Exportações cabo-verdianas para Portugal aumentaram em 2016

Exportações cabo-verdianas para Portugal aumentaram em 2016

Praia, 31 jan (Lusa) – As exportações cabo-verdianas para Portugal cresceram em 2016 e o país manteve a posição de principal fornecedor de Cabo Verde, num contexto de redução global das vendas para o exterior e de agravamento do défice comercial.

Segundo o boletim estatístico do comércio externo, divulgado hoje pelo Instituto Nacional de Estatística de Cabo Verde (INECV), as exportações para Portugal cresceram 21,9% em 2016 face a 2015 e representam agora 19,2% do total das exportações, colocando o país em segundo lugar na lista dos principais clientes de Cabo Verde.

O primeiro lugar é ocupado pela Espanha, que absorveu 72,5% das exportações cabo-verdianas em 2016.

Globalmente, no ano passado, as exportações e reexportações cabo-verdianas caíram respetivamente 10,3% e 18,4%, enquanto as importações cresceram 10,5%, o que resultou no agravamento em 13% do défice da balança comercial.

Em 2016, Cabo Verde exportou e reexportou mercadorias no valor de pouco mais de 150 milhões de euros e importou mais de 600 milhões de euros de produtos.

O continente europeu continua a ser o principal fornecedor de Cabo Verde, com 79% do total das importações.

Portugal manteve-se como principal fornecedor, representando 46,5% do total das importações cabo-verdianas.

Em segundo lugar surge, a Espanha, com 11,3%, seguida da Holanda, China, Brasil, Bélica, França, Itália e Estados Unidos.

Preparados e conservas de peixe (43%), peixes e moluscos (38,2%), vestuário (10,4%), calçado (5,7%) e bebidas alcoólicas (0,9%) foram os principais bens exportados por Cabo Verde, que importou combustíveis (8,8%), reatores e caldeiras (8,2%), máquinas e motores (7,9%), ferro (5,4%), automóveis (4,7%), cimentos (3,1%), leite (3,1%) bebidas alcoólicas (2,8%), têxteis (2,5%) e arroz (2,4%).

As importações de arroz (-25%), combustíveis (-23%) e leite (-6,7%) registaram as quebras mais acentuadas face a 2015, enquanto os veículos (36,2%) e os têxteis (28,6%) tiveram uma evolução positiva.

A estrutura das importações revela que os bens de consumo representam 45,3 por cento do total, seguidos dos bens intermédios (33,4 %), dos bens de capital (12,4%) e os combustíveis (8,8%).

CFF // EL

Lusa/Fim

Comente este artigo
Anterior NZ reports sharp drop in meat sales to EU and US
Próximo Judge upholds California plan to label glyphosate as ‘carcinogen’

Artigos relacionados

Últimas

Prémio Intermarché Produção Nacional abre candidaturas

[Fonte: Vida Rural]

As candidaturas à 6ª edição do Prémio Intermarché Produção Nacional estão a decorrer até […]

Nacional

Incêndios: Autarca afirma que não há localidades em risco no fogo de Castelo Branco

[Fonte: O Jornal Económico]

“Não há, felizmente, nenhuma localidade em perigo. Esperemos que se mantenha assim”, […]

Últimas

A importância do boro e do zinco no amendoal

[Fonte: Voz do Campo]
IntroduçãoA aplicação de determinados nutrientes no amendoal de forma correcta e equilibrada, […]