Floresta amazónica pode entrar num ciclo de desmatamento e seca – estudo

Floresta amazónica pode entrar num ciclo de desmatamento e seca – estudo

São Paulo, Brasil, 13 mar (Lusa) – A floresta amazónica corre o risco de cair num ciclo de seca e desmatamento causado pela ação humana e pela redução das chuvas na região, segundo um estudo publicado hoje pela revista Nature.

A investigação, liderada pela cientista Delphine Clara Zemp, do Instituto Potsdam de Pesquisas sobre o Impacto Climático, da Alemanha, foi realizada por meio de uma análise complexa e inovadora dos fluxos de água, que permitiu elaborar a relação entre o desmatamento e a seca.

“Por um lado, sabemos que a redução de chuvas aumenta o risco de desmatamento e, por outro, esse desmatamento pode intensificar a seca na região”, disse a cientista.

“Quanto maior a seca menor fica a floresta, quanto menor for a floresta mais seca ela [floresta] será e assim por diante. As consequências desse círculo vicioso entre as plantas no solo e a atmosfera que os rodeia não é ainda tão claro”, acrescentou.

A cientista afirmou que o estudo “fornece mais luz sobre esta questão, destacando o risco do desmatamento estar diretamente ligado à redução da precipitação de chuva”.

Embora a precipitação média não varie drasticamente, a extensão da seca irá afetar a Amazónia que pode eventualmente se tornar uma savana, de acordo com previsões da publicação.

“O ciclo da água na Amazónia é uma mistura de física e biologia, mas também é uma das maiores maravilhas da natureza”, explicou o coautor do estudo Henrique M. J. Barbosa, investigador da Universidade de São Paulo (USP) do Brasil.

“Enquanto o ciclo é muito poderoso, ele também é surpreendentemente suscetível às mudanças ambientais e à atividade humana, que impõe perturbações maciças na Amazónia. O desmatamento e os gases de efeito estufa reduzem a humidade e a precipitação, fatores que acabam por afetar até as partes inexploradas da floresta”, completou.

Além disso, no estudo afirma-se que um dos pontos fortes da floresta amazónica para resistir a esta ameaça é a diversidade de vegetação.

“Como cada espécie reage de forma diferente, e existe uma grande diversidade de vegetação, significa que o ecossistema pode resistir melhor”, disse Marina Hirota, da Universidade Federal de Santa Catarina, outra instituição do Brasil que participou do estudo.

“Preservar a biodiversidade torna-se não só uma questão de amar a natureza, mas em um elemento estabilizador do sistema terrestre”, concluiu.

CYR // EL

Lusa/Fim

Comente este artigo
Anterior Quimper. Agri Deiz, le festival de l'agriculture, du 24 au 26 mars
Próximo Les chambres d'agriculture françaises en quête d'économies

Artigos relacionados

Últimas

Governo autoriza compra de cinco aeronaves militares KC-390 também para combater incêndios

Lisboa, 27 jul (Lusa) – O Governo autorizou hoje, por diploma, o início de negociações com a Embraer para comprar cinco aeronaves militares KC-390, usadas também para combate a incêndios florestais, e pediu uma avaliação da suspensão da modernização das atuais aeronaves C-130H.

Comente este artigo
#wpdevar_comment_4 span,#wpdevar_comment_4 iframe{width:100% !important;} […]

Sugeridas

60% de Portugal caminha para a desertificação

[Fonte: TSF] De Alcoutim vão sair ideias para tentar salvar o país da seca e da desertificação. Nesta vila do nordeste algarvio está sedeado o Centro de Competências de Luta Contra a Desertificação.

O diagnóstico do País está feito e só tem vindo a piorar: “60% do território tem suscetibilidade moderada à desertificação e 11% uma suscetibilidade alta”, […]

Últimas

Quatro em cada 10 pessoas comem doces todos os dias

Lisboa, 25 jul (Lusa) — Quatro em cada 10 pessoas inquiridas pela Associação Portuguesa para a Defesa do Consumidor comem doces todos os dias, com o chocolate no topo da lista, e a maioria consome menos fruta e legumes do que devia.

Comente este artigo

#wpdevar_comment_6 span,#wpdevar_comment_6 iframe{width:100% !important;} […]