patrícia Gaspar, desde as 00h00 desta segunda-feira registaram-se 91 incêndios florestais em Portugal, cinco dos quais continuavam activos às 19h00: dois em Castelo Branco, dois em Bragança e um em Évora.

Em relação aos fogos de Bragança e de Évora, a responsável da ANPC disse que a situação está “a evoluir favoravelmente”. Os dois fogos em Castelo Branco são os que suscitam maior preocupação à Protecção Civil. Em Castelo Branco, além do fogo na Sertã mantém-se a lavrar um incêndio em Vale de Coelheiros, devido a uma reactivação registada esta tarde, pelo que estão no terreno “três grupos de reforço empenhados” no combate às chamas, no total de 248 operacionais, apoiados por 80 veículos.

Comente este artigo
Anterior Com a seca instalada no país, a reutilização dos esgotos pode matar a sede aos campos
Próximo Quatro em cada 10 pessoas comem doces todos os dias

Artigos relacionados

Sugeridas

Carta a Marcelo

[Fonte: Jornal de negócios]
Há dias, V. Ex.ª, na qualidade de PR, esteve discretamente sentado na plateia de uma sessão onde eu era orador. Aquilo que gostaria de ter tido a oportunidade de lhe dizer ali, digo-o agora nesta carta aberta.
A agricultura portuguesa está numa encruzilhada: vai voltar a ser o parente pobre da economia ou aproveitamos o novo paradigma que foi alcançado e canalizamos para este setor as verbas necessárias? […]

Últimas

Sindicato dos Motoristas volta à mesa de negociações no dia 5 de agosto para tentar evitar greve

[Fonte: O Jornal Económico]

O Sindicato Nacional dos Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP) pediu uma nova reunião ao Governo para tentar evitar a greve marcada para dia 12 de agosto.
Em entrevista à RTP3, o vice-presidente do SNMMP disse que pediu “uma nova reunião ao ministério das Infraestruturas para tentar um acordo e assim evitar a greve”. […]

Nacional

Recuperação de áreas ardidas em Boticas apoiada pelo Fundo Recomeçar

[Fonte: Gazeta Rural]

No âmbito das candidaturas apresentadas pelo Município de Boticas ao Fundo Recomeçar, a Câmara promoveu esta segunda-feira, dia 29 de abril, uma reunião com as entidades beneficiárias desses apoios no Concelho, tendo em vista a rápida canalização das verbas disponíveis e a sua aplicação nos fins a que se destinam. […]