Estatuto da Agricultura Familiar

Estatuto da Agricultura Familiar

[Fonte: Voz do Campo]

Finalmente, foi publicado no Diário da República o Decreto-Lei nº 64/2018 de 7 de Agosto, que consagra o Estatuto da Agricultura Familiar.

Em nota chegada à nossa redação, a  CNA, Confederação Nacional de Agricultura, diz ser “um processo em que tomou a iniciativa e para o qual contribuiu decisivamente, muito em especial a partir do seu 7º Congresso, em Novembro de 2014, onde aprovou a sua proposta e a apresentou, publica e oficialmente, com as definições e reclamações concretas quanto aos direitos a consagrar, bases em que veio a assentar o Estatuto agora publicado.”

“De relevante importância revestiu-se a Conferência Nacional – Estatuto da Agricultura Familiar Portuguesa – que a CNA promoveu em Junho de 2017, assim como a opinião e propostas que apresentou em fase de Debate Público, já no início deste ano.”

“O posicionamento reafirmado no nosso 8º Congresso, em Abril deste ano, no qual o Ministro da Agricultura confirmou publicamente que a proposta do Governo ia no sentido de acolher o que a CNA propõe. Aí reclamamos também a necessidade da sua urgente publicação para que as medidas a consagrar fossem já reflectidas no Orçamento de Estado de 2019. Dessa forma, o Governo iniciaria passos concretos que, reconhecendo a importância económica, social e ambiental da Agricultura Familiar, a valorizem e dêem início ao fim da discriminação de que tem sido alvo por sucessivos Governos desde a entrada na CEE, que até agora levou à eliminação de mais de metade das explorações, a um ritmo de 1,3 / minuto”, adianta a direção da CNA.

Esta Confederação esclarece ainda que “embora tardia, consideramos importante a publicação do Estatuto, o que constitui em si uma grande vitória da luta da CNA, dos Agricultores e da Agricultura Familiar!”

No documento, a CNA diz não poder deixar de assinalar os seguintes aspectos:

  • O Estatuto agora publicado, não reconhece nem aponta medidas específicas que valorizem o insubstituível papel da Mulher como pilar da Família Agrícola, da actividade da exploração, da dinamização do Mundo Rural;
  • Nos “Requisitos para o reconhecimento”, o Artº 5º, alínea c) é demasiado limitativo. Ao contrário de outras situações, em que o limite máximo se reporta unicamente ao montante  das “ajudas directas”, agora determina como limite máximo  “€ 5.000 decorrentes  das ajudas da PAC incluídas no pedido único”, excluindo assim muitos e muitos detentores de explorações agrícolas familiares, nomeadamente muitos agricultores familiares, produtores de raças autóctones, com importantíssimo papel na preservação destas espécies e na manutenção da biodiversidade;
  • A CNA considera negativo que o prazo para entrada em vigor tenha sido alargado de 30 para 90 dias (entre o projecto sujeito a discussão pública e o Decreto-Lei agora publicado);
  • Ainda mais negativo é o facto de ter sido eliminado o Artigo 12º do projecto, “Regulamentação”, que dava o máximo de seis meses a cada membro do Governo (e são nove Ministério envolvidos, o que é demonstrativo da importância e da transversalidade da Agricultura Familiar na nossa sociedade), para regulamentar as medidas necessárias à implementação do Estatuto.
  • Deixando cair um limite temporal para a regulamentação do Estatuto, o Governo descompromete-se assim do que diz reconhecer e defender, adiando, sem data, a sua efectiva implementação, nomeadamente com efeitos já no Orçamento de Estado de 2019.
  • A CNA, que com o processo iniciado em 2014, foi pioneira na reclamação do reconhecimento e valorização da Agricultura Familiar Portuguesa, pelas funções económicas, sociais, ambientais, assim como em proporcionar às instituições e às populações uma alimentação de proximidade e de qualidade, lutará para que o Decreto-Lei do Estatuto da Agricultura Familiar não se resuma a uma mera “declaração”, mas seja instrumento de desenvolvimento da Agricultura e do Mundo Rural, de que o país necessita.
  • A CNA, consciente dos passos a dar para a implementação do Estatuto, disponibiliza-se e reclama desde já reunir com responsáveis dos diferentes ministérios envolvidos para, sem perca de tempo, contribuir para a regulamentação do Decreto-Lei, na perspetiva na sua contemplação, já no OE de 2019.
  • A CNA sublinha que as verdadeiras intenções do Governo ficarão claras no momento da atribuição dos meios para a concretização do Estatuto, e que a proposta do OE deve, independentemente do momento em que o Estatuto entrar em vigor, contemplar já essas verbas.
  • A CNA, promovendo a mobilização da Agricultura Familiar, continuará vigilante e interventiva, na reclamação da consagração e efectivação dos direitos de quem com a sua vida e o seu trabalho pode manter o Mundo Rural vivo e proporcionar às populações uma alimentação de proximidade e de qualidade.
Comente este artigo

O artigo Estatuto da Agricultura Familiar foi publicado originalmente em Voz do Campo

Anterior Ponte de Sôr recebe congresso “Montado no desenvolvimento rural do Sudoeste peninsular”
Próximo Ministério da Agricultura entrega de ração de emergência, palha e feno nas zonas afectadas pelo incêndio de Monchique

Artigos relacionados

Eventos

Hands-on Course – Combining Proteomics and Genomics towards the Proteogenomics concept- 26 a 29 de Setembro 2017 – Évora

O Instituto de Ciências Agrárias e Ambientais Mediterrânicas anuncia a abertura de inscrições para o curso – Hands-on Course – Combining Proteomics and Genomics towards the Proteogenomics concept – , que irá decorrer nos dias 26 a 29 de Setembro, no pólo da Mitra da Universidade de Évora. […]

Nacional

Empresa do Qatar procura produtores de tintas, diluentes e solventes

[Fonte: Agricultura e Mar]
Uma empresa do Qatar, especializada em produtos de polietileno de alta densidade (HDPE) e polietileno de baixa densidade (LDPE) procura produtores ou fornecedores de tintas de base de solvente flexo, diluentes e solventes.
Segundo a secção de Oportunidades de Negócio da Enterprise Europe Network, […]

Últimas

Um país mais ecológico

[Fonte: Público]

Um país mais ecológico valoriza o conhecimento e a decisão informada, a construção de soluções colectivas e sustentáveis, o compromisso de longo prazo e a eficiência. Um país mais ecológico elege o ordenamento, a valorização do território e dos recursos naturais, […]